quarta-feira, 28 de maio de 2008

Dicas Verdes

Acabo de receber dois convites para a Semana do Meio Ambiente em Montes Claros.
O primeiro deles é para o VII Encontro das Águas, que vai ocorrer de 2 a 5 de junho. A programação conta com seminário composto por dois painéis temáticos e palestras seguidas de debates; cursos de curta duração e oficinas temáticas; além de visita técnica a locais e obras afetas à preservação do meio ambiente. O encontro é promovido pela Associação dos Engenheiros Agrônomos do Norte de Minas (AGRO-NM) em parceria com diversas entidades. Para maiores informações clique aqui.
Outra dica legal para a próxima semana é a atividade promovida pelo Grupo de Ação Ambiental Sertão Calango. No dia 5 de junho, dia mundial do meio ambiente, a partir das 17:00 na Praça dos Jatobás, a moçada vai realizar uma série de atividades de conscientização, prática de escalada e show com o meu grande amigo Beu Viana pra encerrar com chave de ouro. Valeu a dica Sânia, estaremos lá pra conferir.



A Estrada vai além do que se vê!

terça-feira, 27 de maio de 2008

Campanha pela redução da jornada ganha a internet


O internauta que está ansioso para assinar o abaixo-assinado das centrais sindicais pela redução da jornada de trabalho, sem redução dos salários, agora pode fazê-lo pela internet. O objetivo das centrais é arrecadar milhões de assinaturas em apoio ao projeto de lei, de autoria dos senadores Inácio Arruda (PCdoB-CE) e Paulo Paim (PT-RS), até o dia 28 de maio, data da mobilização nacional da campanha.

O endereço é reconhecido internacionalmente e as assinaturas, portanto, têm o mesmo valor da assinatura em papel. Lançado essa semana, o abaixo-assinado virtual já conta, neste momento, com 270 assinaturas.

A campanha se encerra no dia 28 de maio, quando as centrais promoverão, junto com as demais entidades que compõem o movimento sindical – sindicatos, federações e confederações – um dia de luta, cujo momento mais importante será a entrega das assinaturas no Congresso Nacional pela aprovação da PEC 393/01, que reduz a jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais.

A campanha está sendo promovida por seis centrais: CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), CUT, Força Sindical, NCST (Nova Central Sindical dos Trabalhadores), UGT (União Geral dos Trablahdores) e CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil).

Clique aqui e assine o abaixo-assinado.




A Estrada vai além do que se vê!

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Caravana da UNE começa em agosto


Entidade promoverá debates sobre a saúde dos jovens para que as políticas públicas atuem de maneira mais eficiente. A Caravana também prevê discussões sobre a situação da educação no País e atividades culturais.


No dia 11 de agosto, data em que se comemora o Dia do Estudante, a União Nacional dos Estudantes (UNE) lança mais uma grande campanha para mobilizar os jovens de todas as regiões do País. Trata-se da Caravana da UNE: saúde, educação e cultura.


O lançamento acontecerá no terreno da UNE e da UBES, na Praia do Flamengo, 132, no Rio de Janeiro. Durante o evento serão realizadas várias atividades e intervenções culturais.


Após o lançamento, no dia 11 de agosto, a Caravana iniciará efetivamente suas atividades na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) no dia 12, e no dia 14 de agosto estará na Universidade Estácio de Sá.


A iniciativa inédita é uma parceria com o Ministério da Saúde, que tem por objetivo disseminar informações entre os jovens e promover discussões sobre temas que envolvam a saúde e o desenvolvimento da juventude. A Caravana percorrerá 38 universidades de diversas capitais brasileiras.


Serão abordados temas como: descriminalização e uso de drogas, legalização do aborto, consumo de álcool, violência no trânsito, prevenção de AIDS e doenças sexualmente transmissíveis, políticas públicas para mulheres e planejamento familiar.


O encerramento da Caravana da UNE está previsto para o dia 27 de novembro, em Brasília.




A Estrada vai além do que se vê!

É o Leguedê que está chegando agora

Escultura em Metal de Rachel Ducker


Após um breve descanso no feriadão, com direito a carnaval de rua e Mercado Municipal, voltamos com força total pra encarar esse restante de mês de maio.
Pra começar damos a dica de um Blog criado por um grupo de pessoas, participantes dos mais diversos movimentos democráticos e populares, como pólo de resistência a uma possível aliança PT-PSDB na capital mineira.
O Motim 13 me foi apresentado pelos petistas montesclarenses Luis Carlos Gusmão e Álbano Silveira Machado. Vale a pena dar uma conferida.
Também vale visitar o Blog sobre a grande poetisa portuguesa Florbela Espanca (1894-1930), de quem publicamos o belo poema “Balada” de 8 de agosto de 1916 publicado em seu livro “Trocando Olhares” :


Balada


Amei-te muito, e eu creio que me quiseste
Também por um instante nesse dia
Em que tão docemente me disseste
Que amavas ‘ma mulher que o não sabia.

Amei-te muito, muito! Tão risonho
Aquele dia foi, aquela tarde!…
E morreu como morre todo o sonho
Deixando atrás de si só a saudade! …

E na taça do amor, a ambrosia
Da quimera bebi aquele dia
A tragos bons, profundos, a cantar…

O meu sonho morreu… Que desgraçada!
………………………………
E como o rei de Thule da balada
Deitei também a minha taça ao mar …




Florbela Espanca



A Estrada vai além do que se vê!

Mais um estudo sobre a juventude

O IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), publicou a edição número 15 do Boletim de Políticas Sociais especial sobre Juventude....É um documento bem completo e vale a pena a leitura...

Para conferir o Boletim na íntegra clique aqui.

A Estrada vai além do que se vê!

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Goooooooooooooooooooooooooooooooooollllll

E deu Vermelho na cabeça. O portal da esquerda bem informada foi eleito o melhor site de política do Brasil pela segunda vez (a primeira foi em 2004). Parabéns à equipe do melhor portal de política do Brasil.
E pra completar a vitória dos povos, o site do
Flamengo foi eleito o melhor na Categoria “Futebol” e o Urublog, o melhor Blog de Futebol. Nossas congratulações ao grande Arthur Muhlenberg pela vitória.
Leia abaixo a matéria publicada ontem no
Vermelho sobre o prêmio.


Prêmio iBest: Vermelho é eleito o melhor site de política do Brasil


O portal Vermelho conquistou o tão esperado prêmio iBest 2008 como melhor página de política do Brasil. A boa nova foi comunicada nesta terça-feira (20) pelos organizadores do iBest. Em segundo lugar na categoria Cidadania/Política ficou o site Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim, e, em terceiro, a página do Partido dos Trabalhadores.


A premiação, que está em sua 11ª edição, é considerada a mais importante voltada para o segmento de internet. Esta foi a segunda vez que o Vermelho ganhou o primeiro prêmio na categoria Cidadania/Política pela votação popular. A outra vez que o Vermelho conquistou o primeiro lugar foi em 2004. No ano anterior (2003), o portal da esquerda bem informada havia ficado entre os três melhores da categoria.


Outras 44 categorias também foram premiadas. Houve ainda premiações em sites regionais de cada estado. Na categoria ''Governo'', ganhou a página do programa Fome Zero. Em segundo lugar, ficou a página do governo brasileiro e, em terceiro lugar, a do Prouni.


Já na categoria melhor ''Blog de Política'', ganhou, pelo júri popular, o blog do jornalista Luís Nassif. Em segundo, ficou o blog de Mino Carta e, em terceiro, o blog de José Dirceu. Entre os blogs de política, houve também premiação pela Academia iBest, na qual votam apenas o júri especializado. Por este critério, o blog de Nassif também ficou em primeiro lugar, seguido dos blogs de Reinaldo Azevedo e de Luiz Carlos Azenha.


O Vermelho, em nome de toda a equipe, agradece a todos que o elegeram o melhor site de política do Brasil. Esta é uma vitória que merece ser comemorada não apenas pelos leitores e colaboradores do Vermelho, mas por todos os que compartilham da nossa luta por um Brasil mais justo.

Clique aqui para ver a página do iBest com os premiados


A Estrada vai além do que se vê!

terça-feira, 20 de maio de 2008

O Meio-Passe vem aí!

Em reunião realizada no último sábado (17), na sede do Diretório Central dos Estudantes da Unimontes (DCE – Unimontes), foi criada a Comissão Permanente em Defesa do Meio Passe Estudantil. A mesma é formada por integrantes da União Nacional dos Estudantes (UNE), União Colegial de Minas Gerais (UCMG), Diretório dos Estudantes de Montes Claros (DEMC), Diretório Acadêmico de Direito das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros, Associação dos Discentes do Norte de Minas (ADINORTE), e DCEs da Unimontes, FACIT, FUNORTE e FASI. Além da criação da Comissão, as entidades também analisaram a proposta de passe estudantil apresentada pela Prefeitura.
Após a pressão exercida pelas manifestações estudantis ocorridas em março e abril, a Prefeitura apresentou na semana passada a minuta do Projeto de Lei que institui o passe estudantil no sistema de transporte coletivo urbano do Município de Montes Claros. A proposta fixa o desconto do passe escolar em 40%, apenas para estudantes com renda familiar de até dois salários mínimos e com limite de duas viagens diárias.
Os membros da Comissão apresentaram parecer em que discordam das limitações apresentadas, mas demonstraram disposição em negociá-las. Segundo a Vice-Presidente do PV Jovem e representante do D.A. de Direto das Faculdades Pitágoras, Fabiane Fernandes, “comemoramos agora a iniciativa de negociação do meio passe estudantil pela Administração com a Comissão de Representantes dos Estudantes de Montes Claros. Este é o início da luta dos estudantes e a permanência da Comissão, a qual em breve estará lutando por novos direitos rechaçados em nossa cidade”.
A negociação dos termos do Projeto de Lei também é vista com bons olhos pela administração municipal. Em entrevista publicada na edição de hoje do jornal Hoje em Dia, o Presidente da Empresa Municipal de Transportes e Trânsito (Transmontes), Petronilho Narciso, admite que o projeto poderá passar por novas discussões com as entidades.
O representante da UNE, Danniel Coelho, valorizou a unidade das entidades estudantis na luta pelo meio-passe, “o parecer das entidades reafirmando o meio-passe demonstra a força do movimento estudantil unificado. É positiva a vontade da Prefeitura em negociar e penso que, em breve, os estudantes montesclarenses poderão usufruir do resultado dessa luta histórica”.
Além da negociação com a Prefeitura, os estudantes também estão correndo a cidade com o Projeto de Lei de Iniciativa Popular do Meio-Passe Estudantil. São necessárias assinaturas de 5% dos eleitores da cidade. Segundo o Vice-Norte da UCMG, Lucas Alves, “até o momento mais de 9 mil assinaturas foram recolhidas, esperamos concluir o trabalho até o início da próxima semana”. Lucas afirmou que o objetivo é chegar a 15 mil assinaturas para o primeiro projeto de lei de iniciativa popular da história de Montes Claros. Os interessados em ajudar na mobilização podem entrar em contato com o DCE da Unimontes através do fone 3229 8203 ou com Lucas através do fone 9105 3650.
"Este é um momento histórico, pois representa um grande avanço na defesa de melhores condições dos estudantes terem o acesso à educação, cultura, ao esporte e lazer, a hora é agora!" - enfatiza Diego de Macedo, Presidente do DCE Unimontes.
Para conferir a Ata da reunião das entidades e o parecer da Comissão, clique aqui.


A Estrada vai além do que se vê!

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Os avanços e desafios na implementação do SINAES

Começamos a semana publicando artigo da botafoguense Flávia Calé. Flavinha é diretora de Universidades Públicas da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da Direção Estadual da União da Juventude Socialista no Rio de Janeiro (UJS). O artigo foi publicado na página das duas entidades.


Os avanços e desafios na implementação do SINAES

Em novembro de 2007, a União Nacional dos Estudantes organizou uma grande campanha de Boicote ao ENADE. Nossa reivindicação principal passava pela implementação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior na sua totalidade, de forma que as diversas dimensões que contribuem para caracterizar as instituições como de boa ou má qualidade fossem aferidas no processo, e não mais a partir do ENADE como fonte exclusiva de avaliação institucional.
Nossa luta não foi em vão e vitórias foram conquistadas. A reunião seguinte da CONAES (Comissão Nacional de Avaliação do Ensino Superior) anunciou na presença do Ministro Fernando Haddad as novas mudanças no sistema. A avaliação estudantil passa a ser uma parte da avaliação de cursos. Isso significa que o resultado do ENADE só vale acompanhado da avaliação das seguintes variáveis: qualificação dos professores, dos currículos dos cursos, do projeto pedagógico, do acervo da biblioteca adaptado à proposta do curso, da infra-estrutura disponibilizada ao aprendizado, à promoção da pesquisa e extensão e das atividades acadêmicas articuladas à prática profissional em cada área.
Além da prova, os estudantes também participam ativamente do processo, ao preencherem os questionários que verificarão essas diversas dimensões sob a ótica estudantil, destacando nosso papel na constituição da avaliação. Assim, o SINAES que antes tinha suas bases afixadas no tripé avaliação das instituições, dos cursos e dos estudantes, agora passa a avaliação de instituições e cursos.
Esse novo formato ajuda a inibir algumas instituições privadas que montaram verdadeiros escolões preparatórios para o ENADE na busca de conquistar boas posições na avaliação, usados para o marketing diante da concorrência e para cobrar mais taxas dos alunos, restando assim o desafio de acabar com a publicação isolada dos dados do exame.
Para o movimento estudantil essa conquista também é muito importante porque retira dos ombros dos estudantes a culpa sobre a baixa qualidade de diversos cursos espalhados por todo o Brasil, a exemplo do que fez o coordenador do colegiado do curso medicina da UFBA professor Natalino Dantas. Suas declarações permeadas de preconceitos com relação à política de cotas e fortemente ofensiva ao povo baiano, principalmente à população negra, explicitam bem a visão das instituições que não reconhecem sua função na promoção de um ensino de qualidade.
Nosso desafio agora passa por garantir que o novo método de avaliação inicie sua aplicação ainda no início do próximo semestre. A construção dos novos instrumentos, coerentes com as mudanças ocorridas, e a atualização das bancas avaliadoras devem ocorrer de forma a cumprir esse calendário. São graves os dados do Censo de Educação Superior de 2006, divulgados pela Folha de São Paulo (12/05/2008), em que 46% das instituições privadas não cumprem com as exigências estipulada pela LDB de ter um terço do quadro docente em regime de dedicação integral. Uma conseqüência direta disso é a má qualidade das aulas ministradas por professores que possuem diversos empregos e que são mal remunerados, já que o custo dos professores horistas é mais baixo. Outra conseqüência é a fragilização do princípio da indissociabilidade o tripé ensino-pesquisa-extensão, pois boa parte desses professores se dedica somente ao ensino e às tarefas restritas à sala de aula.
Além disso, temos a tarefa de participar ativamente das Comissões Próprias de Avaliação -as CPAs- em cada universidade. Essas comissões são responsáveis pela autoavaliação nas instituições e pelo acompanhamento das comissões externas, sendo instrumento central para nossa atuação.
Um dos maiores desafios de ensino superior hoje é combater a MERCANTILIZAÇÃO da educação. Precisamos garantir o controle social sobre a qualidade educacional, principalmente entre as instituições privadas que contam com pouquíssimos recursos de regulamentação e com isso, não se obrigam a oferecer uma educação a serviço do bem público e de um projeto estratégico de nação soberana. O sistema de avaliação é um importante instrumento da sociedade nesse controle, sendo urgente o seu pleno funcionamento.


A Estrada vai além do que se vê!

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Caravana da Anistia aterrisa na Praia do Flamengo

Acabei de receber da minha combativa amiga flamenguista Luana Bonone, 1ª Diretora de Comunicação da União Nacional dos Estudantes (UNE), os relatos da sessão da Caravana da Anistia que rolou ontem no terreno da UNE e da UBES na Praia do Flamengo, 132. É a história fazendo justiça àqueles e àquelas que lutaram pela democracia no nosso país.


Memória 68: Caravana da Anistia é realizada no terreno da UNE e UBES, na Praia do Flamengo, 132.

Sessão da Caravana julga processos de estudantes perseguidos durante ditadura militar, um importante passo para a consolidação da democracia brasileira

Aconteceu nesta quinta-feira (15), no terreno da UNE e da UBES na Praia do Flamengo, 132, a sessão da Caravana da Anistia, que julgou processos para anistiar cinco ex-militantes estudantis perseguidos durante a ditadura militar.

Na mesa de abertura estavam presentes, o presidente da Comissão de Anistia Paulo Abrão; o ministro da Justiça Tarso Genro, o presidente nacional da OAB César Brito, a presidente da UNE Lucia Stumpf, o presidente da UBES Ismael Cardoso e o presidente da UEE-RJ Daniel Iliescu.

O ato teve início com homenagens pós morten a Honestino Guimarães, desaparecido durante o regime militar, e Elza Monnerat, militante do Partido Comunista e da Guerrilha do Araguaia.

Durante a sessão de abertura foi assinada a portaria que cria o Memorial da Anistia Política no Brasil, pelo ministro da Justiça, que será constituído por centro de divulgação e centro de documentação, divulgando acervos históricos dos períodos de repressão compreendidos entre 1946 a 1988. Ainda promovera ações de fomento a pesquisa e publicação de materiais sobre a luta pela democracia no Brasil. Até 2010 será viabilizada a construção da sede para abrigar o Memorial.

O Ministro Tarso Genro parabenizou o trabalho que está sendo realizado pela Comissão de Anistias e o considerou de extrema importância para o processo de construção e consolidação da democracia. Ele também fez uma referência a Aldo Arantes, ex-presidente da UNE que sofreu as violências e as torturas da ditadura nos cárceres da operação bandeirante.

“A democracia propõe uma nova forma de convívio, respeitando as diferentes opiniões. A função da Caravana da Anistia é reparar de alguma forma a dor daqueles que perderam seus entes queridos e não puderam velar seus corpos” – disse Tarso Genro.

“A anistia não é esquecimento, não é retribuição financeira, anistia é um processo integrante da Constituição, um processo efetivamente democrático” -reforçou ainda.

O ministro da Justiça considera fundamental que se abram os arquivos da ditadura e que não se sonegue o debate ideológico sobre a ditadura militar.

O presidente da Comissão de Anistia Paulo Abrão, também citou, durante a cerimônia de abertura, que “a anistia é um ato de reconhecimento, e o momento de desvelar uma série de episódios da nossa história, para que possamos construir uma democracia sob bases sólidas”.

“Assim poderemos seguir adiante com o progresso de nosso País, e ter consciência de que temos contas para acertar com um conjunto de brasileiros e brasileiras. Trata-se de fato de uma dívida política e enquanto o último perseguido político não for anistiado, não teremos no Brasil uma democracia consolidada” – reforçou Abrão.

Após o ato de abertura, o grupo de teatro Tá na Rua e o Circuito Universitário de Cultura e Arte (CUCA) realizaram uma encenação de importantes acontecimentos do movimento estudantil de 1968, como a morte do estudante Edson Luiz. Eles fizeram também, apresentações musicais e intervenções culturais, que fecharam a abertura do evento.
A partir das 15 horas, foram realizadas as sessões de julgamento da Caravana, onde a Comissão de Anistia irá analisar seis casos de estudantes perseguidos durante o período de 68.

Os estudantes perseguidos durante a ditadura militar são:

Edson Menezes da Silva, que integrou o movimento estudantil contra a ditadura. Era estudante de economia da UFBA e militante da Ação Popular (AP). Durante o período, ajudou a fundar o Instituto dos Economistas da Bahia, que era alvo constante de repressão por parte dos militares.

Dione Damasceno, que foi presa em 1972 e acusada de praticar atividades subversivas. Cursava Medicina na UFG e durante o período foi interrogada e torturada. Exilou-se na Suécia em 1975 e retornou ao Brasil em 1983.

Mário Magalhães Lobo Viana que teve sua matrícula suspensa na UFRJ por ser considerado subversivo. Foi um dos nove estudantes presos no Maracanãzinho durante o show de Geraldo Vandré, por distribuir panfletos que conclamavam o público a apoiar o músico, que compunha canções que criticavam a ditadura.

Celso Pohlmann Livi, que está requerendo declaração de anistiada política pós morten de sua esposa Solange Lourenço Gomes. Ela teve destacada militância política entre os anos 60 e 70, foi presa e submetida a sessões de tortura. A comissão especial de mortos e desaparecidos políticos, instituída pela lei 9.140/95, reconheceu a responsabilidade do estado brasileiro pela tortura e conseqüente morte sofrida por Solange.

Ana Maria Santos Rocha que era aluna de Psicologia da UFBA e foi militante estudantil. Atuou no PCdoB a partir de 1973. Por conta das perseguições, perdeu o emprego e exilou-se na Albânia, retornando ao Brasil em 1980.

E finalmente, Olívia Rangel Joffily, militante do movimento estudantil paulista e atuou também na Ação Popular (AP). Foi perseguida, abandonou o curso de Ciências Sociais na Unicamp e seu emprego, passou a viver na clandestinidade e partiu para o exílio retornando ao Brasil em 1979.

Os casos foram julgados um a um, durante todo o dia e os resultados serão divulgados ainda hoje.

Memória de 68
Esse ato faz parte do evento "Memória 68: 40 anos depois", que prevê a realização de intervenções culturais, debates e atos políticos que reunirão artistas, intelectuais, políticos, lideranças sociais e estudantes. O CUCA, em parceria com o Ministério da Cultura e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), está realizando neste mês de maio uma série de eventos nas principais capitais do país em alusão e homenagem às lutas históricas do movimento estudantil brasileiro no ano de 1968.


Texto e imagens: Portal Estudantenet

Leiam também:




A Estrada vai além do que se vê!

Saída de Marina Silva ainda repercute

A notícia da saída de Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente caiu como uma bomba no noticiário político-ambiental. De todas as análises que li, destaco a do ex-deputado federal e membro do Comitê Central do Partido Comunista do Brasil, Aldo Arantes.

Leia as declarações de Aldo ao Portal Vermelho:


Arantes comenta saída de Marina e política ambiental de Lula


A demissão de Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente (MMA) "é um grande prejuízo". "É bem verdade que havia tensões", mas "deve-se assinalar a importante declaração do presidente Lula, de que a política ambiental de seu governo não vai mudar". As declarações foram dadas ao Vermelho pelo secretário nacional de Meio Ambiente do PCdoB e do IMG (Instituto Maurício Grabois), Aldo Arantes.

"Eu acho que é um grande prejuízo a demissão da ministra Marina Silva, pois de qualquer maneira é uma pessoa com grande tradição de luta, que representa uma região tão prioritária como a Amazônia e que deu uma importante contribuição à defesa do meio ambiente", disse Arantes, que já foi deputado (PCdoB-GO) na Constituinte de 1988 e secretário de Meio Ambiente do estado de Goiás.

"Importante declaração do presidente"

Arantes salienta a biografia de Marina, nascida num seringal, ex-empregada doméstica alfabetizada pelo Mobral, "uma mulher respeitável e respeitada. Sua ausência na equipe ministerial é uma perda, com repercussões internas e internacionais", avalia.
Porém o secretário de Meio Ambiente do PCdoB julga que se deve "assinalar", ao mesmo tempo, "a importante declaração do presidente Lula, de que a política ambiental de seu governo não vai mudar".

"Certos setores têm dito que vai mudar sim, e até em tom de comemoração. Eu acho que é no mínimo uma demonstração de desconfiança na palavra do presidente da República, que disse exatamente o contrário", avalia Aldo Arantes.

Tensões e contradições

"É bem verdade que havia tensões", admite Arantes. A seu ver, "parece que o pingo d'água foi a coordenação do Plano Amazônia Sustentável" – o PAS, cuja coordenação foi confiada ao ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Roberto Mangabeira Unger, e não ao MMA.

"Não estão suficientemente claras todas as razões do pedido de demissão, mas existiam contradições objetivas", comenta. Ele menciona como exemplo a licitação ambiental para a construção das barragens no Rio Madeira, em que "houve uma demora grande".

A Conferência do Meio Ambiente e seus aspectos

Arantes refere-se também – ressaltando que não foram posições de Marina – a certos entendimentos externados na Conferência Nacional do Meio Ambiente (CNMA), realizada em Brasília entre os dias 7 e 10 de maio. Registra que Lula não compareceu à conferência, e que chegou a ser hostilizado em outros episódios com público semelhante.

"A Conferência Nacional do Meio Ambiente foi, no fundamental uma conferência vitoriosa", avalia Arantes. Recorda inclusive que coube a ele apresentar a moção aprovada por mais ampla maioria no evento – um posicionamento em defesa dos biocombustíveis, tema também polêmico e que encontrou oposição de alguns dos participantes.

Como exemplo de idéia problemática, Aldo Arantes registra a intervenção de Joel Kovel, membro do PV dos Estados Unidos, fundador da Rede Ecossocialista Internacional e co-autor do 1º Manifesto Ecossocialista. "Ao lado de uma condenação até dura do capitalismo, ele chegou a conclusões que julgo inaceitáveis, como a pregação de que todos os países, ricos ou pobres, devem paralisar seu desenvolvimento", comenta.

Três "aspectos pontuais" de discordância

Sobre os "aspectos pontuais" que prevaleceram na Conferência e dos quais discorda, o secretário de Meio Ambiente do PCdoB cita três: a indicação de que o Brasil, tal como os países ricos, deve definir metas de redução de suas emissões de carbono; a rejeição em bloco do uso da energia nuclear; e a crítica ao projeto de transposição do Rio São Francisco.

"No caso da transposição do Rio São Francisco, eu tenho procurado estudar o tema e em minha opinião o projeto do governo é correto. É verdade que o Rio vem morrendo, mas este é um processo que vem de muito tempo, e de responsabilidade justamente dos estados ribeirinhos, que hoje protestam contra a transposição. Por outro lado, o volume que será retirado é muito pequeno, menos de 1% da vazão do São Francisco, e já próximo da foz do rio, abaixo da represa de Sobradinho", argumenta o dirigente comunista.

Sim ao ambientalismo e sim ao desenvolvimento

Ao reassumir, este mês ainda, sua cadeira no senado (pelo PT-AC), Marina vai dar ênfase à defesa do governo ou aos pontos de tensão? Arantes acredita que "é difícil à gente saber de antemão" e "a vida vai demonstrar". Assim como não adianta previsões sobre o que esperar do novo ministro indicado por Lula, Carlos Minc, saído da Secretaria de Meio Ambiente do estado do Rio de Janeiro.

Para o secretário do PCdoB, "cabe aos setores interessados na defesa do meio ambiente pressionar para que não haja mudanças na política ambiental, para que não haja retrocessos na área ambiental; mas também para que não haja entraves ao desenvolvimento do país. É necessária uma justa combinação, para que o ambientalismo não seja obstáculo ao desenvolvimento brasileiro", observa.

O PCdoB criou sua Secretaria Nacional de Meio Ambiente após o último Congresso partidário, realizado em outubro de 2005. A indicação de Aldo Arantes como titular da secretaria foi vista como uma sinalização do interesse atual do partido pelo tema: ex-presidente da UNE em 1961-1962 e um dos últimos presos políticos durante a ditadura militar, Arantes é membro do Comitê Central do PCdoB desde a primeira metade dos anos 70.


Leiam também:
Mangabeira Unger: na Amazônia está em jogo futuro do País
Marina Silva diz que não estava mais 'agregando'
Para movimentos, saída de Marina põe fim à 'trégua ambiental'
Marina Silva pede demissão em "caráter irrevogável"


A Estrada vai além do que se vê!

Ludovicense


Hoje espaço cultural no Blog. Acabei de receber a bela poesia da bela Luciana Lopes de Brasília - DF, a caminho de conhecer os Montes Claros e também se encantar.


Minha terrra: São Luís do Maranhão


Tuas praias são tão lindas

O teu povo encantador

Será ilha do reggae

Ou será ilha do amor?

Andando pelo centro

Não sabia aonde ir

E acabei me deparando

Com a praia de Araçagi

Tu tens boi, zabumba e tambor

Tambem tens Jesus

Um guaraná diferente

Que refresca os dias quentes

de calor

Ás vezes me perdia

Não sabia se estava

No norte ou no sul

E para tirar minha dúvida

Comi o creme de cupuaçu

Num dia qualquer

De ônibus fresquinho

Saí pra rezar

No balneário de Ribamar

E depois no fim

Chamar a galera pra fofocar

Era duma alegria tamanha

Quando ia na Litorânea

E sentava no Nosso Bar

Tuas praias são tão lindas

O teu povo encantador

Povo que rala, trabalha

Povo acolhedor

Não nasci neste solo

Não sou filha deste chão

Mas te adotei como minha terra

São Luís do Maranhão.


A Estrada vai além do que se vê!

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Juventude e Meio Ambiente em Foco

Na III Conferência Nacional do Meio Ambiente, realizada entre os dias 7 e 10 de maio na cidade de Brasília – DF, a juventude se destacou mais uma vez.
Através da mobilização dos jovens presentes, articulada pela Rede da Juventude pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade (REJUMA), Coletivos Jovens de Meio Ambiente e União da Juventude Socialista (UJS), foi apresentada proposta de construção do “Programa Juventude e Meio Ambiente”. Institucionalizado em PPA (Plano Plurianual), o Programa incluirá a “Agenda 21 da Juventude”, os Coletivos Jovens de Meio Ambiente, e demais programas relacionados à juventude.
Outro aspecto contemplado na resolução foi a participação efetiva da juventude nos colegiados e conselhos referentes à temática ambiental. A necessidade de envolver a juventude em todas as etapas das políticas ambientais: elaboração, decisão, acompanhamento e avaliação, foi a motivação dos delegados jovens que apresentaram a proposta. A mesma foi aprovada por unanimidade no Grupo de Trabalho “Cidadania e Educação Ambiental” e também na Plenária Final.
“Chegou a hora de garantir a efetivação das políticas ambientais em interface com a juventude”, afirmou Eric Maciel, membro do Coletivo Jovem de Meio Ambiente de Minas Gerais e Diretor Estadual de Meio Ambiente da UJS.

Confira também:

A Estrada vai além do que se vê!

terça-feira, 13 de maio de 2008

Conferência aprova moção em defesa dos biocombustíveis

Entre as dezenas de moções aprovadas na III Conferência Nacional do Meio Ambiente, duas merecem destaque. Uma repudiando a absolvição do assassino da missionária Dorothy Stang e outra em defesa dos biocombustíveis. Reproduzimos abaixo as moções na íntegra.


Moção em Defesa dos Biocombustíveis (assinada por 550 delegados e delegadas)

O aquecimento global colocou na ordem do dia a necessidade da alteração da matriz energética, reduzindo fortemente o uso das fontes energéticas de origem fóssil para utilizar fontes de energia renovável.
O Brasil, por sua extensão territorial, pelo volume das chuvas, pelo sol abundante e pela experiência de mais de 30 anos de fabricação do etanol da cana-de-açúcar, pode se tornar num grande produtor de energia renovável, não somente através do etanol, mas também do biodiesel.
Vozes se levantam contra a produção do etanol alegando que a crise dos alimentos decorre da substituição da produção de alimentos pelo etanol.
Na realidade essa crise decorre do aumento do consumo de alimentos, sobretudo da China e da Índia, da redução da produção mundial de grãos, da especulação com as “commodities” nas bolsas de valores, do elevado preço do petróleo, encarecendo o transporte e os insumos da produção agrícola. O etanol do milho, produzido pelos Estados Unidos de fato tem contribuído para esta elevação. Todavia isto não ocorre com a produção brasileira de etanol.
Manifestamos, portanto, a defesa da produção brasileira de biocombustíveis como uma oportunidade que o país não ode desprezar.
Defendemos a realização de um zoneamento ecológico-econômico de caráter obrigatório que impeça a substituição de áreas de plantação de alimentos por plantação de cana-de-açúcar e que seja assegurada a defesa do meio ambiente. Torna-se necessário, também, tomar medidas contra a invasão de capitais estrangeiros comprando grandes extensões de terras com vistas à produção de etanol.
A III Conferência Nacional do Meio Ambiente se manifesta Em Defesa dos Biocombustíveis, com medidas de garantia da segurança alimentar, do meio ambiente e da soberania nacional.

Brasília, 10 de maio de 2008.



Moção contra a absolvição do responsável pelo assassinato de Dorothy Stang (assinada por 313 delegados e delegadas)

Foi com profundo sentimento de indignação que os delegados presentes à III Conferência Nacional do Meio Ambiente receberam a notícia da absolvição, em segundo julgamento, do latifundiário paraense Vitalmiro Bastos Moura, no processo onde foi julgado pelo crime de mando do assassinato da freira Dorothy Stang, ocorrido em Anapu (PA), em 2005. No mesmo julgamento, o pistoleiro Rayfran das Neves Sales, o Fogoió, teve confirmada sua condenação a 28 anos de prisão pela autoria daquele crime.
No primeiro julgamento, realizado em maio de 2007, o fazendeiro havia sido condenado a 30 anos de prisão, sentença agora anulada pela decisão tomada no dia 6 de maio.
Esta decisão causou consternação entre os lutadores pela democracia e pelo progresso social. Ela confirma e fortalece a sensação de impunidade que persiste nos setores mais atrasados da elite brasileira, que se arrogam o direito de pairar acima da lei e do Estado de Direito. Não hesitam em recorrer aos piores métodos, como a violência e o assassinato, quando vêem seus interesses ameaçados.
A III Conferência Nacional do Meio Ambiente manifesta o seu repúdio a esta absurda decisão e reafirma seu propósito de continuar apoiando todos aqueles que lutam em defesa da justiça social, da democracia e do meio ambiente. E reivindica a tomada das medidas jurídicas necessárias para corrigir tal descalabro.


Brasília, 10 de maio de 2008.


A Estrada vai além do que se vê!

Delegação Mineira se destaca em Conferência do Meio Ambiente

Ministro-Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Luiz Dulci, discursa na III Conferência Nacional de Meio Ambiente
Foto: Elza Fiúza / ABr


O Blog ficou desatualizado na última semana em virtude da miha participação na III Conferência Nacional do Meio Ambiente. Mas estamos de volta com fôlego total. E pra começar publicamos um artigo que acabei de receber do Raimundo da Comissão Organizadora Estadual da Conferência, sobre a participação da gloriosa delegação mineira em Brasília.


Delegação de Minas Gerais conquista para o Brasil inteiro aprovação de sua proposta para institucionalização da Conferência Nacional de Meio Ambiente.

Uma constatação comum aos mais de 2000 participantes da III CNMA realizada no Centro de Convenções Ulisses Guimarães em Brasília DF, do dia 7 a 10 de maio de 2008, foi a disposição, qualificação e unidade da Delegação Mineira quanto ao compromisso por uma Política Nacional de Meio Ambiente, que nesta etapa abordou o tema Mudanças Climáticas. Além disto, tivemos êxito expressivo nos encaminhamentos das propostas discutidas nos 16 grupos de trabalho, onde, estrategicamente, a delegação mineira, com 76 integrantes, se destacou pela presença e pela defesa que fez daquelas propostas que enviamos e também de outras tantas, com alcance e aplicação nacional.

Todos os esforços foram recompensados neste processo que teve início em 27 de julho de 2007 em Belo Horizonte, a partir de uma primeira plenária para organização da III CEMA MG, quando foi formada a Comissão Organizadora Estadual – COE-MG que, então, trabalhou na construção de uma convergência do talento de pessoas interessadas, com suas experiências múltiplas e, sobretudo perseverantes. Esta COE-MG estabeleceu que tivéssemos Conferências nas nove regiões do Estado. E assim foi.

Graças à boa relação construída entre a equipe da Secretária Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais, com a Superintendência do IBAMA em Minas, com a Secretaria Municipal Adjunta de Meio Ambiente de Belo Horizonte, com o Gabinete da Vereadora Neila Batista, de BH e com o Centro de Ecologia Integral - CEI, formando o núcleo de uma Secretaria Executiva da COE-MG que se reuniu ordinariamente todas as semanas, proporcionando, então, a realização da III CEMA e, por conseqüência, a ida de uma qualificada Delegação, à III CNMA.

A partir de um excelente Texto Base elaborado por duas profissionais de reconhecida qualificação como a Engª. Química Ana Luiza Dolabela de Amorim Mazzini, Especialista em Energia e Fontes Alternativas e Avaliação de Impactos Ambientais e a Engª. Eletricista e também em Segurança do Trabalho, Vânia Araújo Condessa, Mestra e Especialista em Engenharia Sanitária e Ambiental, a delegação mineira discutiu o tema Mudanças Climáticas sob a perspectiva de seus impactos nos biomas encontrados no território de Minas e a partir da percepção de homens e mulheres que trabalham e preenchem suas agendas diárias discutindo questões sócio, econômicas e ambientais em seus municípios e regiões de origem e que vieram a Belo Horizonte dos dias 2 a 4 de abril deste ano, para a III CEMA MG, quando foi consolidada esta Delegação para a etapa nacional.

Certamente o apoio de várias pessoas de todos os setores da sociedade somou e contribuiu para o sucesso da Delegação Mineira e será fundamental na perenização deste processo, principalmente por conta da proposta de Institucionalização da Conferência de Meio Ambiente que foi aprovada tanto na Etapa Estadual como na III CNMA, a partir da proposta de Minas Gerais, aliás, único Estado a apresentar esta necessidade.

A Executiva da COE MG, retomará suas atividades apresentando um consolidado das propostas de Minas defendidas e aprovadas na III CNMA e o texto na integra da proposta de institucionalização da Conferência Nacional, cujo projeto de lei será elaborado por um grupo de trabalho integrado por representantes de todos os órgãos e segmentos do Ministério do Meio Ambiente.

Parabéns Delegação Mineira!!

Respeitoso e admirado abraço,

Raimundo Machado Filho
COE MG


A Estrada vai além do que se vê!

UNE e UBES de volta pra casa


Justiça retira posseiros que ocupavam o terreno da UNE e da UBES na Praia do Flamengo, 132.

Entidades comemoram saída de posseiros que se mantinham no terreno e se preparam para a concretização da reconstrução de sua sede
A decisão da 43ª Vara Cível do Rio de Janeiro, em 1º de fevereiro de 2007, que determinou a devolução do terreno para a UNE e a UBES e a retirada dos posseiros que o ocupavam ilegalmente, não foi o suficiente para que o terreno da antiga sede da UNE na Praia do Flamengo, 132, voltasse de fato aos estudantes. Somente na última sexta-feira (9), os posseiros que mantinham um estacionamento irregular no local foram retirados pela Justiça.
Após um ano e três meses de espera, a UNE e a UBES entraram com um pedido de manutenção de posse, que foi assinado pelo juiz na última sexta-feira e garantiria a retirada dos ocupantes pela policia, caso os mesmos não se retirassem do terreno, que legalmente pertence aos estudantes.
As entidades se comprometeram a pagar o transporte de bens dos posseiros para que eles retirassem seus objetos do local, o que ocorreu de forma pacífica, por volta das 19h, com a presença de um oficial de Justiça, dos advogados das duas entidades e de uma viatura da polícia, que acompanharam a saída dos últimos ocupantes.

A história
O prédio onde funcionava a sede das entidades estudantis foi invadido e incendiado em 1964, pelos militares. Em 1980, foi demolido e, tempos depois, invadido e transformado em um estacionamento clandestino.
Após manifestações por parte dos estudantes, que saíram pacificamente pelas ruas do Rio de Janeiro, com intervenções artísticas e acampamento no terreno, no dia 1º de fevereiro de 2007 a Justiça determinou a reintegração da posse do terreno para a UNE e UBES.
Este foi um grande passo para que se conclua o processo de reconstrução da sede das entidades, que vêm lutando durante anos para que isso se concretize.
Com um projeto de reconstrução doado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, a UNE e a UBES se preparam, agora, para articular as formas de viabilizar a realização deste sonho.


Da Redação do Estudantenet


A Estrada vai além do que se vê!

terça-feira, 6 de maio de 2008

Congresso da UJS tem nova data


Aproveitando a mobilização da Conferência Nacional de Juventude, em Brasília, onde todos os estados estão presentes, a Direção Nacional da UJS chamou uma Plenária Nacional extraordinária, no intuito de intensificar os preparativos ao 14º Congresso da UJS.
O Congresso Nacional, que estava marcado para ocorrer entre os dias 29 de maio e 1º de junho, definiu nova data: será entre os dias 12 e 15 de junho, na cidade de São Paulo. A decisão referente ao adiamento foi amplamente comemorada: “estamos num ritmo muito grande de filiações por todo país. 15 dias a mais nesse processo representa dezenas de milhares de novas filiações”, vibrou Ossi Ferreira, secretário-geral da UJS.
“O Congresso é o principal momento para a UJS crescer muito, organizar-se e apresentar ao conjunto da juventude as suas idéias. O 14º Congresso, além de tudo isso começa a construir uma nova fase da nossa organização, mais robusta, mais diversificada e muito mais massiva. Esse desafio foi lançado na Plenária da UJS, em janeiro. Passados mais de três meses, estamos convictos de que a turma abraçou o desafio e entendeu o novo momento. Por isso, temos a certeza de que prorrogar o período de construção do nosso congresso nos trará muitos frutos”, afirmou Marcelo Gavião, presidente nacional da UJS.


Comissão de estrutura confirma local
A comissão de estrutura do congresso confirmou, nesta terça-feira (29), onde será realizado o evento: o local escolhido foi o Parque da Juventude, na capital paulista, na estação de metrô Carandiru. O Parque é um amplo espaço de lazer e prática esportiva, além de possuir prédios com cursos profissionalizantes e de artes. Conta com canchas de tênis, ping pong, futebol, pista de skate, além de outros esportes. Possui também grandes gramados para descanso ou lazer, muitas árvores e áreas para passeio, muitos pássaros e outros animais.
A idéia é fazer um congresso que tenha a marca da discussão política, mas que traga uma programação diversificada, alternada com atividades esportivas, culturais, artísticas, além de debates incluindo a participação de importantes personalidades de diversos segmentos, como artistas, intelectuais, delegações internacionais, artistas, esportistas, jornalistas, apresentadores, dentre outros.




Em Montes Claros, seguindo recomendação das Direções Nacional e Estadual da UJS, o 5º Congresso Municipal foi adiado para o dia 31 de maio, de acordo com deliberação da Direção Municipal da entidade. Com isso a militância terá mais fôlego pra fazer um Congresso vitorioso.


A Estrada vai além do que se vê!

Conferência Nacional do Meio Ambiente debate mudanças do clima


A partir desta quarta-feira (7), o governo federal dá início a um debate inédito sobre mudança do clima. O Ministério do Meio Ambiente e 44 entidades representativas da sociedade civil realizam a III Conferência Nacional de Meio Ambiente (CNMA), que se estende até o dia 10, em Brasília. É a primeira vez que um país realiza um processo participativo com todos os setores da sociedade para discutir o tema, que é destaque no cenário internacional.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, farão a abertura oficial da Conferência. A III CNMA reunirá cerca de duas mil pessoas, entre delegados de todos os estados e convidados de 40 países. “O Ministério deu mais um passo importante na construção da cidadania brasileira ao combinar o processo da Conferência Nacional do Meio Ambiente com o enfrentamento das mudanças globais do clima”, avalia a ministra. As propostas aprovadas durante a Conferência serão entregues ao Comitê Interministerial de Mudança do Clima e ajudarão na formulação da Política e do Plano Nacional sobre Mudança do Clima.

De acordo com Marina, o Brasil, no contexto internacional, é um país especial. “De um lado, sua matriz energética é das mais avançadas pela forte participação de 44% das fontes renováveis no suprimento de eletricidade e combustíveis líquidos. Quase 90% da eletricidade consumida é produzida em hidrelétricas e quase metade do combustível usado pelos automóveis é etanol da cana- de-açúcar. O Programa Nacional do Biodiesel, iniciado neste governo, também reproduz o sucesso do etanol, tendo já consolidado a meta de adicionar 2% de óleos vegetais no diesel automotivo", afirma Mariana silva.Sobre o desmatamento, a maior fonte de emissão de gases de efeito estufa no País, a ministra destaca a redução de quase 60% nas taxas anuais de desmatamento da Amazônia, resultado de uma forte ação governamental nos últimos quatro anos. Tais medidas não reduziram a geração de riquezas e os benefícios na região, mas preservaram um capital físico em recursos florestais, genéticos, culturais e humanos . O que certamente beneficiará as futuras gerações de brasileiros.

Processo participativo - A Conferência Nacional é precedida por conferências locais (municipais, regionais, estaduais e do Distrito Federal), que garantem que o debate chegue a um número maior de pessoas. Concluída em abril, essa etapa mobilizou mais de cem mil pessoas. Foram 751 conferências, sendo 566 municipais, 153 regionais, 26 estaduais e uma distrital, além de cinco seminários regionais/distritais.

Nesses fóruns, foram eleitos mais de mil delegados - que participarão da plenária nacional -, segundo os seguintes critérios:50% da sociedade civil, sendo 5% de comunidades tradicionais e 5% de povos indígenas; 30% do setor empresarial; e 20% do setor governamental.

A III CNMA recebeu mais de cinco mil propostas das Conferências Estaduais que envolvem áreas como aquecimento global, exploração predatória dos ativos florestais, preservação da biodiversidade agropecuária, energia, resíduos, indústria, transporte, saúde, recursos hídricos, assentamentos humanos, ecossistemas naturais e desenvolvimento tecnológico, entre outros. As proposições são sistematizadas, isto é, agrupadas por semelhança de conteúdo, para facilitar os debates na plenária nacional.

Prestação de Contas: O Ministério do Meio Ambiente (MMA) acaba de realizar um balanço sobre o cumprimento das deliberações da II Conferência Nacional do Meio Ambiente, realizada em 2005. Mais de 300, de competência do Ministério, ou seja, mais de 85% das decisões da plenária foram cumpridas ou estão em implementação. Entre as ações, projetos para a revitalização do Rio São Francisco e a ampliação do sistema de vigilância do desmatamento para outros biomas, além do Amazônico, em elaboração pelo MMA.O trabalho de levantamento das ações para disponibilização do público envolveu toda a Pasta e o resultado pode ser acompanhado no site da Conferência (www.mma.gov.br/conferencianacional). As deliberações estão dividas por temas: Biodiversidade e Florestas, Qualidade Ambiental nos Assentamentos Humanos, Águas e Recursos Hídricos, Elementos de uma Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável e Fortalecimento do Sisnama e Controle Social. A partir do tema é possível selecionar o subtema e a competência.


Fonte: em questão Portal do Governo Federal.


A partir de amanhã estaremos em Brasília acompanhando a Conferência, notícias fresquinhas, ou não, aqui no Blog.


A Estrada vai além do que se vê!

Marina anuncia mudanças no MMA


Ministra anuncia mudanças no MMA para priorizar combate à desertificação

Por Lucia Leão

A ministra Marina Silva anunciou nesta segunda-feira (5), no pronunciamento que fez na solenidade de abertura do I Seminário Nacional de Combate à Desertificação, em Brasília, mudanças na estrutura da Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEDR), que passará a se chamar Secretaria de Combate à Desertificação, Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável. Não será uma simples mudança de nome, mas para dar ênfase a como o tema deve ser tratado dentro da política ambiental do governo, destacou a ministra.
"Nos últimos cinco anos saímos praticamente do zero, em termos de estrutura dentro do Ministério do Meio Ambiente, para a criação de uma Secretaria que incluirá a Convenção sobre a Desertificação como parte do seu nome: Secretaria de Combate à Desertificação, Extrativismo e Desenvolvimento Sustentável. Isso para dar o tamanho e a dimensão do problema e da solução que precisamos construir", afirmou a ministra.
Das três convenções internacionais que tratam dos problemas ambientais decorrentes da ação humana que mais afetam o Planeta - a de Mudanças Climáticas, a da Biodiversidade e a da Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca (UNCCD) - esta última, segundo Marina Silva, é ainda a que menos mobiliza a opinião pública e, em conseqüência, os governos. No entanto, ela já afeta diretamente mais de dois bilhões de pessoas, especialmente nas regiões mais pobres do Planeta.
"O Brasil tem uma região semi-árida com graves problemas e que será a mais afetada pelos efeitos da mudança do clima pela perda da biodiversidade. É necessário garantirmos recursos e comprometimento político para enfrentar esse problema, promovendo o desenvolvimento sustentável nessas regiões". A ministra alertou os delegados da necessidade de cobrar esse compromisso dos candidatos que disputarão as eleições municipais de outubro próximo.
O I Seminário de Combate à Desertificação, que prossegue até esta terça-feira (6), marca os quatro anos do Programa de Ação Nacional de Combate e Mitigação dos Efeitos da Seca - o PAN-Brasil - e deve tirar propostas que serão levadas à Conferência Nacional do Meio Ambiente, que acontecerá a partir da próxima quarta-feira (7), em Brasília. Os debates contemplarão os quatro eixos temáticos do Programa PAN-Brasil: redução da pobreza e da desigualdade; ampliação sustentável da capacidade produtiva; preservação, conservação e manejo sustentável dos recursos naturais; e gestão democrática e fortalecimento institucional.
Cerca de cem delegados dos nove estados nordestinos, de Minas e do Espírito Santo, que abrigam as Áreas Susceptíveis à Desertificação participam do encontro. Além de ministra, participaram da mesa de abertura do evento, o secretário Egon Krackecke; o presidente da Agência de Cooperação Brasil-Alemanha GTZ, financiadora do PAN-Brasil, Ulrich Krammenschneider; o representante do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Carlos Américo Basco; a representante do Banco do Nordeste, Mônica Farias; o oficial da UNCCD para a América Latina e Caribe, Heitor Matalo; o coordenador institucional da Articulação do Semi-Árido Brasileiro, João Evangelista dos Santos; o diretor adjunto do Instituto Nacional do Semi-Árido, Alverício Pereira de Andrade; e o diretor da Agência Nacional de Águas, Dalvino Franca.
Homenagens - No encerramento do primeiro dia do seminário foram homenageadas 12 personalidades que contribuíram para a elaboração do PAN Brasil. Entre elas a ministra Marina Silva, na ocasião representada pelo secretário Egon Krakhecke; o diretor de Recursos Hídricos do MMA, João Bosco Senra; os deputados Edson Duarte e Paes Landim, além do economista Otamar de Carvalho, Sílvio Santana e Heitor Matallo.
Além da homenagem, no final da tarde, também foi lançado o livro Projeto Áridas e a Rede de Informação e Documentação sobre Desertificação do Rio Grande do Norte - RN Desert que pode ser acessada pelo endereço eletrônico www.ibama.gov.br/rndesert.
O Projeto Áridas foi a primeira experiência de planejamento do desenvolvimento, com foco específico na sustentabilidade socioeconômica e ambiental do Nordeste brasileiro iniciada nos anos 1990. O livro, que tem como organizador Sean E. Mckaughan e apoio do MMA, foi distribuído a todos os participantes do seminário que poderão usar seu conteúdo como referência para os projetos de combate à desertificação do semi-árido.
Segundo o secretário Krakhecke, o livro "vem socializar a metodologia desenvolvida por uma das mais importantes experiências de planejamento no Brasil: o Projeto Áridas".



A Estrada vai além do que se vê!

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Comércio em festa, tem freguês novo na praça!

Não tem pra ninguém
Fotos: Alexandre Durão - globoesporte.com


Não gostaria de começar essa postagem de forma deselegante, mas é inevitável: Buááááááááááá!
Podem chorar a vontade, o Mengão é Bi Campeão Carioca, e com requintes de crueldade. Agora o Mais Querido é o maior papão de títulos do Rio de Janeiro. Ninguém tem mais Estaduais, Brasileiros, Copas do Brasil, Copas Libertadores e, supremacia maior, o único Mundial Interclubes da Cidade Maravilhosa está na sala de troféus da Gávea.
Os bostafoguenses vão reclamar do clima, da circunferência da pelota, da cor da camisa dos árbitros, do formato dos ingressos, vão chorar de tudo quanto é jeito. Mas não podemos negar que os alvinegros têm mérito: roubaram o título de vice do vascú. Os donos de padaria estão revoltados com a petulância dos jovens mancebos de General Severiano e ameaçam fazer uma greve geral, deixando a população carioca sem pães e brioches, porque o sonho já acabou faz tempo...

Os jogos decisivos do Campeonato Carioca só serviram pra mostrar quem é que manda no Maraca. Papai Joel deu um nó tático na cuca do Cuca. Bruno ainda deu uma sobrevida pra estrela solitária. Ronaldo Angelim não deixou o “artilheiro-contra-times-pequenos” Wellington Paulista ver a cor da bola. Juan arrebentou. Toró encarnou a mística rubro-negra e deu o sangue até o apito final. Marcinho agradece todos os dias por não estar mais no Galo.

E Obina...

O predestinado, o anjo negro da Gávea, o Eterno. Ele foi o herói da decisão. Obina mostrou que é iluminado mesmo. Com três gols decisivos, o artilheiro das decisões calou a boca dos secadores arco-íris e dos pseudo-críticos de futebol. Leiam os Obina Facts aqui no Urublog.


Que venha a Copa Libertadores e o Brasileirão, esse ano ninguém segura a gente!

Em tempo: o Flamengo acabou de anunciar a contratação de Caio Júnior pra comandar o esquadrão rubro-negro rumo a mais conquistas neste ano. Boa sorte ao novo comandante, o Natalino deixará saudades.

A Estrada vai além do que se vê!

O dia em que Che venceu Barrientos

E ontem também saiu o campeão mineiro. E apesar de não ser cruzeirense, dou uma colher de chá pra China Azul publicando artigo do meu camarada Danniel Coelho.
As duas maiores torcidas de Minas estão em festa!


Che venceu Barrientos!!!!!!
O sonho acabou...o pesadelo do centenário continua!!!!!!!!


Antológico!!!!! É a palavra que define a final do campeonato mineiro de 2008. Nunca mais o povo de Minas Gerais se esquecerá desses dois jogos, 5 a 0 (na maior goleada entre Cruzeiro e Atlético na era Mineirão), e 1 a 0, com um gol do Marcelo Moreno, fruto de um cruzamento fenomenal do aprendiz de craque Wagner. A maior parte (segundo pesquisa do instituto Datafolha) se lembrará com saudosismo, e a menor como um pesadelo do qual querem acordar.
Foi lindo, foi pra enterrar de vez a final de 2007. Nenhum cruzeirense agüentava mais ouvir falar daquele jogo, apesar de o cruzeiro ganhar 3 dos quatro jogos disputados após (só não ganhou na primeira fase do mineiro deste ano que ficou em 0 a0) sempre vinha à tona esse jogo como argumento de algum atleticano em discussões.
6 a 0, resultado final dos dois jogos. Em 2007 depois da vergonhosa derrota azul, pelo menos no segundo jogo se viu um time lutando pela vitória. O Cruzeiro jogou de maneira aguerrida, com raça, e pôs água no chopp das galinhas. Já esse ano não, além da humilhante derrota no primeiro jogo, o que se viu no segundo foi um time alvinegro completamente apático, sem nenhuma disposição, contentando-se em apenas não perder de novo. O que pra alegria do povo mineiro aconteceu!!!!!!
E o melhor de tudo...o choro do Danilinho! Sinceramente, se o Charles o ofendeu de alguma forma ele estava errado, mas com certeza não foi esse o motivo do derramar de lagrimas do mancebo galináceo. É obvio e evidente que aquilo foi uma reação pela mais completa humilhação vivida, ou alguém acha que em outros jogos não há ofensas entre jogadores, é claro que há, em um esporte onde o nível de testosterona é tão alto seria estranho se esse tipo de coisa não ocorresse. Mas ninguém vê cotidianamente jogadores em prantos como o coitado do Danilinho nesse jogo. Enfim, foi maravilhoso! Mas como pro maior de Minas o que importa esse ano é a Copa Libertadores, ainda temos muito chão pela frente. O meia boca já foi, que venha o Boca!!!!!!
Foi o dia pra Che Guevara se vingar do mandante de sua morte. Foi o dia que Che bateu Barrientos, foi o dia que o sonho do centenário acabou!


A Estrada vai além do que se vê!

Carlin denuncia ação da PM contra estudantes em Montes Claros


No último dia 24 de abril, quando a polícia de Montes Claros reprimiu com violência uma manifestação estudantil em defesa do meio passe no transporte púbico, o deputado estadual Carlin Moura (PCdoB-MG), subiu a tribuna da Assembléia para denunciar o ocorrido.


“Esse fato, Sr. Presidente, muito nos preocupa, pois em Minas Gerais, no ano de 2008, em pleno século XXI, num momento em que o Estado tanto discute a importância de Minas voltar para o poder central do Brasil, os movimentos sociais são tratados como caso de polícia. Isso não é permitido, isso não é admissível”, disse Carlin, em tom de protesto.

O deputado ainda exigiu a liberação de todos os manifestantes que estavam presos naquele momento e pediu providência imediatas do comando da PM e do governo do Estado. Leia o trecho do pronunciamento abaixo


“[...] O segundo comunicado, Sr. Presidente, é que hoje pela manhã recebi uma informação que muito me preocupa. Em Montes Claros, no Norte de Minas, uma simples passeata de jovens estudantes das redes pública e particular da cidade foi tratada como caso de polícia. Estudantes foram agredidos pela polícia do Município. Mais de nove pessoas foram presas, detidas na cidade, jovens estudantes, Diretores e entidades estudantis, Diretores da UCMG, da Ubes, da Umes e de grêmios estudantis.

Esse fato, Sr. Presidente, muito nos preocupa, pois em Minas Gerais, no ano de 2008, em pleno século XXI, num momento em que o Estado tanto discute a importância de Minas voltar para o poder central do Brasil, os movimentos sociais são tratados como caso de polícia. Isso não é permitido, isso não é admissível. Foram-se os tempos em que os movimentos sociais eram criminalizados. Esse período já passou, Sr. Presidente, diga-se de passagem, a ditadura militar já passou, os tempos do governo Fernando Henrique Cardoso, que também tratava os movimentos sociais como caso de polícia, também já passaram, e a polícia do Sr. Aécio Neves insiste em criminalizar os movimentos sociais, insiste em prender estudantes que estão simplesmente defendendo os seus direitos, a melhoria na qualidade do ensino, o passe escolar, a meia entrada, a democratização das escolas estaduais, e isso vira caso de polícia, com estudantes sendo presos, encarcerados. Não podemos permitir isso e exigimos que o governo do Estado se posicione efetivamente, liberando os estudantes que foram presos em Montes Claros.

Ainda ontem, Sr. Presidente, fizemos, com a Comissão de Direitos Humanos, uma visita à UFMG, e lá também a Polícia Militar, sem autorização da Reitoria da universidade, invadiu o “campus”, invadiu a sede do Instituto de Geociências e também agrediu estudantes. Ora, está virando caso corriqueiro a atuação da Polícia Militar em cima dos movimentos sociais.

Essa nossa honrosa Polícia Militar tem muito trabalho a fazer, tem de preocupar-se mais em cercar as nossas fronteiras, em prender bandidos e evitar que a marginalidade cresça, portanto não deve ficar perseguindo politicamente o movimento social.

Estamos em plena democracia, no ano de 2008, em que a Constituição cidadã brasileira de 1988 completa 20 anos, comemorados nas atividades de 21 de abril, mas, infelizmente, ainda assistimos a atos como esse: a polícia prendendo estudantes em Minas Gerais, em 2008. Pasmem! Valha-me, Deus! Isso não pode acontecer.

Apelamos ao Governador Aécio Neves, ao Comando da Polícia Militar, que revejam seus posicionamentos. Com movimento social tem de haver diálogo, conversa, negociação. O movimento social não pode ser tratado como caso de polícia. Muito obrigado, Sr. Presidente.”




A Estrada vai além do que se vê!

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Juventude repudia Prefeitura de Montes Claros


Devido às atrocidades cometidas pela Polícia Militar, a mando da Prefeitura de Montes Claros, durante a manifestação pelo meio-passe ocorrida no último dia 24 de abril, os jovens e as jovens presentes à Conferência Nacional de Juventude não se fizeram de rogados: aprovaram unanimemente a Moção de Repúdio assinada por centenas de delegados e delegadas presentes a 1ª Conferência Nacional de Juventude.
Segundo o Presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (
UBES), Ismael Cardoso, “tentaram intimidar os estudantes, mas só conseguiram fazer com que a sociedade montesclarense, e agora também a juventude brasileira, repudiassem a violência contra os estudantes que reivindicam seus direitos. A luta não vai parar!”. Ismael também confirmou sua vinda a Montes Claros para o desdobramento da luta pelo meio-passe.

Confira abaixo a íntegra da Moção de Repúdio aprovada pela juventude brasileira:

Moção de repúdio à repressão militar da Prefeitura de Montes Claros – MG contra os estudantes.


No ultimo dia 24 de abril mais de 4.000 estudantes de dezenas de escolas e faculdades de Montes Claros saíram às ruas da cidade para reivindicar a implementação do meio-passe para estudantes no transporte público.
Esta foi a segunda passeata com este tema e ocorreu devido ao descumprimento por parte da prefeitura do acordo firmado no dia 27 de março, dia da primeira manifestação. A prefeitura havia se comprometido em encaminhar um projeto consensual com a comissão composta por estudantes e pelo poder público. No entanto, a prefeitura não convocou nenhuma reunião desta comissão e pior, construiu outra comissão de acordo com seus interesses e sem os verdadeiros representantes dos estudantes.
Se dependesse dos estudantes a passeata do dia 24 poderia ter ocorrido de forma pacifica. Eles exigiam uma reunião com o prefeito ou com o vice-prefeito. Inclusive, o vice-prefeito havia feito o compromisso dias antes que estaria na prefeitura quando a passeata chegasse.
Contudo, ao chegarem os estudantes à prefeitura os representantes do poder público alegaram que ambos estavam ausentes.
A prefeitura não se dispôs a dialogar. A mando da prefeitura, a Polícia Militar, o GATE, a ROCCA e o CHOQUE avançaram contra os estudantes com bombas, balas de borracha, cassetetes, cães, gás lacrimogêneo, spray de pimenta e escudos.
Estudantes foram presos, feridos gravemente com as bombas e tiros. Uma jovem foi ferida no seio com os estilhaços das bombas.
Entre os presos estavam diretores da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, o presidente e diretores da União Estadual dos Estudantes e da União Colegial de Minas Gerais e também um pai de estudante que somente pediu uma informação para um policial e foi detido.
A juventude brasileira reunida na 1ª Conferência Nacional de Juventude, na cidade de Brasília, solidariza-se aos jovens montesclarenses e repudia veementemente a ação truculenta da polícia e condena a atitude antidemocrática da Prefeitura Municipal de Montes Claros por utilizar método tão repressivo e violento contra os estudantes da cidade.
A juventude brasileira entende que ainda há muito que se conquistar para consolidarmos a democracia em nosso país, todavia não podemos permitir nenhuma violação dos direitos e da democracia já conquistada à duras penas pelo povo brasileiro.


A Estrada vai além do que se vê!

1, 2, 3, 4, 5 mil, a Juventude unida vai mudar esse Brasil!

Foto: Elza Fiúza/ABr


Esse foi o grito entoado pela moçada no terceiro dia de Conferência.
Após elencar as três propostas de cada Grupo de Trabalho, os jovens e as jovens democraticamente escolheram as 22 propostas que eles queriam ver priorizadas nas Políticas Públicas de Juventude.
O Momento Interativo foi bastante concorrido e resultou nas prioridades que você confere clicando aqui.
Para conferir as resoluções na íntegra clique aqui.
Destacamos as propostas relativas aos jovens negros e negras; investimento de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação; a aprovação da PEC, do Plano Nacional e do Estatuto da Juventude; ampliação de programas de esporte como o Segundo Tempo; redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução de salários; criação do Sistema Nacional de Juventude; contra a redução da maioridade penal e; o estabelecimento de cotas de exibição e programação de 50% para a produção cultural brasileira.

Pra incendiar
Encerrando a última noite da Conferência, tivemos o showzaço do Cordel do Fogo Encantado. Os pernambucanos de Arcoverde levaram a loucura os jovens que lotaram o Anfiteatro do ExpoBrasília. Foi, mais uma vez, uma experiência única. A moçada foi para seus hotéis intimando São Pedro a mandar chuva pro sertão, “chover, chover...”


A Estrada vai além do que se vê!

Debate ambiental pautou-se pela pluralidade de idéias e unidade de ação

Foto: Elza Fiúza / ABr

O segundo dia de Conferência foi dedicado aos Grupos de Trabalho (GT’s) sobre 22 temas, entre eles Educação, Trabalho, Cultura, Sexualidade e Saúde, Esporte, Segurança, Jovens Negros e Negras, Cidadania GLBT, Jovens Mulheres e Fortalecimento Institucional da Política de Juventude.
Participamos do GT de Meio Ambiente, marcado pela diversidade e pela preocupação com o desenvolvimento sustentável, e em como a juventude pode intervir nesse processo.
Na parte da manhã, o diretor do Departamento de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental do Ministério do Meio Ambiente e coordenador geral da III Conferência Nacional do Meio Ambiente (CNMA), Pedro Ivo Batista e a representante do Ministério da Educação, Neusa, refletiram sobre as questões ambientais pautadas no caderno de propostas da Conferência. Depois da intervenção inicial dos convidados, os jovens e as jovens presentes questionaram o porquê de, apesar da grande militância ambiental juvenil, isso não se reflete nos mecanismos de controle social da política ambiental no Brasil e quais os caminhos pra se efetivar a Educação Ambiental em todos os níveis e esferas educacionais.
Já na parte da tarde, o protagonismo juvenil aflorou. Com a discussão e apresentação de propostas, a moçada presente deu mostras de estar sintonizada e antenada com a necessidade de preservação do planeta e, conseqüentemente, da raça humana.
Segundo Eric Maciel, membro do Coletivo Jovem de Meio Ambiente de Minas Gerais (CJ-MG) e diretor estadual de Meio Ambiente da União da Juventude Socialista (UJS), “ a juventude demonstrou mais uma vez que não abre mão da preservação ambiental no processo de desenvolvimento do nosso país”.

Foram aprovadas as seguintes propostas no grupo:
1 - Criar uma política nacional de juventude e meio ambiente que inclua o “Programa Nacional de Juventude e Meio Ambiente”, institucionalizado em Plano Plurianual (PPA), com a participação dos jovens nos processos de construção, execução, avaliação e decisão, bem como da Agenda 21 da Juventude que fortaleça os movimentos juvenis no enfrentamento da grave crise ambiental global e planetária, com a construção de sociedades sustentáveis;

2 - Criação e ampliação de assentos para juventude assegurados com direito a voto em todos os conselhos, comitês e órgãos de fiscalização, deliberação e gestão nas áreas socioambiental e de desenvolvimento, nas esferas municipais, estaduais e federal;

3 - Qualificar a juventude nas áreas ambientais, utilizando recursos como o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), entre outros, para atuarem em projetos de educação ambiental, unidades de conservação, ecoturismo, recuperação de áreas degradadas dentre outras.

Todas as propostas estão entre as resoluções da Conferência, mas a de número 1, foi a quarta mais votada pelos delegados e se tornou uma das prioridades da Política Nacional de Juventude. Esperamos que as propostas se efetivem e seja reconhecido o potencial juvenil na discussão sobre meio ambiente e desenvolvimento.
Participaremos também da III CNMA entre os dias 7 e 11 deste mês e levaremos as propostas da juventude pra serem apresentadas e aprovadas lá também


A Estrada vai além do que se vê!

Juventude mostra sua cara!

A capital brasileira foi palco de mais um evento histórico. O ExpoBrasília, localizado no Parque da Cidade Sarah Kubitscheck, recebeu entre os dias 27 e 30 de abril, a 1ª Conferência Nacional de Juventude. Cerca de 2 mil jovens de todo o país, representando os mais de 406 mil que participaram das etapas preparatórias, levantaram suas bandeiras e promoveram o mais diverso e produtivo fórum juvenil já realizado em nossas plagas.
A abertura contou com as ilustres presenças do ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Luiz Dulci, da ministra do meio ambiente, Marina Silva, do secretário nacional de juventude, Beto Cury, do presidente do Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE) e coordenador geral da Conferência, Danilo Moreira e da Vice-Presidente do CONJUVE, Maria Virgínia de Freitas, entre outras autoridades.
Para Luiz Dulci, “estas 406 mil pessoas representadas por vocês são demonstração de que a juventude brasileira de hoje é tão ou mais participativa do que a juventude em outros momentos”. Dulci também valorizou a diversificação e abrangência da participação juvenil nos dias de hoje.
“É importante ter espaços para debates de forma aberta, fazer um controle participativo do Estado. Um debate para que pessoas possam, devidamente informadas, não apenas legitimar mas incidir para aprimorar as políticas públicas”, afirmou Marina Silva, reafirmando a necessidade de controle social nas políticas públicas.
Danilo Moreira acredita que a Conferência tem como mérito elevar o patamar da temática juvenil na sociedade, “para completarmos as conquistas deste processo, temos que sair não só com propostas, mas com uma agenda política que balize as lutas dos movimentos e organizações juvenis em busca de seus direitos e da construção da democracia”.

Política Nacional de Juventude em debate
Logo após a solenidade de abertura, rolou a mesa de contextualização da Política Nacional de Juventude. Com a participação das ex-Presidentes do CONJUVE, Ellen Linth e Regina Novaes, além do Beto Cury, o debate também apresentou provocações para as discussões do evento. Foram destacados pelos participantes os seguintes desafios: entender a juventude como sujeito de direitos, promover um diálogo intergeracional na construção desse processo, superar a vulnerabilidade juvenil às desigualdades sociais e efetivar a PPJ como política de Estado.
Beto Cury também apontou as diretrizes da SENJUV: “fortalecimento institucional e constituição de um marco legal relacionado ao tema com ações como a multiplicação de espaços e formação de gestores públicos de juventude; inclusão social com a integração dos programas federais para o segmento; e participação social via fortalecimento do CONJUVE, realização desta Conferência entre outras ações”.

Show encerra a noite com estilo
Pra encerrar a primeira noite da Conferência, nada como a bela apresentação de Fernanda Porto, colocando toda a moçada pra dançar e preparando o espírito pros dias que viriam.


A Estrada vai além do que se vê!