segunda-feira, 31 de maio de 2010

UJS Montes Claros realiza seu maior Congresso

O presidente reeleito da UJS/Montes Claros e pré-candidato a deputado estadual pelo PCdoB, Daniel Dias

No último dia 22 de maio, a União da Juventude Socialista (UJS) de Montes Claros realizou, na Unimontes, seu 6º Congresso Municipal. O Congresso foi marcado por uma dinâmica diversificada e o cumprimento rigoroso da programação. Na parte da manhã houve atividade cultural, apresentação do balanço da gestão que se encerrou, ato político com várias autoridades e a apresentação das teses do 15º Congresso Nacional da entidade, feita pela presidente da UJS/MG, Viviene Xavier.

O almoço foi no Restaurante Popular da cidade. A galera do Congresso, devidamente uniformizada com camisas da UJS, tomou as dependências do refeitório. O retorno à universidade foi com muita festa e gritos de guerra dentro dos ônibus. O período da tarde foi aberto com a apresentação de um vídeo da UJS, seguido dos Grupos de Trabalho (GT’s), com os seguintes temas: Movimento Estudantil secundarista, Movimento Estudantil Universitário, Jovens Trabalhadores, Esporte, Cultura, Combate às opressões e Meio Ambiente. Após o término dos GT’s houve oficinas de teatro e de equalização de guitarra.

A plenária final foi bastante movimentada. Com a aprovação do documento “Desafios para o próximo biênio” e das propostas vindas dos GT's. A eleição dos delegados para o 8º Congresso Estadual foi bastante tranquila, uma vez que a UJS de Montes Claros chegou ao seu 6º Congresso Municipal com cerca de 1000 filiados, portanto todos os delegados aos Congresso Municipal foram eleitos para representar a cidade no 8º Congresso Estadual da UJS/MG, que será realizado na cidade de Contagem, entre os dias 3 e 6 de junho.

Foi instituída a Placa Darcy Ribeiro, em homenagem àqueles que dedicam suas vidas a lutar pela juventude e pelo socialismo. O primeiro homenageado foi o militante José Lousada Neto, membro da Direção Estadual da entidade que, após dez anos de serviços prestados à UJS, deixa a entidade neste Congresso.

O estudante de Ciências Sociais e ex-presidente do DCE Unimontes, Daniel Dias foi reeleito presidente da entidade. A direção municipal é composta também por Ana Paula Paixão, Clara Montana, Danniel Coelho, Deybiane Ferreira, Everton (Ton), Fernanda “Trops”, Grazyella Velozo, Ivana Maryelli (Mel), Jéssica Mariana, João Luiz Xavier, Kely, Laís Moreira, Lucas Alves (Pombo), Maíra Dayer, Tales Ferreira, Tiago de Jesus (Jazz) e Rodrigo Silva .

O Congresso foi encerrado com um grande Show da banda Making Off em um dos ginásios da Unimontes, cerca de 200 pessoas, entre delegados e convidados estiveram no Congresso.

Dias Melhores Virão
O ponto alto do 6º Congresso Municipal da UJS foi o anúncio da pré-candidatura do presidente da entidade, Daniel Dias a Deputado Estadual. O Congresso, por aclamação, declarou apoio a esta candidatura e com muita euforia o pré-candidato foi ovacionado pelo plenário lotado.
“Esta pré-candidatura não é minha, e nem da UJS, ela é da juventude de nossa cidade, de nossa região e de nosso estado”, declarou Daniel Dias.

José Lousada Neto e Ramon Fonseca, especial para o blog
Também publicado no Caderno Vermelho Minas


A Estrada vai além do que se vê!

Uma bola no pé e uma câmera na mão

MOSTRA DE CINEMA “AS COPAS E O CINEMA” SERÁ EM JUNHO

A Secretaria Municipal de Cultura de Montes Claros e a Unimontes, em parceria com o GEFUT (Grupo de Estudos sobre Futebol e Torcidas) da UFMG e o SPORT (Laboratório de História do Esporte e do Lazer) da UFRJ, promovem em Montes Claros a 1ª Mostra de Cinema com a temática futebol e copas do mundo.

A Mostra, que tem como tema “as copas e o cinema”, será realizada nos dias 9, 10 e 11 de junho, exatamente nos dois dias que antecedem e no próprio dia da abertura da Copa do Mundo da África do Sul. Parafraseando o genial cineasta Glauber Rocha, um dos mais expressivos nomes do cinema nacional, a Mostra traz no seu slogan uma homenagem ao Cinema Novo, movimento do qual o cineasta baiano foi um dos inspiradores: “Uma bola no pé e uma câmera na mão”.

Além dos filmes que serão exibidos (dezesseis, ao total), a Mostra terá ainda um caráter acadêmico. Para tanto, contará com as presenças dos doutores Victor Andrade de Melo e Rafael Fortes, da UFRJ, e Sílvio Ricardo da Silva, da UFMG, além dos mestres Luciano Pereira da Silva e Georgino Neto, da Unimontes. Os professores farão, dentro da programação, debates sobre “futebol e política” e “futebol e memória”, além do desenvolvimento do Projeto Educação para o Torcer, com estudantes da rede pública municipal de ensino.

A exibição dos filmes, entre longas e curtas-metragens, será dividida em dois espaços simultâneos, o Centro Cultural Hermes de Paula e o auditório do prédio 6 da Unimontes, onde funciona o Departamento de Educação Física. Os inscritos poderão escolher, de acordo com a programação, a quais filmes preferem assistir em determinado dia da Mostra, tendo ainda a oportunidade de ver no dia seguinte aqueles a que deixaram de assistir no dia anterior.

Segundo o Secretário Adjunto de Cultura de Montes Claros, Lipa Xavier, um dos organizadores da Mostra, “o evento tem por objetivo possibilitar o encontro de pessoas que tenham em comum o interesse por duas práticas culturais: futebol e cinema”. Além disso, segundo ele, “o mundo inteiro estará respirando futebol naqueles dias, o que atrairá um grande interesse pelos filmes”.

A Mostra “Uma bola no pé e uma câmera na mão” exibirá 16 filmes, em 23 exibições distintas, o que permitirá aos inscritos ver todos os filmes em exibição e ainda participar dos debates. A abertura será no Centro Cultural Hermes de Paula no dia 9 de junho às 18 horas. Logo após, às 19 horas, haverá a exibição do primeiro filme da Mostra, “O ano em que meus pais saíram de férias”.

As inscrições poderão ser feitas no Departamento de Educação Física da Unimontes e no Centro Cultural Hermes de Paula, e são inteiramente gratuitas.


A Estrada vai além do que se vê!

Rebelo muda o Código Florestal e deixa Kátia ao lado dos verdes

Rebelo: um comunista mais sensato que os xiitas da CNA

O deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) é o relator do projeto que muda o Código Florestal. Segundo entrevista que Rebelo deu ao Globo, no domingo, pág. 12, (clique aqui e leia matéria) se o Brasil seguir o atual Código, 90% das propriedades; 75% do arroz; 80% da banana do Vale do Ribeira de São Paulo; o gado do Pantanal; boa parte do café de Minas e do Espírito Santo, a maçã de Santa Catarina e a uva do Rio Grande do Sul – tudo isso é ilegal.

Como sair dessa encrenca ?

Não há necessidade de alterar profundamente a lei. Podemos garantir 20% de cobertura florestal na Mata Atlântica, 35% do Cerrado e 80% da Amazônia, permitindo que cada estado cumpra a obrigação de acordo com a sua ocupação territorial, estrutura agrária e condições de seu bioma, ” diz Rebelo.

O bom senso de Rebelo vai colocar, lado a lado, os xiitas do ambientalismo e seu êmulo, a xiita do outro lado, a senadora Katia Abreu.

Rebelo faz mais pela agricultura brasileira do que 200 discursos da Senadora.


Paulo Henrique Amorim no Conversa Afiada


A Estrada vai além do que se vê!

CMS define hoje posicionamento para as eleições 2010

Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) terá assembleia hoje, em São Paulo, para aprovar texto de reivindicações aos presidenciáveis; são esperadas mais de 3 mil pessoas, de todas as regiões do país.

A Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS), que reúne 28 entidades, entre elas CUT, CTB, MST, além da UNE, UBES e ANPG, realizará hoje, em São Paulo, uma Assembléia Nacional com objetivo de discutir, elaborar e aprovar a plataforma política do movimento social brasileiro para as eleições 2010. O documento será apresentado ao conjunto da sociedade e incluirá a pauta de reivindicações dessas entidades aos candidatos a presidente, governador, senador, deputado federal, estadual e distrital.

A Assembléia Nacional dos Movimentos Sociais acontece na quadra da sede do Sindicato dos Bancários (Rua São Bento, 413, Centro), a partir das 10h. São esperadas mais de 3 mil pessoas de todas as regiões do país, que representam movimentos de moradia, estudantis, trabalhadores, sem terra, sem teto, desempregados, além de intelectuais, comunicadores, pastorais e diversos sindicatos. A participação é aberta a qualquer cidadão, sem necessidade de credenciamento prévio.

POSICIONAMENTO PÓS GOVERNO LULA
Apesar de o governo Lula ter sido o que mais dialogou com os movimentos sociais brasileiros, a CMS aponta que as mobilizações e a pressão popular irão se acirrar em 2011, independentemente do resultado eleitoral. Além de aprovar o texto, a assembléia servirá para organizar as próximas mobilizações unificadas. A CMS incentivará também a constituição de comitês populares de campanha para as eleições 2010. Serão espaços pluripartidários de articulação dos movimentos sociais para intervenção no processo eleitoral.

PROJETO INICIADO EM JANEIRO
Sensibilizados com o momento histórico pelo que passa o Brasil neste início de século e atentos à responsabilidade de marcar sua posição no processo eleitoral de 2010, os movimentos sociais começaram sua articulação em janeiro, durante o Fórum Social Mundial - 10 anos, em Porto Alegre, dia 29, e o Fórum Social Temático de Salvador, dia 31. Nestes dois encontros, a CMS realizou a Assembléia dos Movimentos Sociais e lançou um duplo desafio:

Construir uma plataforma de lutas e propostas unificadas, apresentando um Projeto Popular para o Brasil;

Combinar uma intervenção qualificada no processo eleitoral, defendendo esse projeto, sem se deixar absorver pela lógica eleitoral, com a continuidade da mobilização social e a construção de uma agenda unificada de lutas.


Foram também realizadas plenárias em 15 estados, para absorver as reivindicações locais de cada região do país, mobilizando mais de 20 mil pessoas, unificando a rica diversidade de movimentos. Dessa forma, o amplo debate realizado em todo o território brasileiro renova a leitura de último documento lançado pela CMS, em 2006.

PRÉ-SAL, MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO E SOLIDARIEDADE
O texto a ser aprovado se divide em cinco eixos temáticos, com o propósito de apontar as posições e intervenções da CMS sobre o atual momento político. Os cinco pontos são: "Soberania Nacional", "Desenvolvimento", "Democracia", "Mais Direitos ao Povo" e "Solidariedade". Para além desses temas, o documento deverá incluir novas bandeiras como a defesa do pré-sal 100% para o povo brasileiro, uma política de desenvolvimento social e ambientalmente sustentável, valorização do trabalho, universalização da internet banda larga e o fim das patentes de remédios.

O QUE É A COORDENAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS - CMS
A diversidade marca a Coordenação dos Movimentos Socias (CMS), criada em abril de 2003 por organizações e entidades como o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a União Nacional dos Estudantes (UNE). Espaço de convergência, reflexão e atuação conjunta, a CMS tem o objetivo de aglutinar propostas para o desenvolvimento do país e para a melhoria da vida do conjunto da sociedade. Trata-se de um espaço estratégico de convergência de todas as forças populares e democráticas. Juntas, elas constroem um campo de ação que coloca os movimentos sociais como protagonistas na produção de conhecimento e elaboração de alternativas viáveis e avançadas para o Brasil.

A CMS é formada por movimentos nacionais, mas nos estados participam movimentos e grupos locais. A Coordenação se organiza a partir de articulação horizontal e sem hierarquia por tipo ou forma de movimento. Não foram convidados partidos políticos, sendo que as diferentes correntes ideológicas se expressam por meio da sua presença nos movimentos de massa. Em todos os debates, se busca a pluralidade, o respeito à democracia e consenso nas decisões tomadas.

QUEM PARTICIPA DA CMS
CUT - Central Única dos Trabalhadores / MST – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra / CMP – Central de Movimentos Populares / UNE - União Nacional dos Estudantes / UBES - União Brasileira de Estudantes Secundaristas ABI - Associação Brasileira de Imprensa / CNBB/PS - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-Pastorais Sociais / Grito dos Excluídos / MMM - Marcha Mundial das Mulheres / UBM - União Brasileira de Mulheres / CONEN / MTD - Movimento dos Trabalhadores Desempregados / MTST - Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Sem Teto / CONTEE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino / CNTE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação/ Conam - Confederação Nacional das Associações de Moradores / UNMP - União Nacional por Moradia Popular / Ação Cidadania / Cebrapaz - Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz / ABRAÇO - Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária / CGTB - Central Geral dos Trabalhadores do Brasil / CNQ -Confederação Nacional do Ramo Químico / FUP – Federação Única dos Petroleiros / CTB - Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil / CMB / ANPG – Associação Nacional dos Pós Graduandos

Do EstudanteNet

Leiam também:


A Estrada vai além do que se vê!

sábado, 29 de maio de 2010

Casa de Cultura Diogo Pulião será inaugurada hoje

Hoje será inaugurada em Lagoa Santa a Casa de Cultura Diogo Pulião. O projeto de iniciativa sócio cultural é idealizado pela ONG Sociedade dos Poetas Vivos (SPV) e tem como intenção promover encontros, capacitar os trabalhadores e trabalhadoras e contribuir com a formação universal do povo mineiro. A inauguração contará com apresentações circenses, show de MPB com o cantor Romero, grafitagem ao vivo, maculêle e uma exposição de arte.

O presidente da entidade, Davidson Nascimento, fala que esse é um projeto antigo, inicialmente concebido em 1997, por um grupo de amigos. “Retomar esse projeto coletivo, com suas propostas de educação para a cidadania e valorização da cultura, é uma grande oportunidade de dar vazão ao que concebemos anos atrás. Agora, além de satisfazer esse desejo, homenageamos Diogo Pulião, um dos idealizadores, que simboliza o desejo da juventude em mudar a sociedade através da cultura e da participação ativa nos movimentos”, afirma Davidson.

Como fica em uma região de sítios, o melhor modo de se chegar ao local é seguindo as indicações disponibilizadas no convite: Depois da rodoviária, após o semáforo, siga à esquerda até o bairro Palmital 3. Entre na rua ao lado do Depósito Bastos e siga as placas até o Hotel Cio da Terra, 3 km (sempre à direita). Depois do Hotel, sempre à direita, no fim da rua, está localizada a Casa de Cultura Diogo Pulião. A inauguração começa às 9h.

Diogo Pulião
Diogo Pulião foi professor de história, vereador e dirigente do PCdoB, que faleceu em 2007 aos 29 anos. No movimento estudantil, Pulião fundou a União Municipal de Estudantes Secundaristas de Nova Lima e organizou uniões municipais de estudantes por toda Minas Gerais. Foi eleito vice-presidente da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES) e representou o Brasil no Congresso Mundial de Estudantes, em Havana/Cuba. Em 1997, liderou a campanha dos estudantes pelo desarmamento “Sou da Paz!”, e promoveu a campanha “Se liga!”, conscientizando os jovens com idade entre 16 e 18 anos do direito ao voto.

Como vereador foi vice-presidente da Comissão de Orçamento, relator da Comissão de Meio Ambiente e Presidente da Comissão de Direitos Humanos. Em seu mandato esteve sempre na defesa dos interesses das camadas populares e trabalhadoras do município e do país. E, prioritariamente, a defesa e o fortalecimento dos movimentos sociais organizados.

Para mais informações, entre em contato através do e-mail casadeculturadiogo@hotmail.com, ou ligue para o Presidente da SPV Davidson Nascimento no telefone (31) 8421 7512.



A Estrada vai além do que se vê!

sexta-feira, 28 de maio de 2010

O silêncio


O silêncio


Provavelmente está feito de suspiros o silêncio que precede o silêncio do mundo.


José Saramago In Cadernos de Lanzarote, Diário IV, Editorial Caminho, 3.ª ed., p. 204




A Estrada vai além do que se vê!

Por que lutam os trabalhadores em educação de Minas Gerais?

Gilson Reis *
*
Há quarenta e seis dias os trabalhadores em educação pública de Minas Gerais permanecem em greve. Um movimento que começou tímido, com desconfiança e foi ganhando, a cada dia, mais adesão e força. Inicialmente o governo Aécio/Anastasia tratou o movimento grevista com desdém e desprezo.

No segundo momento com atitudes autoritárias e ameaçadoras: Corte de pagamento, ameaças de demissões e multas ao Sindute. No terceiro momento, na busca incessante e insensata de criminalizar, com apoio do judiciário, o movimento grevista. A ação na via judicial é realizada através do prestígio e proximidade do governo junto a setores do poder judiciário mineiro, com um único objetivo: derrotar a greve. É importante destacar que nesse último período o poder judiciário mineiro tem assumido, a cada manifestação do movimento popular e sindical uma postura cada vez mais autoritária e reacionária, lembrando os piores momentos e de maior tensionamento no período do regime militar.

Todavia, é importante destacar que durante todo o período de greve a Secretaria Estadual de Educação e o Governo Aécio/Anastasia recusaram-se a sentar à mesa de negociação para tratar, com responsabilidade, as demandas apresentadas pela categoria profissional dos educadores. A tática utilizada consistiu em desconsiderar o movimento e buscar enfraquecê-lo com o passar dos dias.

Embora esta prática, tenha sido utilizada em grande parte das greves do setor público, neste caso especifico não logrou êxito. Ao contrário de esvaziar o movimento foi se constituindo no alimento de unidade e coesão e é possível afirmar que mesmo depois de quarenta e seis dias de greve, o movimento continua crescendo e ampliando.

Por que lutam os trabalhadores em educação do Estado de Minas Gerais?

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia não cumprem a determinação constitucional de investir 25% do orçamento estadual em educação;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia abandonaram o histórico objetivo de universalização da educação por uma prática desmedida e irresponsável de focalização;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia desvia milhões de reais para as escolas privadas com o objetivo de financiar o programa de escolas profissionalizantes, alimentando desta maneira os esquemas milionários do setor privado de ensino;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia observa a expansão desordenada das faculdades e universidades privadas e não investe na expansão e melhoria da UEMG e Unimontes, universidades públicas renegadas ao abandono;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia introduziu uma visão meramente gerencialista da educação, aplicando, sem critérios, formas organizacionais do setor privado para o setor público. Esta política implicou em competições desmedidas e sem sentido entre educadores e escolas, aumentando a crise na educação pública;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia fechou escolas rurais, não investiu em escolas de ensino médio e não criou políticas educacionais para as comunidades quilombolas e indígenas, desrespeitando, assim, suas peculiaridades culturais;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia investe os escassos recursos da educação em cidades e regiões de maior poder aquisitivo em detrimento das cidades e regiões mais pobres do estado, aumentando desta forma as diferenças regionais;

Lutam, por que em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia, devido a sua política de destruição da educação pública, vem rebaixando Estado, ano após ano, no ranking das escolas públicas do país;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia pela ausência de investimento no espaço escolar, na contratação de profissional capaz de realizar uma nova dinâmica multidisciplinar no processo de ensino/aprendizagem, transforma o espaço escolar num lugar violento e desumano;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia não desenvolveu, ao longo de oito anos qualquer projeto pedagógico ou política educacional para aproximar os sistemas de ensino com a finalidade de potencializar e dinamizar as estruturas e recursos;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia mantém o Conselho Estadual de Educação sob o controle e comando das escolas privadas, não permitindo que setores organizados da sociedade participem de forma democrática desta estrutura, que deveria ser de controle e fiscalização da educação em Minas Gerais;

Lutam, porque em Minas Gerais o governo Aécio/Anastasia paga um dos piores salários do país aos trabalhadores em educação. O governo de Minas nega-se a pagar o piso nacional da educação aprovado pelo Congresso Nacional que hoje corresponde a R$1,312,00 ( Um mil, trezentos doze reais). Em Minas, alguns trabalhadores em educação recebem piso menor do que o salário mínimo nacional.

São por essas e outras questões que os trabalhadores em educação de Minas Gerais cruzaram os braços. Nos últimos dias a imprensa, que boicotou a greve a mando do palácio da liberdade, acusa a paralisação de ser unicamente um movimento político. É claro para todos que a origem da greve é devida a crescente precarização do trabalho educacional. Mas, é inegável que as questões acima apresentadas são de caráter eminentemente político, por se tratar de política pública. A educação conforme prevê nossa constituição é um direito do cidadão e um dever do Estado. Essa é a razão política desta greve. Em Minas, definitivamente, não existe política pública para a educação.

O mais impressionante desta situação é que o atual governador de Minas tem o orgulho de ser chamado de Professor Anastasia. Como pode uma pessoa que se diz professor, tratar seus colegas de profissão e a educação desta forma?

Para finalizar, proponho duas medidas:

1 – Realizar uma campanha publica para retirar o titulo de professor do atual ocupante do palácio da Liberdade.

2 – Derrotar nas eleições de outubro próximo o Governador Anastasia, dando-lhe a chance de retornar à uma escola publica de periferia, para que possa se reeducar e aprender a respeitar e valorizar os trabalhadores em educação.

* Presidente do Sinpro - MG - Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais, membro da Direção Nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) e presidente estadual da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB/MG).


Artigo publicado no Portal Vermelho em 25 de maio de 2010


A Estrada vai além do que se vê!

quinta-feira, 27 de maio de 2010

UJS-PI faz plantio de árvores para compensação ambiental

No último domingo (24), com bastante sol em Teresina, a União da Juventude Socialista (UJS), com a presença de dezenas de jovens estudantes e famílias que visitavam o parque Zoobotânico, realizou diversas atividades de compensação ambiental.

Os jovens socialistas do Piauí plantaram quarenta mudas de árvores, entre elas de ipês, caneleiros e angicos brancos, para compensar as emissões de carbono (viagens aéreas e terrestre) realizadas no ano de 2009 por membros da entidade. No local de plantio das árvores a administração do Zoo colocou uma placa identificando a "Reserva de compensação ambiental da UJS-PI".

A programação contou ainda com a palestra "Mudanças Climáticas – os efeitos do homem sobre a natureza", proferida pelo engenheiro ambiental Ayri Saraiva Ramos, mestrando em desenvolvimento e meio ambiente pela Universidade Federal do Piauí.

Jairo Galvão, diretor de meio ambiente da UJS-PI, falou ainda sobre a importância da compensação ambiental e reiterou que a sociedade deve dar mais importância ao tema. Em seguida os presentes coletaram lixo no parque e visitaram os animais. O eventou foi parte das atividades de divulgação do 6º Congresso Estadual da entidade, que ocorrerá nos próximos dia 28 e 29 de maio.

O coordenador da atividade, Markus Emanoel, ficou muito satisfeito com o resultado e o envolvimento das famílias que estavam presentes no Zoo e agradeceu a mobilização dos estudantes da E. M. Ambiental 15 de Outubro, U. E. Felismino Freitas e os alunos das Universidades Federal e Estadual do Piauí e do Instituto Federal de Ensino Superior do Piauí.

De Teresina, Gardiê Silveira para o Portal da UJS

A Estrada vai além do que se vê!

CTB Minas já tem novas metas de organização

Diretores da CTB Minas

Nos próximos 12 meses, a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) de Minas Gerais vai priorizar a formação sindical, e também discutir e aprimorar a organização em oito regiões do estado. Essas são duas das principais metas do Planejamento Estratégico Situacional (PES), elaborado nesta segunda e terça-feira, dias 24 e 25 de maio.

Encontraram-se na capital 26 lideranças das regiões Sul, Norte, Oeste, Zona da Mata, Triângulo Mineiro e Região Metropolitana de Belo Horizonte. Os diretores construíram consenso quanto ao desafio de aprimorar as relações com trabalhadores rurais e do serviço público municipal.

A elaboração do PES foi conduzida pelo professor Augusto Petta, do Centro de Estudos Sindicais (CES). Ele explicou que a metodologia exige a participação das lideranças do início ao fim. O objetivo é garantir o processo dialógico na escolha de projetos, e também em sua realização. “Quem planeja é quem gerencia”, resumiu.

A Diretora da Regional Norte da CTB Minas, Eli Izabel R. Santana, avaliou que a metodologia é “estimulante”. O trabalho de primeiro detectar problemas, e a partir deles apontar soluções, seria um importante instrumento para a organização e autonomia no Movimento Sindical.

José Antônio de Lacerda, o Jota, vice-presidente da CTB Minas, acredita que as metas do PES são fruto de um trabalho sistemático, realizado desde a fundação da CTB. “A regionalização é o esteio da CTB Minas”, afirmou. Prova seriam os novos quadros sindicais que se afirmaram na elaboração do PES. Essas pessoas estariam preparadas, em condições de garantir os avanços políticos pretendidos pela CTB, segundo Jota.

Os dirigentes também elegeram como prioridade um projeto para a sustentabilidade e custeio das ações sindicais. A Secretária Geral da CTB Minas, Rogerlan Augusta de Morais, deve concluir o relatório em 20 dias.

Verônica Pimenta/Jornalista, para o Blog da CTB Minas


A Estrada vai além do que se vê!

Pré-Conferência é encerrada com aprovação da Carta da Bahia

Após três dias de debates, a Pré-Conferência das Américas termina, em Salvador (BA), com a apresentação da “Carta da Bahia”, contendo as propostas dos países das Américas para a Conferência Mundial de Juventude, que acontecerá no México no período de 31 de julho a 13 de agosto.

A “Carta da Bahia” elenca uma série de propostas focadas nos seguintes pontos: gestão das políticas nacionais de desenvolvimento; enfrentamento da miséria, da pobreza e da exclusão; Trabalho e Emprego; Educação; Acesso dos Jovens à Tecnologia e Inovação; Saúde como fator de inclusão; equidade de gênero; segurança e promoção dos Direitos Humanos; desenvolvimento sustentável; integração internacional; participação cidadã e associativismo, além da cooperação internacional da juventude.

Veja a íntegra da Carta da Bahia no link http://www.juventude.gov.br/arquivos/pre_conferencia_carta_pdf

Do Blog Jovem Gera Ação


A Estrada vai além do que se vê!

terça-feira, 25 de maio de 2010

Corumbiara abre forumdoc.mg em Montes Claros

Forumdoc amplia sua programação ao interior de Minas Gerais
Em sua terceira edição, o festival leva parte de sua programação a sete cidades

O forumdoc.mg – mostra itinerante do filme documentário e etnográfico – tem como objetivo ampliar e democratizar o acesso a uma programação de cinema diferenciada no estado de Minas Gerais, através da exibição de filmes já exibidos no forumdoc.bh (festival de cinema que acontece anualmente em Belo Horizonte desde 1997) e/ou que fazem parte do acervo da Associação Filmes de Quintal, associação sem fins lucrativos responsável pela realização do projeto.

Sua programação se estende entre os meses de maio e junho de 2010, em sete cidades: Araçuaí, Cambuquira, Contagem, Lagoa Santa, Montes Claros, Pouso Alegre e Uberlândia. Abordando temáticas diversas, os filmes selecionados abordam questões políticas e sociais, ao versar sobre comunidades tradicionais e urbanas, na tentativa de construir junto ao público um amplo diálogo sobre as potências do audiovisual.

O evento, que se encontra em sua terceira edição, conta com o patrocínio da CEMIG/Governo de Minas e da Secretaria de Audiovisual do Ministério da Cultura/Governo Federal, via Lei de Incentivo à Cultura e Fundo Nacional de Cultura. Além disso, conta com a parceria de instituições locais (Irmandade dos Atores da Pândega, Associação Cultural Eu Sou Angoleiro, Cineclube Luz da Lua, MUnA/UFU, UNIMONTES, UNIVÁS, Benedita Cineclube e Cineclube FUNEC).

Sobre a Associação Filmes de Quintal
A Associação Filmes de Quintal é uma entidade sem fins lucrativos e tem suas ações voltadas à promoção cultural através de atividades de divulgação, pesquisa, reflexão, fomento e produção em audiovisual. Com sede em Belo Horizonte, a Filmes de Quintal possui ampla experiência na produção de mostras cinematográficas e na realização de oficinas de audiovisual.

Criada em 1999, a Associação Filmes de Quintal foi fruto da reunião de pesquisadores, professores e estudantes dos cursos de Comunicação Social, Filosofia e Antropologia, entre outras áreas, para oficializar a criação do Festival do Filme Documentário e Etnográfico – forumdoc.bh – que já acontecia desde 1997, graças ao esforço pessoal dos fundadores da Associação.

Sobre o forumdoc.bh
O forumdoc.bh é um festival de cinema e vídeo dedicado ao documentário e a filmes que não têm espaço no circuito de exibição comercial. O evento acontece em Belo Horizonte desde 1997, com treze edições consecutivas. Em sua programação, o forumdoc.bh apresenta um panorama de produções audiovisuais diversificado, disponibilizando ao público filmes de vários países, produções contemporâneas e filmes clássicos. Realiza, ainda, as mostras competitivas nacional e internacional com o objetivo de mapear, difundir e premiar a produção documentária recente.

Promovendo mesas redondas, sessões fílmicas comentadas, oficinas, lançamentos de publicações como catálogos, revistas, livros e cd-roms especializados, o forumdoc.bh tem possibilitado o intercâmbio de experiências, visando o fomento à pesquisa, experimentação e qualificação da produção.

Todas as atividades que compõem a programação têm caráter público e gratuito, o que garante o acesso e divulgação de bens culturais.
*
A sessão de abertura em Montes Claros é hoje, a partir das 19 horas no Salão Nobre do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas (Prédio 3) do Campus Universitário Darcy Ribeiro da Unimontes. O filme que será exibido é Corumbiara, (Brasil 2009 cor 117′ com direção de Vincent Carelli.

Em 1985, o indigenista Marcelo Santos denuncia um massacre de índios na Gleba Corumbiara (RO) e Vincent Carelli filma o que resta das evidências. Bárbaro demais, o caso passa por fantasia, e cai no esquecimento. Ninguém foi responsabilizado pelas torturas que aquelas pessoas sofreram. Corumbiara é um esforço para provar o extermínio dos índios e tentar contato com os remanescentes.


Vale a pena conferir!
A programação completa você encontra em http://cacsunimontes.blogspot.com/2010/05/forumdoc-2010-unimontes_19.html



A Estrada vai além do que se vê!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Forumdoc volta a Montes Claros amanhã

Festival do Filme Documentário e Etnográfico exibe sua programação na Unimontes
*
Entre os dias 25 e 27 de maio, acontece na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), a 3ª Mostra Itinerante do Festival do Filme Documentário e Etnográfico - forumdoc.mg, realizada pela Associação Filmes de Quintal. A itinerância é uma extensão do forumdoc.bh, único festival dedicado ao filme documentário em Minas Gerais, que acontece em Belo Horizonte desde 1997. Com o intuito de disseminar sua programação no interior do estado, o festival exibirá filmes do seu acervo em seis cidades mineiras dentre elas Montes Claros.

A iniciativa é viabilizada pelo Fundo Nacional de Cultura (via Secretaria do Audiovisual/MinC), CEMIG e Petrobras (via Lei de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet).

Em Montes Claros, as sessões acontecem às 10, 18 e 20 horas, no auditório no Prédio 03 – Auditório do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas (CCET), do Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro, Vila Mauriceia. A programação reúne filmes relevantes para uma introdução ao cinema documentário, desde clássicos.

A mostra em Montes Claros, realizada em parceria com a Pró-reitoria de Extensão e com o Departamento de Ciências Sociais da Unimontes, conta com a presença de Carla Maia produtora e curadora do forumdoc.

Pela qualidade de sua programação e pela importância da produção crítica publicada em seus catálogos e discutida em seu fórum de debates, o forumdoc tornou-se referência nacional e internacional para pesquisadores e realizadores da área audiovisual, integrando o circuito consolidado das mostras de cinema e vídeo no Brasil. Seus principais objetivos são:

1/ divulgar filmes e vídeos de reconhecida qualidade cinematográfica, que encontram dificuldades de exibição no Brasil;

2/ promover reflexão e formação crítica de público; e

3/ incentivar o fomento à pesquisa e à qualificação da produção audiovisual documentária. Em sua programação, o forumdoc apresenta um panorama de produções audiovisuais diversificado, disponibilizando gratuitamente ao público filmes clássicos e contemporâneos produzidos em todos os continentes.


Confira a programação completa em: http://cacsunimontes.blogspot.com/2010/05/forumdoc-2010-unimontes_19.html

A Estrada vai além do que se vê!

No clamor dos povos da terra, a memória e a resistência em defesa da vida


Encerrou-se na última sexta-feira, 21 de maio, o 3º Congresso Nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT), realizado em Montes Claros/MG. Contando com a presença de 760 pessoas dos mais diversos estados da federação, o Congresso reafirmou a disposição de prosseguir na luta pela reforma agrária, pela defesa do meio-ambiente e pela construção de um país e um mundo mais justos.

Realizado nas dependências do Colégio Marista São José, o 3º Congresso Nacional da CPT, que teve como tema “Biomas, Territórios e Diversidade Camponesa”, ocorreu no momento em que a arquidiocese de Montes Claros celebrava os seus 100 anos de fundação. A solenidade de encerramento contou com a participação festiva dos delegados, através da apresentação de barracas das diversas regiões do país, e com uma celebração ecumênica que reuniu o arcebispo Dom José Alberto Moura e um pastor representante da Igreja Anglicana brasileira.

Durante a sua realização o Congresso reuniu centenas de camponeses, indígenas, quilombolas, ribeirinhos, posseiros, assentados, acampados, agentes de pastoral e religiosos em defesa da vida, da terra, da água e dos direitos humanos.

Na quarta-feira, dia 19, foi realizada uma caminhada pelas ruas da cidade relembrando os mártires “por uma terra sem males”, entre os quais se destacaram as figuras de homens e mulheres como Irmã Dorothy, Padre Josimo Tavares, João Canuto, Paulo Fonteles, Chico Mendes, Margarida Alves, Frei Tiro e Zumbi dos Palmares, além de muitos outros lutadores e lutadoras do povo de cada parte do Brasil. Nas paradas feitas durante a caminhada – seis ao total – cada uma refletiu as ações de resistência e defesa dos biomas ameaçados, como a Mata Atlântica, o Cerrado, o Pampa, a Amazônia, o Pantanal e a Caatinga.

A caminhada da quarta-feira se encerrou com a leitura de uma nota pública de repúdio pela soltura do acusado de ser o mandante do assassinato da irmã Dorothy Stang e com a distribuição aos presentes de licor de pequi, fruto típico do cerrado e símbolo da cidade mineira que sediou o evento.

Na carta-final, aprovada no encerramento do 3º Congresso, a CPT reafirma o seu compromisso com “a luta pela terra e pelos territórios, combatendo o latifúndio e o agronegócio e incorporando, na luta pela Reforma Agrária, as exigências atuais de convivência com os diversos biomas e as diversas culturas dos povos que ali vivem e resistem, buscando formar comunidades sustentáveis; o enfrentamento ao modelo predador do ambiente e escravizador da vida de pessoas e comunidades, assentado em monocultivos para exportação e amparado por mega-projetos; e a necessidade de contribuir com a articulação e o fortalecimento das organizações populares, do campo e da cidade, para que sejam protagonistas da construção de um novo projeto político para o Brasil que queremos, em união com os outros países da América Latina e Caribe, em direção a uma globalização justa e fraterna.”.
*
Por Lipa Xavier, especial para o blog.


A Estrada vai além do que se vê!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

#SigaUJS faz sucesso no twitter

#SigaUJS faz sucesso no twitter; vire twitteiro você também



A campanha #SigaUJS no twitter caiu no gosto da galera. Mais de uma centena de twitteiros têm espalhado, diariamente, a mensagem para que outros venham a seguir a União da Juventude Socialista (UJS).

Dentre esses apoiadores, algumas personalidades políticas se destacam, como a deputada Manuela D`Ávila, o cantor e candidato ao Senado Netinho de Paula, o presidente do Conjuve, Danilo Moreira, o presidente da UNE, Augusto Chagas.

A adesão de muitas outras personalidades ainda é esperada na campanha. Mas o sucesso inicial fez com que a @UJSBRASIL chegasse aos top 5 no "topfollowfriday". Hoje o desafio está colocado novamente. Aguardamos todos para inundar o twittwer com a mensagem: #FF Galera, vamos seguir o twitter da @UJSBRASIL. #sigaujs

Mas nós queremos muito mais: queremos chegar aos 5 mil seguidores até o Congresso Nacional. Para incentivar que novos seguidores conheçam a UJS, iniciamos uma promoção com sorteio de brindes para os participantes (o primeiro brinde é um kit com livro, cartaz da FMJD e bandeira da UJS).

É fundamental que os militantes que ainda não estão no twitter entrem e sigam a UJS e divulguem a campanha #SigaUJS. Afinal, além de um excelente instrumento de comunicação, você concorrerá a prêmios e ajudará a gloriosa União da Juventude Socialista!


Acompanhem também @ramonjrfonseca no twitter.


A Estrada vai além do que se vê!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Transformar otimismo em mobilização social

O presidente da UJS com a pré-candidata Dilma Rousseff

Gavião: desafio da UJS é "transformar otimismo em mobilização"

O 15º Congresso da União da Juventude Socialista (UJS) será em Salvador, nos dias 17 a 20 de junho. Em entrevista ao Vermelho, o presidente da entidade, Marcelo Gavião, afirmou que o principal desafio da entidade é “transformar otimismo em mobilização social”, em referência a um crescimento da auto-estima do povo brasileiro observado pela UJS. E, para atingir a juventude, a organização aposta suas fichas na internet, com a criação da sua própria rede social e campanhas no twitter.

Na programação, além dos tradicionais debates e grupos de trabalhos, estão previstas atividades culturais, estruturas de telecentros, torneios esportivos e outros atrativos que visam deixar o congresso da UJS com a cara da juventude brasileira.

Entre as atividades de mobilização, a UJS lançou campanha para ter ao menos 5 mil seguidores do usuário oficial da entidade no twitter até o congresso, o @UJSBrasil. A campanha, simples, tem corrido pelo microblog, para participar basta postar a seguinte mensagem padrão: "#FF Galera, vamos seguir o twitter da @UJSBrasil. #SigaUJS".

Acompanhe a íntegra da entrevista com o presidente da UJS, Marcelo Gavião:

Vermelho: O que a UJS quer traduzir com a chamada do congresso, "Pra ser Mais Brasil"? Qual o centro político deste próximo congresso?

Marcelo Gavião: Transformar otimismo em mobilização social. Esse é o lema do 15 congresso da UJS. Com a vitória das forças progressistas e avançadas em 2002 e sua confirmação em 2006, o Brasil se desafiou a entrar numa nova fase, uma fase de desenvolvimento, de redução das desigualdades sociais, e tudo isso veio acompanhado de vitórias como as conquistas da Copa do Mundo em 2014, das Olimpíadas de 2016, da descoberta do pré-sal e tantos outros motivos pra serem festejados. São oportunidades que a nossa geração tem a obrigação de aproveitar da melhor forma, o que significa transformar toda essa felicidade em energia para sonhar cada vez mais alto, e assim fazer um Brasil cada vez mais verde e amarelo, cada vez mais orgulhoso de si mesmo.

Vermelho: Como a UJS pretende se apresentar no processo de eleições 2010 e que papel o congresso da UJS joga neste sentido?

Marcelo Gavião: Uma das marcas da nossa organização ao longo de seus 25 anos sempre foi a de encarar as disputas eleitorais como um momento importante pra erguer bem alto as bandeiras e reivindicações da juventude. Estivemos presentes e com grande destaque em todas as campanhas do presidente Lula (89, 94, 98, 2002 e 2006). Agora em 2010, nossa missão é mobilizar a juventude pra barrar a volta da direita neoliberal/conservadora. Nossa missão é continuar trilhando o caminho das transformações e assim melhorar a cada dia a vida dos mais de 50 milhões de jovens brasileiros.

Vermelho: Qual(is) a(s) principal(s) novidade(s) do 15º congresso da UJS?

Marcelo Gavião: A UJS cresceu muito nos últimos anos, somos hoje cerca de 100.000 (cem mil) jovens espalhados por todos os estados. Para esse congresso estamos nos desafiando a estruturar melhor nossa organização e pra isso nossa campanha tem buscado usar melhor espaços como a internet. Nossa mobilização esta centrada em uma ferramenta chamada “Rede UJS”, uma combinação de orkut, facebook e twitter que possibilitará as direções Nacional, Estadual e Municipal acompanhar a vida dos filiados e ampliará em algumas vezes nossa capacidade de comunicação mobilizando mais rápido nosso exército para as mais variadas lutas.

Antenados ainda com os anseios e o próprio comportamento da juventude, ligados na importância que as novas tecnologias têm ao debate da democratização da comunicação, temos ainda como uma importante bandeira da UJS a defesa da universalização da Banda Larga, para que todos estes recursos e acesso a informações não se restrinjam a uma parcela da juventude, mas que possa ser desfrutada e apropriada pela ampla maioria dos jovens brasileiros, pois essa turma tem um grande potencial para desenvolver formas criativas de se comunicar, debater, mobilizar, etc.

Vermelho: A tendência é haver muita renovação na diretoria da organização?

Marcelo Gavião: Todo congresso tem algum nível de renovação na direção e nesse não será diferente. Nos próximos dias teremos uma reunião da Direção Nacional que debaterá uma proposta de próximo time e aprovará nomes que serão levados ao congresso. Tenho certeza que com grande unidade elegeremos um time que saberá guiar essa entidade nas lutas futuras.

Uma das coisas boas da UJS é que a militância dela é sempre vista como uma fase da vida, uma fase importante por ser um período de formação muito intensa, mas apenas uma fase. Chega uma hora em que devemos nos envolver com outros projetos, outros desafios. Quem faz a opção de se filiar e militar na UJS a faz por acreditar nas idéias do socialismo e essa é uma opção pra toda vida. Temos orgulho de ser uma escola que forma bons combatentes pra essa luta.

Vermelho: O que fica como conquistas importantes do último período e que se apresentam como os principais desafios da UJS para os próximos anos (e gerações)?

Marcelo Gavião: São várias as conquistas, acho que a principal foi a determinação e a maturidade que a UJS demonstrou em um momento decisivo da luta política no Brasil que foi em 2005. Naquele momento fomos guerreiros, corajosos e nossa ousadia foi premiada com a construção de uma grande vitória. Sem a passeata que realizamos no dia 16 de agosto daquele ano, em Brasília, onde nos colocamos contra o golpe que a direita vinha arquitetando, de defender o impeachment do presidente Lula, o Brasil poderia ter tomado um outro rumo e o lema do nosso congresso poderia ser outro.

Vermelho: Quais os principais em termos de PPJ no último período? Qual o histórico da UJS em relação ao tema?

Marcelo Gavião: Podemos classificar como avanço o próprio trato das Políticas Públicas de Juventude como algo importante. O governo Lula inaugurou esse trato qualificado à questão, tendo tomado iniciativas que elevaram a capacidade de entender os anseios da juventude. Exemplos disso são o Conselho Nacional de Juventude, a realização da 1ª Conferência Nacional de Juventude em 2008 e até mesmo o intenso debate que vem sendo desenvolvido pela aprovação do Plano Nacional da Juventude e da PEC da Juventude. Essas iniciativas do governo federal têm fomentado a formação de conselhos e planos de juventude estaduais e municipais por todo o país. Isso é o que deve ser mais valorizado, o impacto que essas iniciativas têm no próprio trato que as PPJ passam a ter pelos diversos setores da sociedade.

O fato de ter atuação tão intensa no seio da juventude, dá capacidade e autoridade à UJS para tratar do assunto de PPJ. Parte grande das propostas que são pauta em espaço como conselhos e conferências são debatidas por nós há muito tempo. Estes espaços são mecanismos que servem para dar vazão a debates que temos há muito tempo. Nosso papel é investir na elaboração e apresentação de propostas concretas para garantir emprego, acesso a educação, bem estar, combater a violência, etc.

Vermelho: Qual o principal desafio em termos de políticas públicas para a juventude hoje?

Marcelo Gavião: O principal desafio imediato é a aprovação da PEC e do Plano Nacional da Juventude. Sem estes instrumentos, todas as iniciativas citadas, e outras mais, permanecem como políticas de governo, e não políticas de Estado. É importante aprovar uma legislação que reconheça a juventude como sujeito de direitos, que reconheça e estimule o potencial da juventude. A PEC tem este objetivo, por isso ela é o principal desafio atual, junto à aprovação do Plano Nacional de Juventude, que traz as diretrizes para a elaboração e implementação de políticas públicas de juventude no Brasil.

Luana Bonone, para o Portal Vermelho


A Estrada vai além do que se vê!

Juntos para Avançar... Não vamos recuar

Trabalhadores/as em Educação decidem pela continuidade da greve

A greve dos/as trabalhadores/as em educação da rede pública estadual continua e nova assembleia acontece no próximo dia 25.05, às 14h, no Pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Essa foi a decisão tomada por cerca de 15 mil servidores nesta terça-feira (18.05).

Um documento assinado pela comissão de negociação do governo de Minas Gerais foi lido por dirigentes do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) durante a assembleia estadual da tarde de ontem, mas os itens não contemplaram as reivindicações da categoria.

Após assembleia, os servidores seguiram em passeata até a Praça Sete e nas escadarias da Igreja São José fizeram uma atividade, uma espécie de Tribunal do Júri para denunciar o descaso do governo para com a educação em Minas.

Durante a semana e até a próxima assembleia a estratégia do Sind-UTE/MG, por meio de suas subsedes, será a realização de atividades locais em todas as regiões do Estado. Além das escolas paradas, a intenção é agregar novas adesões à greve, que foi deflagrada em 8 de abril último e ampliar o diálogo com a sociedade.

Segundo a coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, a categoria vai marcar presença também na abertura da Fenamilho (Festa do Milho, em Patos de Minas) quando deverão participar diversas autoridades. A intenção é fazer uma verdadeira caça ao governador Anastasia e insistir com ele numa agenda positiva de negociação com os trabalhadores em educação.


Da página do Sind-UTE/MG


A Estrada vai além do que se vê!

Nos 50 anos de Brasília, 50% do pré-sal para a educação!

A União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e a Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG) têm historicamente se mobilizado em defesa dos interesses nacionais e por isso convocam brasileiros e brasileiras para ato em Brasília, nesta quinta-feira, 20. A manifestação será pela campanha que reivindica “50% do Fundo Social do Pré Sal para a Educação”. Concentração no Museu Nacional Honestino Guimarães, às 10h30.

O Congresso está prestes a aprovar leis que vão regulamentar a extração do petróleo na camada Pré-Sal, desde o modelo de exploração até a aplicação dos recursos que podem colocar o Brasil em outro patamar de desenvolvimento. “Isso dependerá de muita mobilização e unidade. Só assim alcançaremos o financiamento necessário para transformar a educação no Brasil e construir um país melhor”, declarou Augusto Chagas, presidente da UNE, que chama os estudantes às ruas mais uma vez, a exemplo da Jornada de Lutas que mobilizou milhares de brasileiros por todo o país em março.

A manifestação é organizada pela União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e Associação Nacional dos Pós Graduandos (ANPG), e vai se concentrar a partir das 9h30 na Esplanada dos Ministérios, em frente à Biblioteca Nacional.

Entidades pressionam Legislativo
Uma comissão de estudantes será recebida pelo líder do governo da Câmara, Romero Jucá. As lideranças querem pressionar o poder legislativo para que a aprovação do Projeto de Lei nº 7 de 2010, que cria o Fundo Social do Pré Sal, seja acelerada e votada ainda este mês.

As entidades estudantis também querem aprovar a Emenda ao projeto de lei nº 7, reivindicando que 50% do total da receita obtida pelo Fundo Social “deverão ser aplicados em programas direcionados ao desenvolvimento da educação pública, básica e superior". Os autores da Emenda são as senadoras Fátima Cleide (PT-RO) e Ideli Salvatti (PT-SC) e os senadores João Pedro (PT-AM) e Inácio Arruda (PCdoB-CE). Na justificativa, os parlamentares ressaltam a importância da educação com indutora do projeto de desenvolvimento nacional:

“As carências educacionais são apontadas como um dos principais gargalos ao desenvolvimento nacional. Sem maciços investimentos na universalização e na qualidade da educação básica, profissional e superior não teremos cidadãos preparados para ampliar o parque científico e tecnológico nacional, incrementar a indústria e colocar o Brasil em condições de competitividade internacional”

Ato: Pré-sal para a educação e por um novo marco regulatório do petróleo
Data: 20 de maio
Horário: 9h30
Local: Esplanada dos Ministérios, em frente à Biblioteca Nacional - Brasília / DF

Entre os materiais de divulgação da campanha está uma cartilha distribuída para estudantes secundaristas e universitários em todo país. O documento, além de adesivos e cartazes, está disponíveis para download no site:
http://www.une.org.br/home3/movimento_estudantil/mov_estudantil_2008/m_15398.html

terça-feira, 18 de maio de 2010

Dilma: "me dá vontade de pular quando vejo a UJS"

A pré-candidata a Presidência da República, Dilma Rousseff, esteve em Rio Grande nesta terça-feira (11). Dilma participou do seminário "Rio Grande, Onde o Rio Grande Renasce", realizado no Centro de Convívio Meninos do Mar (CCMar) da FURG, onde falou sobre a importância do pólo naval na cidade de Rio Grande.

Durante o seminário, assim como em diversos eventos onde há a participação da pré-candidata, a presença marcante da militância da União da Juventude Socialista (UJS) fez a diferença. Com alegria e bom humor os membros da UJS, estavam acima de tudo atentos a essa importante transformação da região.

A ex-ministra-chefe da Casa Civil lembrou os importantes investimentos do governo federal em Rio Grande, o que vem mudando o perfil de uma cidade esquecida por muitos governantes. Destacou ainda o fato de as plataformas estarem sendo feitas no Brasil e gerando empregos aqui - o que já defendia o presidente Lula em seu primeiro programa eleitoral na campanha de 2002. Falou ainda sobre o potencial da cidade, o que acabou provocando uma especialização dos trabalhadores através de cursos superiores e das escolas técnicas. Bandeira esta que é defendida pela UJS em Rio Grande, visando vagas de emprego e cursos para os jovens da cidade.

Junto ao presidente Lula, Dilma teve papel fundamental no desenvolvimento da cidade e representa a continuação de uma política que valoriza o jovem. Com o REUNI, a Universidade Federal de Rio Grande (FURG), vem recebendo importantes investimentos – o que vem possibilitando uma melhor estrutura, um aumento no número de vagas e de cursos.

Deve-se destacar também a atenção dada ao IF-RS, antigo Colégio Técnico Industrial, importante formador de jovens especializados.

Dilma anunciou ainda mais investimentos para a cidade e falou da importância de Rio Grande para o desenvolvimento do estado do Rio Grande do Sul.

Empolgada com o entusiasmo da recepção proporcionada pelos jovens socialistas de Rio Grande, a pré-candidata Dilma exultou: "me dá vontade de pular quando vejo a UJS".

De Rio Grande (RS),Carlos Eduardo Nunes da Costa, diretor de Comunicação da UJS Rio Grande para o Portal da UJS


A Estrada vai além do que se vê!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Pra ser muito mais Minas Gerais

UJS Mineira dá a largada para o seu 8º congresso

A União da Juventude Socialista (UJS) está realizando ao longo desse mês dezenas de congressos municipais. Neste importante momento a entidade volta-se para sua própria organização, planeja, debate e elege os seus próximos dirigentes.

Rumo ao 8º congresso da União da Juventude Socialista

Em Minas a UJS se encontra a pleno vapor. Centenas de jovens ingressam nas fileiras da entidade a cada dia. O momento do congresso é para os jovens socialistas, tempo de crescimento.

Para a presidente da UJS mineira, Viviene Adriana o 8º Congresso da UJS será um extrato do momento em que vive a entidade. “Momento de crescimento e maturidade. Nossa organização passa, a cada dia, a representar mais jovens que encontram na UJS um instrumento de suas lutas, representante de seus anseios” afirmou.

Mais de trinta congressos estão marcados. De uma forma geral os congressos da UJS são espaços de descontração, cultura e rico debate político. "Neste ano de 2010 nosso desafio é ainda maior, temos o dever de mostrar para Minas a verdadeira cara do PSDB e construir uma forte campanha para Dilma Rousseff entre nossa juventude”,aponta Flavio Panetone, secretário de organização da UJS-Minas.

O Congresso Estadual da UJS mineira acontecerá entre os dias 3 a 6 de junho na cidade de Contagem.

Pedro Leão, para o Caderno Vermelho Minas

Para maiores informações sobre os congressos da UJS.

Flávio Panetone: 8406-1318

Próximos congressos

Viçosa/ 15 de Maio

Januária/15 de Maio

Janauba/16 de Maio

Uberlândia/ 22 de Maio

Montes Claros/ 22 de Maio

Coronel Fabriciano/ 22 de Maio

Ipatinga /22 de Maio

Governador Valadares/ 22 de Maio

Santa Luzia/ 29 de Maio

Francisco Sá/29 de Maio

Belo Horizonte /29 de Maio

Uberaba /29 de Maio

Betim/ 30 de Maio

Contagem/ 3 de Junho


A Estrada vai além do que se vê!

Greve geral na Unimontes


Estudantes, professores e servidores da Unimontes lotaram o Auditório da Assembleia Legislativa de Minas Gerais para protestar contra a situação da universidade estadual, situada em Montes Claros, Norte de Minas. Por mais de quatro horas, eles participaram, nesta quarta-feira (21/05/10), de audiência pública da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia e Informática para debater a autonomia da instituição e a necessidade de garantir recursos no Orçamento do Estado.

Com o apoio dos universitários, a unidade está parada por conta da greve do corpo docente e de funcionários técnico-administrativos, que pedem mudanças no plano de carreira, reajuste salarial, melhores condições de trabalho, além de uma política de assistência estudantil.

O presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Daniel Ferreira Coelho, criticou a atual situação da universidade e apresentou uma série de reivindicações, como a ampliação dos laboratórios, a construção de um restaurante universitário, a paridade nas eleições para reitor e a concessão de bolsas de pesquisa. "Atualmente, menos de 3% dos alunos contam com alguma bolsa científica. Isso é só uma mostra do descaso com que a Unimontes é tratada", reclamou.

A lista de reivindicação dos servidores também é extensa. Eles pedem, por exemplo, a criação de gratificação de 40% do salário-base, vinculada à avaliação de desempenho individual. Além disso, propõem mudanças nos níveis de ingresso na carreira e o cumprimento do Decreto 36.829, de 1995, que concedeu, na época, reajuste de 10% aos servidores públicos estaduais. "Só que os servidores da Unimontes ficaram de fora. Agora, a Justiça está concedendo o reajuste aos que recorreram aos Judiciário", explicou o representante da categoria, Ricardo Brandão.

O também servidor Isael Soares Queiroz afirmou ainda que muitos técnicos não ganham sequer um salário mínimo e relatou a situação difícil por que passa o Hospital Universitário Clemente Faria. "No passado, o Hospital já pertenceu à Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), que mantém até hoje servidores lotados na unidade. Só que esses profissionais exercem funções idênticas aos funcionários da Unimontes, mas têm salário diferenciado. A carreira não tem critérios mínimos de organização", lamentou antes de pedir mais respeito e o fim da demagogia.

Já a professora Isabel Brito, diretora da Associação dos Docentes da Unimontes, denunciou que apenas 30% dos profissionais de ensino são concursados e efetivos. Ela criticou o fato de as gratificações formarem cerca de 50% da remuneração dos professores. "Não é por acaso que estamos perdendo gente para outras instituições, inclusive de outros estados. A impressão que nós temos é que a Unimontes é um grande incômodo para o governo", lamentou.

Avanços - Sob vaias do público, o reitor da Unimontes, Paulo César Gonçalves de Almeida, admitiu que a situação dos servidores é crítica, mas ressaltou que os professores estão em melhores condições. Além disso, segundo ele, houve outras conquistas nos últimos anos que não podem ser negadas. "O momento é de somarmos esforços para continuarmos com força nas negociações", afirmou.

Deputados conseguem encontro com secretária de Planejamento
Aproveitando a presença da secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, na ALMG, os deputados interromperam a audiência pública para fazer uma rápida reunião com a representante do Executivo, que informou que discutirá a pauta de reivindicações se a greve for interrompida. Ela acenou ainda com a possibilidade de cumprir pelo menos um item pretendido pelos servidores, que é o pagamento dos 10% de reajuste previstos no Decreto 36.829, de 1995.

Para o deputado Padre João (PT), todavia, não foi suficiente. Ele reclamou do "descaso" da Seplag e de ter sido impedido de participar da reunião com a secretária. "Minha participação foi vetada", reclamou. O colega dele de partido, Adelmo Carneiro Leão (PT), também criticou a postura da secretaria, que não negociou antes, apesar de já saber que a situação era insustentável. "A greve, de fato, gera prejuízo a todos os envolvidos, mas garante conquistas. Dizer apenas que vai negociar não basta", afirmou.

Opinião semelhante tem o deputado Carlin Moura (PC do B), para quem é uma falta de respeito exigir o fim da greve para o início das negociações. "A Unimontes é mais uma vítima do choque de gestão. Se existe a greve é porque não há valorização dos profissionais e porque o governo não negociou em momento algum", disse.

O deputado Carlos Pimenta (PDT), por sua vez, afirmou que a Assembleia vai estar presente em todas as rodadas de negociações entre o comando de greve e o Governo Estadual daqui para a frente. Para ele, já houve avanços. O deputado Arlen Santiago (PTB) concordou e disse que os deputados serão "fiadores" das partes envolvidas, já que todos os parlamentares, independentemente do partido e da orientação política, reconhecem a importância da instituição para a região.

O deputado Gil Pereira (PP) saiu em defesa da criação de uma universidade federal no Norte de Minas e apresentou requerimento com apelo ao presidente da República e ao ministro da Educação para que tomem providências nesse sentido. "Zona da Mata, Triângulo, Sul, Central. Todas as regiões do Estado têm mais de uma instituição federal de ensino superior. Por que só o Norte não tem?", questionou.

Protestos marcam participação do público
No fim da audiência pública, foi aberta a palavra a representantes dos servidores, professores e estudantes, depois de muitos protestos. Uma das que falaram foi a professora Márcia Bicalho, que se declarou indignada com o descaso do Governo Estadual. Ela lamentou o fato de o Executivo ter a Unimontes como vitrine do Norte e alardear que o desenvolvimento da região está ligado a ela, mas sem financiar suas atividades. A professora também cobrou do Legislativo e condenou o fato de questões públicas da educação serem tratadas pelo presidente da Comissão de Educação, deputado Ruy Muniz, empresário do ensino privado.

Em resposta, o deputado Ruy Muniz afirmou que tem orgulho de representar a iniciativa privada, destacando que esse segmento responde por 85% da oferta de educação superior no País. Ele também enfatizou que a audiência pública desta quarta era resultado de um processo de negociação envolvendo vários deputados, entre eles os da oposição.

Ruy Muniz informou ainda aos participantes que o piso nacional para os professores da educação básica está contemplado no Projeto de Lei (PL) 2.215/08, do governador, que dispõe sobre o Plano Decenal da Educação e está em tramitação na Assembleia, em 2º turno. Reivindicação antiga dos trabalhadores, o piso definido no projeto é baseado no vencimento básico e não na remuneração (vencimento mais vantagens).

O deputado Paulo Guedes (PT) também falou aos participantes da audiência, assegurando que a bancada do PT e o PCdoB são a favor da eleição direta nas universidades estaduais. Disse que o bloco de oposição tem defendido o movimento da Unimontes, avaliando que um caminho para solucionar o problema da universidade é uma audiência do governador com o comando de greve.
Requerimentos - Os parlamentares aprovaram também um requerimento para a criação de um grupo de trabalho composto de representantes dos professores, estudantes e servidores para tentar um entendimento com a Seplag.

Fotos: Marcelo Metzker


A Estrada vai além do que se vê!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

A juventude quer!

PEC da Juventude: carta do CONJUVE à secretaria geral da Presidência

Confira carta enviada pelo Conselho Nacional de Juventude nesta semana à Secretaria Geral da Presidência da República.


PEC da Juventude: O Brasil precisa, a Juventude quer!

Em tramitação no Parlamento Brasileiro desde 2005, a PEC da Juventude, como ficou conhecida a Proposta de Emenda Constitucional nº 42/08 (antiga132/05), regulamenta a proteção dos direitos econômicos, sociais e culturais da juventude ao alterar a denominação do Capítulo VII do Título VIII da Constituição Federal e modifica o seu artigo 227, incluíndo o termo "jovem" no texto da Carta Magna, ou seja, estabelece marcos legais que assegurem o direito dos jovens, único grupo social relacionado à categoria etária que se encontra ausente da Constituição Federal.

Reivindicação histórica dos movimentos juvenis e de diversos setores da sociedade brasileira, a aprovação definitiva da PEC da Juentude, pelo Senado Federal, significará o reconhecimento da juventude como sujeito de direitos, com demandas cidadãs legítimas, e contribuirá com a consolidação da Política Nacional de Juventude enquanto política do Estado Brasileiro.

Esta proposição não impacta diretamente na despesa pública, e assim, não gera imediatamente necessidade de aporte financeiro.

A PEC da Juventude foi aprovada na Câmara com 382 votos a favor e nehum contrário. Hoje, após ser aprovada por unanimidade na CCJ do Senado, aguarda inclusão na Ordem do Dia para votação em primeiro turno. O Senador Arthur Virgílio, líder do PSDB no Senado, sugeriu em Plenário que se quebre o interstício e aprove a PEC votando os dois turnos em uma única sessão. Em audiência com o Conjuve, o Presidente da Casa, Senador José Sarney, também manifestou seu apoio.

Contando com nenhuma objeção entre os parlamentares, e "por considerar a necessidade de aperfeiçoar a Constituição, que apresenta uma lacuna na constituição dos direitos difusos; por observar a importancia populacional, social e para o desenvolvimento nacional do segmento juvenil", o Conselho Nacional de Juventude, as Entidades que dele fazem parte, bem como a Secretaria Nacional de Juventude e toda a sociedade brasileira, entendem que a posição do governo deve ser pela aprovação da PEC 42/08, a PEC da Juventude.

Além de contar com o apoio de Senadores de diversos partidos de governo e oposição que se manifestaram publicamente, existe uma posição do governo favorável à aprovação da matéria, que aguarda votação desde junho de 2009.

Por outro lado, sua aprovação é uma demanda da Conferencia Nacional de Juventude, que reuniu 400 mil participantes. O Conselho Nacional de Juventude já realizou diversas manifestações no Senado, inclusive ocupando as galerias da Casa. Por último, temos realizado uma campanha pelo TWITTER com grande envolvimento. Em anexo, segue um clipping eletrônico.

Conselho Nacional de Juventude



A Estrada vai além do que se vê!

Vermelho na Copa

A esquerda também gosta de futebol e de Copa do Mundo

Com uma entrevista com o ministro Orlando Silva Júnior, do Ministério do Esporte do governo Lula, o Portal Vermelho inaugurou na última terça-feira (11) o seu mais recente especial - Copa 2010. Desta vez, deixamos de lado as camisas da política para vestir as camisas do futebol, principalmente da Copa do Mundo, e trazer aos leitores um ponto de vista diferente daquele emitido pelos portalões e pela mídia corporativa sobre a mais importante competição futebolística do planeta.

O especial abordará a História das Copas do Mundo, desde as tentativas de criação do evento, na aurora do século 20 e sua primeira realização, em 1930, até a última disputa, acontecida em 2006 na Alemanha, que consagrou a seleção italiana como tetracampeã mundial.

O especial também contará como foi a história da Seleção Brasileira nas Copas do Mundo desde a primeira fase delas, quando conquistamos apenas um vice-campeonato mundial (de 1930 até 1954) até a fase posterior, quando o futebol do país se transforma em vencedor e conquista a hegemonia em títulos mundiais (de 1958 a 2006).

A Copa do Mundo como um evento de importância social e econômica também é um dos temas que o Portal Vermelho procurará abordar, assim como a tendência cada vez mais forte da terceirização das seleções nacionais, quando uma confederação utiliza jogadores estrangeiros naturalizados em suas equipes. É cada vez maior a presença de brasileiros em seleções europeias, como Portugal e Alemanha, por exemplo.

O Vermelho também destrincha o que é o primeiro grande evento esportivo realizado no continente africano e porque a África do Sul foi escolhida para sediar a competição. África do Sul que não é uma potência futebolística em seu continente, mas que teve sobre si a responsabilidade de realizar a mais importante competição futebolística da Terra.

O Vermelho também tratará das seleções que fizeram história nos Mundiais, por seus sistemas táticos revolucionários e também por seus jogadores fantásticos, como o Uruguai de 1924, 1928 (competições olímpicas) e 1930, a Hungria de 1954, o Brasil de 1958 — com a introdução da tática 4-2-4, uma criação brasileira — e de 1970, entre outras equipes.

Veremos também como o futebol dito "pragmático", ou "retranqueiro" em outras opiniões, superou seleções favoritas e conquistou taças, como a Itália em 1982, a Alemanha em 1954 e 1974 e o próprio Brasil de 1994 que, embora fosse favorita, não era uma Seleção de futebol vistoso e mágico, como a de 1982.

Há também a história de países que desapareceram do mapa futebolístico moderno, como o Uruguai, a Áustria, a ex-Tchecoslováquia, a Hungria e mais recentemente a Polônia e a Bulgária, por exemplo. O caso mais significativo dessas "extinções" é o do Uruguai, país bicampeão olímpico e mundial, que vive a partir de 1970 um período de constante declínio.

O especial também abordará a teoria que a identificação dos torcedores do Brasil com a sua Seleção Nacional é cada vez mais escassa. Muito se fala do fanatismo da torcida brasileira mas, desde que o capitalismo transformou o futebol em um item de consumo, com seus times e jogadores sendo objetos de comércio, e desde que a Seleção Brasileira passou a ser integrada por craques que jogam fora do país, vê-se cair o interesse dos torcedores pela equipe pentacampeã mundial.



A Estrada vai além do que se vê!