quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

E lá se vai mais um dia...

E 2008 vai acabando...

Já li dezenas de retrospectivas e penso que não há muito mais o que dizer. Só tenho a agradecer a tod@s aqueles que durante esse ano viram o parto deste Blog e ajudaram a criar e ninar a criança. Foram mais de dezessete mil acessos em menos de um ano de vida. É uma criança amada enfim.

Agradecer a meus amigos e amigas, meus familiares, meus amores...

2009 será um ano com muita paz, saúde e felicidade pra todos nós, é meu desejo de ano novo (parar de fumar é uma promessa).

Obrigado, obrigado, obrigado.



A Estrada vai além do que se vê! (ô, se vai...)

Uma poesia de um grande amigo meu pra terminar bem 2008


Entre.rios


Entre rios podem nascer luzes foscas,

margens não existem quando arte faz parte...


Entre belas composições, distorções ricocheteiam...

E as balas se partem em um mesmo princípio ativo, ávido relampioso,

inquieto............................................................

.................................................

Entre cordas e sons.........

Aplausos semeados na simplicidade, no bom trato, feito pedra no sapato de quem ouve aquilo que inquieta o coração e reajeia o cérebro

Ser luz, ser foz

Ser rio, ser pavio dessa bomba sonora de melodias incalculáveis.............



Poesia e imagem de Marcelo BRasa


A Estrada vai além do que se vê!

Nova reforma ortográfica vale a partir de amanhã

"Assembleia para para ver o voo dos pinguins". A partir de 1º de janeiro de 2009, essa frase se escreverá assim: sem trema, sem acento agudo no ditongo "ei" e sem circunflexo no grupo "oo". As mudanças são algumas entre as trazidas pelo novo acordo ortográfico da língua portuguesa, assinado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva em 29 de setembro.

Em Portugal, o mesmo texto havia passado pelo parlamento em 16 de maio. O objetivo da reforma é unificar o padrão escrito dos países que usam o português, uma idéia (ou melhor, ideia) que linguistas dos dois lados do Atlântico tentam pôr em prática desde 1975, quando surgiu o primeiro projeto de acordo ortográfico comum para brasileiros e portugueses.

"A ONU produz materiais em inglês, espanhol e alemão, mas não em português. Como temos duas grafias, acabamos deixados de lado. É um prejuízo sem tamanho para a divulgação da língua", disse o gramático brasileiro Evanlido Bechara no início do ano.

Para o português do Brasil, apenas 0,8% das palavras passarão a ser escritas de maneira diferente. Em Portugal o impacto é maior: muda 1,3% dos vocábulos, principalmente pela queda das consoantes não pronunciadas (os portugueses escrevem "óptimo" e "acto").

Prazo para entrar em vigor
O decreto presdencial 6.583 prevê um prazo de transição de três anos para que o Brasil adote a nova ortografia. Até 2012, as duas regras valerão.

Nas escolas, a mudança será sentida à medida em que os novos livros didáticos sejam publicados. Em Portugal, o prazo previsto para a mudança é de seis anos. Os portugueses apresentam maior resistência às novas regras, encaradas por muitos como "de interesse do Brasil".

"O acordo serve interesses geopolíticos e empresariais brasileiros, em detrimento de interesses inalienáveis dos demais falantes de português no mundo, em especial do nosso país", protestou o deputado português Vasco Graça Moura à época da assinatura do acordo em Portugal.

Aos ouvidos de quem não fala português, o acordo ortográfico também soou mais "brasileiro". "É como se os britânicos decidissem escrever, por exemplo, traveler (viajante), como os americanos, em vez de traveller", publicou o jornal inglês The Independent.

Além de Brasil e Portugal, o acordo já foi ratificado em Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Ainda não definiram quando aceitarão o documento Timor-Leste e os africanos Angola, Moçambique e Guiné-Bissau.




A Estrada vai além do que se vê!

Tadeu anuncia demais nomes do secretariado


O prefeito eleito de Montes Claros, Luiz Tadeu Leite, anunciou agora a tarde os demais nomes do secretariado municipal, que tomará posse amanhã, 1º de janeiro de 2009. São eles:


Secretário de Planejamento: João Henrique Ribeiro.

Secretário de Ação Social: Tancredo Macedo.

Secretário de Defesa Social e Transportes: Orlando Walter Andrade Carvalho.

Secretário de Agropecuária e Abastecimento: Alexandre Viana.

Secretário de Juventude, Esportes e Lazer: Sebatião Pimenta.

Secretário Adjunto de Esportes e Lazer: Jaime Tolentino.

Secretaria de Administração: Não anunciado.

Secretária Adjunta de Administração: Marta Pompeu Padoani.

Ouvidor Geral: Carlos Humberto Cruz.

Consultor Jurídico: Antônio Proença.

Coordenadora do Choque de Gestão: Tânia Maia fialho.

Esurb: Presidente: Não anunciado.

Gerência Administrativa da Esurb: Ivone Spyer Brant Maia.

Gerente Técnico da Esurb: Deocleciano Rocha de Souza Dourado.

Prevmoc: Presidente: Não anunciado.

Gerente da Prevmoc: Jackson Ataíde.

Procon: Gílson Ferreira Leite.

Procuradoria Adjunta do Contencioso: Cláudio Versiane.

Transmontes: Presidência: acumulada por Orlando Walter Andrade Carvalho.

Secretaria de Obras: será criada e o secretário anunciado oportunamente.


Esses nomes se juntam aos demais, anunciados na semana passada:


Chefe de Gabinete: Eder Martins Júnior, (tendo como assessor de gabinete para captação e investimentos: Elias Siufi; e como assessor de gabinete para representação em Belo Horizonte e Brasília: Paulo Lopes).

Procurador Geral: Sebastião José Vieira Filho.

Procurador da Fazenda: Antônio Eustachio Tolentino.

Secretário de Governo: Sérgio Amaral.

Secretário da Fazenda: Pedro Narciso.

Secretário de Saúde: José Geraldo de Freitas Drummond.

Secretária de Educação: Marina Ribeiro Queiroz.

Secretário de Cultura: Ildeu Braúna.

Secretário de Meio Ambiente: Aramis Mameluque Mota.

Secretário de Serviços Urbanos: João Ferro.

Instituto Randall Juliano: Aliomar Veloso Assis.

Secretário de Desenvolvimento e Tecnologia: Edgar Santos Filho.


A programação da posse inicia-se hoje com o Culto Evangélico na Primeira Igreja Batista a partir das 19:00. Amanhã ocorrerá Missa em Ação de Graças celebrada pelo arcebispo metropolitano Dom José Alberto Moura, às 10:00 na Catedral de Nossa Senhora Aparecida. Às 18:00 ocorre a sessão de posse dos vereadores no Plenário da Câmara Municipal com a eleição da mesa diretora da casa legislativa. A chapa única é formada por Athos Mameluque (PMDB) - presidente, Rita Vieira (PSDB) - vice-presidente, Marcos Nem (PR) - secretário, e Valcir da ADEMOC (PTB) - 2º secretário. Após a posse da mesa diretora, os vereadores darão posse a Tadeu Leite e Cristina Pereira, prefeito e vice-prefeita respectivamente. Em seguida, ocorre a solenidade de transmissão de cargo em frente a Prefeitura Municipal. Encerrando a programação, shows de artistas da terra e trio elétrico com Companhia do Pagode.


A Estrada vai além do que se vê!

PCdoB saúda cinquentenário da revolução cubana

O Comitê Central do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), saudou, em mensagem enviada nesta terça-feira (30) ao presidente de Cuba, Raul Castro, e ao Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, os cinqüenta anos da Revolução Cubana.

''O cinqüentenário da primeira revolução popular vitoriosa na América Latina, que resultou na construção do socialismo em seu país, agiganta-se diante da hedionda e intolerável realidade do mundo capitalista'', afirma a saudação.

''A Revolução Cubana deixou importantes lições para as atuais gerações de lutadores. Desde o início, foi marcada pelo despertar das energias criadoras das massas populares na construção da nova sociedade. Por isso, desde a origem, é radicalmente democrática, estimula a mobilização e a participação organizada das massas'', continua.

Leia abaixo a íntegra da saudação.

Saudação do Partido Comunista do Brasil por ocasião do 50º Aniversário da Revolução Cubana

Ao Comandante Raul Castro

Ao Comitê Central do Partido Comunista de Cuba

Por ocasião do transcurso do 50º aniversário da Revolução Cubana, em 1º de janeiro de 2009, o Comitê Central do Partido Comunista do Brasil, em nome de todos os seus militantes e dirigentes, envia uma vibrante e calorosa saudação ao povo cubano, em especial aos comandantes Fidel Castro e Raul Castro e ao Partido Comunista de Cuba.

O cinqüentenário da primeira revolução popular vitoriosa na América Latina, que resultou na construção do socialismo em seu País, agiganta-se diante da hedionda e intolerável realidade do mundo capitalista. O contundente fracasso do neoliberalismo e do próprio capitalismo, ainda que não faça cair de maduro esse sistema baseado na opressão e exploração dos trabalhadores e dos povos, representa duro golpe na ideologia dominante, ressalta a justeza do caminho do socialismo e faz emergir uma nova situação no mundo, a um só tempo repleta de tensões e de potencialidades para a luta dos povos. Esta nova situação ressalta ainda mais a atualidade da Revolução Cubana e o significado do seu cinqüentenário.

De dimensões épicas e caráter antiimperialista e popular, a Revolução Cubana de 1959 constitui um acontecimento dos mais importantes na longa e sinuosa trajetória dos povos e nações do mundo pela emancipação dos explorados e oprimidos, pela libertação nacional e social, pela democracia, a paz, a justiça e o socialismo. Inspirou milhões de pessoas na América Latina e em todo o mundo a seguir o caminho revolucionário, em especial a juventude ávida por mudanças.

Desde o período colonial, o povo cubano deu contribuições às causas mais avançadas na América Latina e Caribe. A figura do patriota cubano José Marti, pensador e lutador da causa da independência, perfila na galeria de grandes libertadores e independentistas latino-americanos como Simon Bolívar, Antonio José de Sucre, José Rodriguez de Francia, José de San Martin, José Artigas, Bernardo O’Higgins e José Bonifácio de Andrada e Silva.

Para o povo cubano, como sempre ressalta o Partido Comunista de Cuba, a Revolução de 1959 é a sua segunda e definitiva independência. O socialismo, ao unir amplamente o povo e a nação no sentido do progresso material e espiritual, é a garantia da manutenção da soberania e independência de Cuba, sempre ameaçada pela superpotência imperialista estadunidense. Muito precocemente, apenas dois anos após a independência de Cuba do domínio espanhol em 1898, os Estados Unidos no limiar do século 20 se auto-outorgavam o direito à intervenção na Ilha, com a Emenda Platt, sucedendo-se a partir daí inúmeras medidas visando a recolonizar Cuba.

Mais de meio século depois, ainda se fazem sentir as repercussões do heróico gesto dos revolucionários cubanos, quando em 26 de julho de 1953, realizou-se o assalto ao Quartel de Moncada, sob comando de Fidel, numa corajosa reação à instauração da ditadura batistiana em 1952. Era o ato inaugural da luta revolucionária que triunfaria em 1º de janeiro de 1959. Depois de encarcerado devido ao assalto a Moncada, o próprio Fidel Castro defende-se em seu julgamento. “A História me absolverá”, texto que se tornou mundialmente célebre, é uma bela peça da literatura política em favor da libertação do povo cubano, um libelo impregnado de ética revolucionária, que até hoje inspira as lutas de libertação pelo mundo.

Foi também de significação transcendental a fundação, por Fidel e outros jovens, como Raul Castro e Ernesto Che Guevara, do Movimento 26 de Julho, de inspiração revolucionária e patriótica, que organiza a instalação de um agrupamento guerrilheiro na ilha a partir do desembarque do Iate Granma, proveniente do México, que chega ao leste de Cuba em dezembro de 1956. Surge então o Exército Rebelde, uma guerrilha com força crescente e complementada pelas greves e lutas populares nos centros urbanos. Baseadas inicialmente na Sierra Maestra, próxima a Santiago de Cuba, as forças guerrilheiras em não muitos meses se expandem e ganham prestígio, logrando derrotar as forças batistianas já em meados de 1958. A partir de então, promovem uma ofensiva final que resulta na derrubada da ditadura em 1º de janeiro de 1959.

Fidel Castro, comandante-em-chefe do vitorioso Exército Rebelde, entra em Havana em 08 de janeiro de 1959. A vitória da luta guerrilheira e popular em Cuba, removendo uma sanguinária ditadura e o domínio dos Estados Unidos sobre o país, inspira os povos latino-americanos e abre nova fase na luta pela libertação no continente.

As provocações e ações terroristas contra Cuba, com o intuito de derrubar o novo governo revolucionário, não tardam a se manifestar. Já em março de 1960, o cargueiro belga La Coubre, carregado de armamentos, explode na Baía de Havana, causando a morte de mais de cem pessoas, numa ação da CIA. No dia seguinte ao ataque, Fidel Castro proclama: “agora, nossa disjuntiva será pátria ou morte”, consigna que permanece atual. Desde então, não houve um só momento ao longo destas cinco décadas em que não tenham ocorrido atentados terroristas e outros tipos de provocações a partir dos Estados Unidos.



A Revolução Cubana, na medida em que aprofundava e consolidava sua opção pela independência e soberania e pelo progresso social, mais se aproximava do socialismo, cuja edificação se incrementou a partir da proclamação do caráter socialista da Revolução em abril de 1961. Imediatamente depois, um numeroso e bem armado exército mercenário, treinado nos Estados Unidos, promove um desembarque em Playa Giron, na Baía dos Porcos, ação que, a despeito da magnitude, é derrotada em três dias, numa grande vitória das forças revolucionárias, mercê da clarividência e espírito de decisão de Fidel e do heroísmo popular.

A Revolução Cubana deixou importantes lições para as atuais gerações de lutadores. Desde o início, foi marcada pelo despertar das energias criadoras das massas populares na construção da nova sociedade. Por isso, desde a origem, é radicalmente democrática, estimula a mobilização e a participação organizada das massas, como demonstrou, já nos primeiros anos, a vitoriosa Campanha de Alfabetização de 1961, que em pouco tempo erradica o analfabetismo, com a mobilização de milhares de jovens voluntários. Também as mulheres desempenharam papel destacado nesta e em outras vitoriosas realizações da Revolução. Outra marca constitutiva fundamental da Revolução Cubana é o internacionalismo, expresso na solidariedade do povo cubano aos trabalhadores e povos de todo o mundo, mesmo nos períodos de maiores dificuldades materiais.

Papel destacado na consolidação das vitórias da Revolução e na construção do socialismo tem sido desempenhado pelo Partido Comunista de Cuba, síntese de três organizações revolucionárias, reunidas inicialmente no Partido Unido da Revolução Socialista de Cuba: o Movimento 26 de Julho (a organização-base do Exercito Rebelde), o Diretório Revolucionário 13 de Março e o Partido Socialista Popular, nome que havia tomado o Partido Comunista Cubano fundado por Julio Antonio Mella, ainda em 1926. Desde então, o Partido Comunista de Cuba, patriótico, martiano e marxista-leninista, herdeiro do Partido Revolucionário Cubano de José Martí, é a força de vanguarda que conduz a heróica luta de resistência e de construção do socialismo cubano.
.
Desde os primeiros anos, a Revolução Cubana enfrenta vitoriosamente o desafio de construir o socialismo num contexto de brutal hostilidade e rígido bloqueio econômico promovido pela superpotência estadunidense. Não obstante esta pesada condicionante, ao longo de cinqüenta anos a Revolução Cubana conquistou inúmeros progressos civilizatórios para o povo cubano, em suas condições sociais e culturais e na formação de importante capital humano.

Cuba socialista enfrentou altaneiramente também as novas condições criadas pelo fim do campo socialista, que provocou duros impactos econômicos sobre o País e alterou negativamente a correlação de forças no campo internacional, gerando condições propícias à contra-revolução e à ofensiva do imperialismo. Com a instauração do domínio unipolar no mundo e a hegemonia das idéias neoliberais, Cuba passou a defrontar-se com obstáculos adicionais. Esse ambiente de grandes dificuldades, no início dos anos 1990, marca o início da vigência do “período especial”. O povo cubano, com o Partido Comunista e Fidel no comando, enfrentou heroicamente a nova situação, manteve suas conquistas, sua dignidade e a independência nacional.

A resistência do povo cubano foi um dos fatores decisivos para a mudança do quadro político na região da América Latina e do Caribe. De uma década para cá, a partir da vitória bolivariana na Venezuela, os povos latino-americanos e caribenhos têm alcançado importantes conquistas de sentido democrático, progressista e antiimperialista. O quadro começou a mudar. Do prolongado período de resistência durante as décadas de absoluta hegemonia neoliberal, os povos de nossa região passaram a viver um período de esperança e de mudanças, com ritmos diferenciados, mas com sentido comum, de conquista de mais soberania, mais desenvolvimento econômico e social e mais democracia e direitos para nossos povos.

Exemplo mais recente disto foi a realização em dezembro último, em Salvador da Bahia, no nordeste brasileiro, da Conferência da América Latina e do Caribe, que contou com a presença do presidente Raul Castro. Na ocasião, os países latino-americanos e caribenhos deram nova demonstração de unidade e de firme determinação em fazer avançar a integração, em oposição aos planos neocolonialistas e hegemonistas do imperialismo estadunidense. A presença do presidente cubano Raul Castro em nosso país e as reuniões que manteve com o presidente brasileiro Luís Inácio Lula da Silva assinalam o excelente momento nas relações bilaterais entre os dois países.

Ao comemorar o cinqüentenário da Revolução Cubana, não poderíamos deixar de reiterar a solidariedade do Partido Comunista do Brasil e do povo brasileiro ao povo cubano na justa luta pela libertação dos cinco heróicos patriotas cubanos presos nos Estados Unidos. Outrossim, somamo-nos às numerosas vozes que em todo o mundo demandam o imediato e incondicional fim do bloqueio econômico dos Estados Unidos a Cuba. A necessidade de pôr fim ao injusto, ilegítimo e criminoso bloqueio ganha ainda mais atualidade, tendo em vista os devastadores prejuízos causados pela passagem de três furacões sobre a ilha, em 2008.

No último período temos observado com grande interesse o chamamento da direção máxima do Partido Comunista de Cuba pelo aprofundamento e aperfeiçoamento do socialismo cubano, como se pôs em relevo nos discursos dos camaradas Fidel Castro na aula-magna da Universidade de Havana, em 17 de novembro de 2005, e Raul Castro, por ocasião das comemorações do aniversário do 26 de Julho, em Camaguey, em 2007 – ambas intervenções de conteúdo e sentido revolucionários, dialéticos e marxistas-leninistas. Nesta perspectiva, desejamos pleno êxito ao VI Congresso do Partido Comunista de Cuba, anunciado publicamente para ocorrer em 2009, que sem dúvidas será um marco no aprofundamento do caminho cubano para o socialismo.

Neste momento de comemorações do cinqüentenário do feito épico do povo cubano, a Revolução de 1959, o Partido Comunista do Brasil congratula-se com o povo cubano pelas vitórias alcançadas e deseja novos êxitos sob o comando do presidente Raul Castro.

Na oportunidade, reiteramos o nosso desejo de fortalecer e aprofundar ainda mais as relações de camaradagem e fraternidade internacionalistas entre os nossos dois Partidos, como expressão da nossa unidade de ideais e objetivos, assim como dos sentimentos de amizade e solidariedade entre os nossos povos.

Viva o 50º aniversário da Revolução Cubana!

São Paulo, 30 de dezembro de 2008
O Comitê Central do
Partido Comunista do Brasil




A Estrada vai além do que se vê!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Mesa de buteco com Lucas Alves

Entre os dias 8 e 12 de dezembro, ocorreu na cidade de Guarulhos o 11º Conselho Nacional de Entidades Gerais (CONEG) da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES). Simultâneo ao 10º Encontro Nacional de Escolas Técnicas (ENET), o evento reuniu centenas de estudantes representando entidades de todo o país. Representando Montes Claros, estiveram Clara Montana e Lucas Alves “Pombo”, diretor da União Colegial de Minas Gerais(UCMG), com quem conversamos sobre o que rolou lá.

Ramon: Você participou recentemente do ENET e CONEG da UBES, quais foram os principais debates ocorridos lá?
Lucas: O ENET foi composto por três dias de debate sobre diversos temas relativos a educação técnica, entre eles a expansão da rede de ensino e o desenvolvimento regional, o ensino a distância, a gestão democrática das escolas, reforma curricular, acesso e permanência, além da reforma do sistema “S” e o seu papel no desenvolvimento nacional.
Já no CONEG foram abordados assuntos relativos à conjuntura, além da discussão sobre a estrutura do movimento estudantil secundarista, que resultou numa nova forma de eleição de delegados para as etapas do Congresso da UBES.

Ramon:
Quais debates marcaram o ENET e o CONEG?
Lucas: Os debates que considerei mais importantes foram sobre o acesso e permanência, realizado no ENET e a discussão sobre a nova forma de eleição dos delegados ao Congresso, realizado durante o CONEG.

Ramon: A nova forma de eleição de delegados é democrática? Por quê?
Lucas: Sim. Porque irá reforçar o debate sobre a educação brasileira nas escolas, criando uma grande mobilização que fortalecerá a UBES e o movimento estudantil em todo o país.

Ramon:
Quais as principais bandeiras de luta aprovadas no CONEG?
Lucas: O fim do vestibular, a luta por uma educação de qualidade, o fortalecimento do sistema “S”, a ampliação de participação dos estudantes no Congresso da UBES, além do lançamento da campanha “O pré-sal é nosso”, pra garantir que essa riqueza seja nossa, de todo o povo brasileiro.

Ramon:
Pra encerrar: já há previsão de realização do Congresso do DEMC? Como está a mobilização secundarista em nossa cidade?
Lucas: Apesar de ainda não termos a data exata, deve ocorrer entre março e abril de 2009. A mobilização será a maior da história do DEMC, vamos mobilizar o máximo de escolas e estudantes na construção do Congresso, só assim vamos fortalecer o movimento estudantil em nossa cidade.



A Estrada vai além do que se vê!

Os ataques israelenses na Faixa de Gaza

Palestino com a camisa do São Paulo escapa da prisão após ataque de Israel na Faixa de Gaza, neste domingo. As forças israelenses bombardearam uma base do Hamas que servia como presídio.

*Jadallah Safa

“Israel” declara guerra contra o povo palestino na Faixa de Gaza, centenas mortos brutalmente, mais de mil feridos, entre eles crianças, mulheres e idosos. “Israel” pratica uma limpeza étnica, tentando enganar a opinião pública dizendo que ela é vítima do “terror. Enquanto ocupa as terras do povo palestino, expulsou mais de um milhão de cidadãos palestinos em 1948, praticou centenas de massacres até os dias de hoje. E continua se apresentando como vítima do terror. “Israel” ataca com armas de alto poder de destruição, e tenta convencer a opinião pública mundial que a sua guerra declarada é contra grupos que tem vínculos com o terror; incluindo a Resistência islâmica do Hamas como grupo terrorista e que deveria ser punida pelos seus atos. “Israel” quer desafiar a opinião pública mundial sobre a realidade, colocando mentiras, aproveitando que tem o domínio dos principais veículos da imprensa mundial. Recebendo ajuda dos Estados Unidos em todos os campos, aprovando a parceria de suas agressões em vários regiões do mundo; pois “onde tem guerra lá está “Israel”. O chamado “Estado de Israel” é fruto do movimento sionista mundial, uma entidade racista que tem sido condenada em todas as manifestações mundiais.

O povo palestino escolheu lutar para obter seus Direitos, por mais de 60 anos utilizou todos os meios pacíficos e a luta armada para poder um dia gozar seus Direitos, que sempre lhe foram negados. Infelizmente o mundo inteiro é responsável por este sofrimento desde aprovação da partilha da Palestina pela O.N.U., com a resolução 181, que ajudou a criar o “Estado de Israel”. Mas também aprovaram a resolução 194, que trata do Direito de Retorno do povo palestino para sua terra (expulso então pelas forças das armas). A partir dessa época não se conseguiu fazer com que o povo palestino retornasse para a sua terra, e desde então o mundo, suas entidades internacionais e os governos de todos os países registram anualmente, mensalmente e até diariamente; o sofrimento do povo palestino com braços cruzados... e não acontece nada!

As agressões da entidade sionista de “Israel” não têm justificativa que convença, quando ela deixa mais de seis milhões de palestinos fora da sua terra, mais de 11 mil palestinos presos, mais de 120 colonias construídas em territórios palestinos ocupados em 1967, confiscando suas terras e águas, deixando o povo palestino em condições precárias, sem pátria, em sofrimento diário. A paz não pode se estabelecer na região praticando massacres e crimes contra a humanidade, a paz pode se estabelecer na região e em qualquer região do mundo quando se respeita os Direitos dos povos; o povo palestino é um dos povos que está impedido de gozar seus direitos inalienáveis. Como vamos estabelecer um paz na região sem que o povo palestino usufrua de seus Direitos Nacionais ?

“Israel” não tem um futuro onde possa viver em paz enquanto continua negando os Direitos do povo palestino. “Israel” não pode continuar praticando massacres e crimes de guerra e desejar a paz. Certo, ela controla a mídia mas ela não pode controlar as pessoas que testemunham os crimes como jornalistas e homens de consciência, os ataques de ontem e hoje e os massacres e crimes do futuro, os massacres de Deir Yassin em 1948 e Sabra e Shatila em 1982, e o massacre de Qana em 1996; todos estes crimes tem um fundo ideológico, fruto do movimento sionista mundial. “Israel” o único pais do mundo que legalizou crimes contra a humanidade. “Israel” vive com a guerra e morre com a paz, estas são palavras do fundador da enidade sionista de “Israel”; Ben Gourion.

O mundo, governos e organizações internacionais tem obrigação hoje de ajudar o povo palestino a gozar seus Direito na sua terra, Direitos inalienáveis; como o Direito de Retorno e Direito `a Autodeterminação e `a ter seu país independente, para estabelecer uma paz justa e duradoura na região. Não se pode deixar convencer por orgumentos falsos e enganosos que os dirigentes israelenses estão apresentando para o mundo, dizendo que esta é uma guerra contra o terror, e contra Hamas. “Israel” pratica esta guerra contra o povo palestino em geral, uma guerra declarada a mais de um século, guerra que se chama: limpeza étnica! O mundo tem responsabilidade no passado, no presente e no futuro, todas as forças da paz e de consciência tem pleno conhecimento dos melhores caminhos para estabelecer a paz na região, e com certeza o povo palestino em breve vai gozar seus Direitos.
.
Leiam também:
Sara Roy: Se Gaza cair, Cisjordânia cairá depois.


A Estrada vai além do que se vê!

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Tadeu Leite anuncia parte de seu secretariado


O prefeito eleito de Montes Claros, Luiz Tadeu Leite, anunciou parte de seu secretariado hoje. Os nomes definidos são:

Chefe de Gabinete: Eder Martins Júnior, (tendo como assessor de gabinete para capacitação e investimentos: Elias Siufi; e como assessor de gabinete para representação em Belo Horizonte e Brasília: Paulo Lopes).
Procurador Geral: Sebastião José Vieira Filho.
Procurador da Fazenda: Antônio Eustáquio Tolentino.
Secretário de Governo: Sérgio Amaral.
Secretário da Fazenda: Pedro Narciso.
Secretário de Saúde: José Geraldo de Freitas Drummond.
Secretária de Educação: Marina Ribeiro Queiroz.
Secretário de Cultura: Ildeu Braúna.
Secretário de Meio Ambiente: Aramis Mameluque Mota.
Secretário de Serviços Urbanos: João Ferro.
Instituto Randall Juliano: Aliomar Veloso Assis.
Secretário de Desenvolvimento e Tecnologia: Edgar Santos Filho.

As demais secretarias, como Administração, Planejamento e Obras, além das que serão criadas (Esporte, Juventude e Segurança) e da Esurb e do Prevmoc, serão anunciadas na próxima segunda-feira (29.12).

A Estrada vai além do que se vê!

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Inscrições abertas para o Acampamento Intercontinental de Juventude

Acampamento Intercontinental da Juventude no FSM de 2005 em Porto Alegre
Foto: Leandro Raizer


Já estão abertas as inscrições para todas as pessoas que queiram participar do Acampamento da Juventude.
Para fazer a inscrição basta clicar aqui.

ATENÇÃO: as inscrições vão até o dia 20 de janeiro de 2009.

Indivíduos que fazem parte de uma mesma caravana ou grupo deverão sempre preencher o campo correspondente na ficha com o mesmo nome, indicando o nome completo do grupo. Por exemplo: Caravana da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (e não FFLCH-USP).

Valores de inscrição
O pagamento das inscrições é um chamado político à auto-sustentabilidade do acampamento. Consciente das diferentes condições de pagamento de seus participantes, o Comitê Organizador do Acampamento da Juventude estipulou preços diferenciados de inscrição:

Norte geopolítico (integrados pelos países mais ricos): 10 euros
Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Islândia, Itália, Japão, Luxemburgo, Noruega, Nova Zelândia, Portugal, Reino Unido, Suécia, Suíça)

Sul (Brasil e demais países): 15 reais

IMPORTANTE - A inscrição no acampamento dá direito ao alojamento e ao kit do acampado, não inclui alimentação nem barraca, que deverá ser trazida pelos participantes. O crachá do acampamento também dará acesso a todas as atividades autogestionadas do FSM.

Infra-estrutura
O Acampamento da Juventude será realizado na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). O território contará com banheiros, chuveiros e área para atividades autogestionadas, espaços de saúde, informações e segurança. A Ufra também será a sede dos principais eventos relacionados ao dia da Panamazônia (28 de janeiro).

Para mais notícias e detalhes sobre a preparação do Acampamento da Juventude.





A Estrada vai além do que se vê!

Perrengue

Charge de Lezio Jr. para o Diário da Região


A Estrada vai além do que se vê!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Pra não dizerem que eu só pego no pé do natal

Natal


Natal.

Na província neva.

Nos lares aconchegados

Um sentimento conserva

Os sentimentos passados.


Coração oposto ao mundo,

Como a família é verdade!

Meu pensamento é profundo,

Por isso tenho saudade.


E como é branca de graça

A paisagem que não sei,

Vista de trás da vidraça

Do lar que nunca terei!


Fernando Pessoa


Boas Festas pra quem é de festa!


A Estrada vai além do que se vê!

Estas sinistras festas de Natal

Por Gabriel García Márquez*

Ninguém mais se lembra de Deus no Natal. Há tanto barulho de cornetas e de fogos de artifício, tantas grinaldas de fogos coloridos, tantos inocentes perus degolados e tantas angústias de dinheiro para se ficar bem acima dos recursos reais de que dispomos que a gente se pergunta se sobra algum tempo para alguém se dar conta de que uma bagunça dessas é para celebrar o aniversário de um menino que nasceu há 2 mil anos em uma manjedoura miserável, a pouca distância de onde havia nascido, uns mil anos antes, o rei Davi.

Cerca de 954 milhões de cristãos — quase 1 bilhão deles, portanto — acreditam que esse menino era Deus encarnado, mas muitos o celebram como se na verdade não acreditassem nisso. Celebram, além disso, muitos milhões que nunca acreditaram, mas que gostam de festas e muitos outros que estariam dispostos a virar o mundo de ponta cabeça para que ninguém continuasse acreditando. Seria interessante averiguar quantos deles acreditam também no fundo de sua alma que o Natal de agora é uma festa abominável e não se atrevem a dizê-lo por um preconceito que já não é religioso, mas social.

O mais grave de tudo é o desastre cultural que estas festas de Natal pervertidas estão causando na América Latina. Antes, quando tínhamos apenas costumes herdados da Espanha, os presépios domésticos eram prodígios de imaginação familiar. O menino Jesus era maior que o boi, as casinhas nas colinas eram maiores que a Virgem e ninguém se fixava em anacronismos: a paisagem de Belém era complementada com um trenzinho de arame, com um pato de pelúcia maior que um leão que nadava no espelho da sala ou com um guarda de trânsito que dirigia um rebanho de cordeiros em uma esquina de Jerusalém.

Por cima de tudo, se colocava uma estrela de papel dourado com uma lâmpada no centro e um raio de seda amarela que deveria indicar aos Reis Magos o caminho da salvação. O resultado era na realidade feio, mas se parecia conosco e claro que era melhor que tantos quadros primitivos mal copiados do alfandegário Rousseau.

''Desilusão''
A mistificação começou com o costume de que os brinquedos não fossem trazidos pelos Reis Magos — como acontece na Espanha, com toda razão —, mas pelo menino Jesus. As crianças dormíamos mais cedo para que os brinquedos nos chegassem logo e éramos felizes ouvindo as mentiras poéticas dos adultos.

No entanto, eu não tinha mais do que cinco anos quando alguém na minha casa decidiu que já era hora de me revelar a verdade. Foi uma desilusão não apenas porque eu acreditava de verdade que era o menino Jesus que trazia os brinquedos, mas também porque teria gostado de continuar acreditando. Além disso, por uma pura lógica de adulto, eu pensei então que os outros mistérios católicos eram inventados pelos pais para entreter aos filhos e fiquei no limbo.

Naquele dia — como diziam os professores jesuítas na escola primária —, eu perdi a inocência, pois descobri que as crianças tampouco eram trazidas pelas cegonhas desde Paris, que é algo que eu ainda gostaria de continuar acreditando para pensar mais no amor e menos na pílula.

Tudo isso mudou nos últimos 30 anos, mediante uma operação comercial de proporções mundiais que é, ao mesmo tempo, uma devastadora agressão cultural. O menino Jesus foi destronado pela Santa Claus dos gringos e dos ingleses, que é o mesmo Papai Noel dos franceses e aos que conhecemos de mais. Chegou-nos com o trenó levado por um alce e o saco carregado de brinquedos sob uma fantástica tempestade de neve.

A má influência americana
Na verdade, este usurpador com nariz de cervejeiro é simplesmente o bom São Nicolau, um santo de quem eu gosto muito e porque é do meu avô o coronel, mas que não tem nada a ver com o Natal e menos ainda com a véspera de Natal tropical da América Latina.

Segundo a lenda nórdica, São Nicolau reconstruiu e reviveu a vários estudantes que haviam sido esquartejados por um urso na neve e por isso era proclamado o patrono das crianças. Mas sua festa é celebrada em 6 de dezembro, e não no dia 25. A lenda se tornou institucional nas províncias germânicas do Norte no final do século 18, junto à árvore dos brinquedos e a pouco mais de cem anos chegou à Grã-Bretanha e à França.

Em seguida, chegou aos Estados Unidos, e estes mandaram a lenda para a América Latina, com toda uma cultura de contrabando: a neve artificial, as velas coloridas, o peru recheado e estes 15 dias de consumismo frenético a que muito poucos nos atrevemos a escapar.

No entanto, talvez o mais sinistro destes Natais de consumo seja a estética miserável que trouxeram com elas: esses cartões postais indigentes, essas cordinhas de luzes coloridas, esses sinos de vidro, essas coroas de flores penduradas nas portas, essas músicas de idiotas que são traduções malfeitas do inglês e tantas outras gloriosas asneiras para as quais nem sequer valia a pena ter sido inventada a eletricidade.

Tiros no Natal
Tudo isso em torno da festa mais espantosa do ano. Uma noite infernal em que as crianças não podem dormir com a casa cheia de bêbados que erram de porta buscando onde desaguar ou perseguindo a esposa de outro que acidentalmente teve a sorte de ficar dormido na sala.

Mentira: não é uma noite de paz e amor, mas o contrário. É a ocasião solene das pessoas de quem não gostamos. A oportunidade providencial de sair finalmente dos compromissos adiados porque indesejáveis: o convite ao pobre cego que ninguém convida, à prima Isabel que ficou viúva há 15 anos, à avó paralítica que ninguém se atreve a exibir.

É a alegria por decreto, o carinho por piedade, o momento de dar presente porque nos dão presentes e de chorar em público sem dar explicações. É a hora feliz de que os convidados bebam tudo o que sobrou do Natal anterior: o creme de menta, o licor de chocolate, o vinho passado.

Não é raro, como aconteceu freqüentemente, que a festa acabe a tiros. Nem tampouco é raro que as crianças — vendo tantas coisas atrozes — terminem acreditando de verdade que o menino Jesus não nasceu em Belém, mas nos Estados Unidos.

*Gabriel García Márquez (Aracataca, Magdalena, 6 de março de 1927) é um importante escritor colombiano, jornalista, editor e ativista político de esquerda, que em 1982 recebeu o Nobel de literatura por sua obra, que entre outros livros inclui o aclamado Cem Anos de Solidão. Foi responsável por criar o realismo mágico na literatura latino-americana.


A Estrada vai além do que se vê!

Estudantes de Manaus lutam pela meia passagem

Estudantes ocuparam ontem (23) o plenário da Câmara Municipal de Manaus, na tentativa de impedir a votação da emenda que altera parte das regras de uso da meia-passagem para a classe estudantil na capital amazonense. Durante a invasão, os manifestantes agrediram funcionários, quebraram vidros, jogaram tinta nas mesas e acabaram levando os vereadores a continuar a votação no auditório da Casa. Durante seis dias, os estudantes fizeram vigília no local mas, nesta terça (23), eles foram contidos pela tropa de choque da Polícia Militar.

Apesar da confusão, os vereadores aprovaram, com 26 votos a favor e apenas quatro contra, a proposta de emenda à Lei Orgânica do Município (Loman) que determina, a partir da publicação no Diário Oficial do estado, que a meia-passagem para circulação nos ônibus em Manaus esteja limitada a duas passagens por dia para cada estudante, seja ele do nível fundamental, médio ou superior, matriculado em rede pública ou privada de ensino.

As regras para uso da meia-passagem a partir de agora ficam mais rígidas e quem precisar de mais passagens, terá que comprovar a necessidade à concessionária do serviço de transporte coletivo na cidade. Além disso, a cada dois meses, a freqüência escolar também deverá ser comprovada e os que deixarem de freqüentar as aulas por mais de 20 dias letivos consecutivos ou 50 dias letivos intercalados perderão o benefício.

O presidente da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de Manaus (Umes), Yann Evanovick , lamentou a decisão dos vereadores e ressaltou que a medida implicará na perda de 80 meias-passagens para cada estudante por mês.

"Infelizmente estamos vivenciando um retrocesso a uma conquista histórica que tínhamos obtido anos atrás com a meia-passagem. Cada um de nós tinha direito a 120 meias-passagens por mês e agora serão apenas 40", declarou o estudante.

Menos ônibus
No mesmo dia em que os vereadores limitaram a meia-passagem, entidades estudantis e parlamentares do Amazonas entraram com um pedido de mandado de segurança no Tribunal de Justiça do Amazonas(TJA) contra a redução da frota de ônibus. A presidente da União Estadual do Estudantes (UEE), Maria das Neves, justifica alegando que a Justiça precisa apurar se as empresas estão retendo os ônibus nas garangens. "Hoje (dia 23) já recebi várias queixas de colegas estudantes dizendo que estão esperando o ônibus além do tempo normal. Se isso está acontecendo é porque está faltando ônibus. Queremos que a Justiça coloque gente para verificar se os veículos estão ficando nas garagens''.

Segundo das Neves, o pedido de mandado também inclui aplicação de multa de R$ 10 mil por cada ônibus retido. O documento leva assinatura dos vereadores Lúcia Antony ( PCdoB) e José Ricardo(PT) e dos deputados federais Vanessa Grazziotin (PCdoB) e Francisco Praciano (PT).

A redução da frota, anunciada na quinta-feira passada, pelos empresários do sistema de transporte, foi negada novamente ontem pelo presidente do Instituto Municipal de Transportes, Waldir Frazão. Ele voltou a falar que colocou fiscais nas portas das garagens e nos terminais e nada foi identificado de anormalidade. Waldir disse que os empresários estão blefando.

O presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Manaus(Sinetram), Acir Gurgacz, confirmou novamente que houve sim redução, sentida, sobretudo ontem. Ele disse, também, que o número menor de ônibus fez com que os empresários tivessem uma economia de 20% no combustível. ''Decidimos reduzir em 20% e não em 30% como anunciamos ontem. Isso está acontecendo e é evidente que houve um aumento no tempo de espera'', observou.

Na última sexta-feira, o Ministério Público Estadual(MPE) recomendou à Prefeitura de Manaus a intervenção no sistema de transporte. Conforme a assessoria de imprensa do MPE a recomendação não tem prazo para ser cumprida, mas que na próxima semana vai enviar à prefeitura documento questionando se realmente houve redução da frota. A intervenção no sistema continua sendo descartada pela prefeitura, conforme informou Waldir Frazão.

Sobre o posicionamento do IMTU, Maria das Neves disse que o movimento social e estudantil não esperava outra atitude, porque se trata de ''um órgão que está do lado dos empresários''.

O pedido de mandado de segurança leva a assinatura dos diretores da União Municipal de Estudantes Secundaristas(Umes), União Nacional dos Estudantes(UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas(Ubes), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras Brasileiros(CTB) e Sindicato do Trabalhadores em Educação do Amazonas(Sinteam).


Do Portal Vermelho com agências


A Estrada vai além do que se vê!

Ainda os sapatos


Charge de Clayton para O Povo


A Estrada vai além do que se vê!

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Virtual


Essa é da minha querida capixaba-mineira Luana Bonone, ex-Presidente da gloriosa União Estadual dos Estudantes de Minas Gerais (UEE-MG). Pra abrilhantar a tarde chuvosa desta terça-feira.


MSN
*


Cliquei na tua ausência, só para marcar presença

Fui buscar palavras

Para marcar um espaço, um pedaço do seu dia...

Vazio.


Fui catando cada verbete solto

Cada palavra não dita

Cada presença não tida...

Vazio. Fiquei vazia.


Fechei a janela.

Fechei sua ausência mecanizada

Mas ela se fez mais forte (feroz)


Quando a ausência se fez tão presente

a palavra veio à tona

Forte e decidida

Transformou-se em carga elétrica

promoveu sinapses

movimentou músculos


Meus dedos estremeceram

agitaram-se

E digitaram de forma inequívoca:

"Eu quero você"



Luana Bonone, Jornalista e estudante de administração. Diretora de comunicação da UNE. É da direção nacional da União da Juventude Socialista - UJS. Publicou ''Garazilda e a Santa Voz'' (1993).
*
*
A Estrada vai além do que se vê!

A vanguarda da esperança

Elenira Mendes na janela da casa de Chico Mendes em Xapuri (AC)
.

Em carta publicada no site Terra Magazine, a filha de Chico Mendes, Elenira Mendes, lembra a luta de seu pai, líder seringueiro assassinado em uma tocaia aos 44 anos na tarde de 22 de dezembro de 1988. Sua história de luta pela organização dos seringueiros e preservação da floresta amazônica tornou-se referência mundial de luta ambiental. Veja abaixo a carta da filha de Chico Mendes, na qual homenageia o pai.

Pai,

nesta semana estive revendo aquela minha foto e reli no verso dela a mensagem que você escreveu com tanto amor: “Elenira, és a vanguarda da esperança e darás continuidade um dia à luta que teu pai não vencerá”.

Também reli a mensagem que você deixou na agenda, escrita há 20 anos:

“Atenção jovem do futuro,

6 de Setembro do ano de 2120, aniversário ou centenário da Revolução Socialista Mundial, que unificou todos os povos do planeta num só ideal e num só pensamento de unidade socialista que pôs fim a todos os inimigos da nova sociedade. Aqui fica somente a lembrança de um triste passado de dor, sofrimento e morte.

Desculpem…Eu estava sonhando quando escrevi estes acontecimentos; que eu mesmo não verei mas tenho o prazer de ter sonhado.”

Não dá para evitar a emoção todas as vezes que leio as duas mensagens. Admiro até a caligrafia deixada por seu próprio punho.

As suas palavras, que sempre soam tão simples e carregadas de preocupação com a humanidade, me dão a exata medida do quanto você era sonhador. Já sei que a revolução com a qual sonhou começou quando você era ainda criança, nas matas de Xapuri.

Pai, Sandino, minha mãe e eu sabemos que desde muito pequeno você foi um grande trabalhador. Já nos contaram muitas vezes o quanto você era dedicado e organizado em tudo que fazia. Que desde criança já era um seringueiro destemido, assumindo tarefas de verdadeiro homem.

O seu exemplo continua sendo uma luz no nosso caminho, especialmente o seu senso de responsabilidade na defesa das florestas da Amazônia.

Sei que costumava levantar bem cedo, quando ainda estava escuro, para cortar seringa, ou para participar de reuniões pela organização dos seringueiros que queriam a proteção de nossos recursos naturais.

Às vezes fico imaginando o que com você pensava nos momentos de profunda angústia e solidão que enfrentou nesta vida. Você chorou em algum momento? Se chorou, meu pai, saiba que ainda existem homens e mulheres que também sonham com uma revolução que seja capaz de revelar a beleza necessária de um novo homem.

O homem nasce em beleza única e você, pai, foi único. A sua beleza foi única, marcada pela coragem e ousadia de lutar por uma nova sociedade tão almejada. A beleza ainda existe, pai, mas a nova sociedade não sei, sinceramente.

Pai, sei que, se dependesse de você, estaríamos hoje gozando dos benefícios de viver numa sociedade onde cada indivíduo pudesse desenvolver o seu trabalho de acordo com os seus talentos.

Falo de uma sociedade pela qual você lutou, onde os elementos básicos para a sobrevivência, como moradia, saúde, alimentação e educação, fossem garantidos a todos e onde o avanço de cada um representasse o progresso da própria sociedade.

Infelizmente, ainda continuamos apenas sonhando em busca de uma sociedade melhor. Já se passaram 20 anos desde aquela noite, quando o vi pela ultima vez, se debatendo no chão, tentando nos dizer, a mim e minha mãe, algo que nunca saberei exatamente o que era.

Pai, tenha a certeza de que sua luta não foi em vão. Os seus sonhos já não são somente seus. São também meus e de todos os que ainda acreditam nos seus ideais.

Você ainda é a vanguarda da esperança da Amazônia e do nosso amado Acre.

■ Elenira Mendes é formada em administração e dirige a ONG Instituto Chico Mendes

Fonte: Terra Magazine

Leia também:
-
Entrevista de Glauco Faria à Elenira Mendes: A tarefa de trabalhar o legado de Chico Mendes

- Idéias de Chico Mendes ainda influenciam políticas públicas

- Chico Mendes é 'Che Guevara da era ambiental', diz 'Guardian'

- A dor da gente saiu no jornal, texto de Marina Silva

- Chico Mendes encontrou Che Guevara no bar


A Estrada vai além do que se vê!

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Estudantes se preparam para o 12º Coneb da UNE


Os participantes do fórum debaterão, entre outros temas, o projeto de Reforma Universitária da UNE.

A cidade de Salvador será o ponto de encontro de jovens de todo o Brasil que definirão os rumos do movimento estudantil para 2009. Isso porque acontece entre os dias 17 a 20 de janeiro o 12º Conselho Nacional de Entidades de Base, o Coneb, um dos principais fóruns de deliberação da entidade que reunirá representantes de cerca de 2.400 Centros e Diretórios Acadêmicos de todo o Brasil para debater, principalmente questões ligadas à educação e articulação e mobilização estudantil.

Esta edição do Coneb terá uma novidade: durante os três dias de debates, plenárias e deliberações, os estudantes terão também a oportunidade de discutir ponto a ponto o Anteprojeto de Reforma Universitária da UNE e somar ao documento suas propostas. Estudantes tem até o dia 10 de janeiro para enviar suas contribuições através do endereço eletrônico: 12coneb@gmail.com.

O encontro terá programação focada na importância de pensar um novo modelo para a universidade brasileira. Em foco temas como a crise financeira e o papel do Estado brasileiro no desenvolvimento da nação, a universidade no centro do desenvolvimento da América Latina e do Brasil, o caminho da democratização da universidade brasileira, a Amazônia como espaço de integração na América Latina, entre outros.

Campanha Amazônia –Preservar sem entregar
Além de importantes discussões sobre assuntos que estão na ordem do dia, o 12º Coneb também será palco do relançamento da campanha "Amazônia – Preservar sem entregar", lançada no 11º Coneb, em 2006. O objetivo é conscientizar a sociedade da importância de defender o território e a soberania nacional e alertar as autoridades públicas para o descaso com que a região tem sido tratada.

Confira a programação.

Leia abaixo as propostas enviadas até o momento:

Contraponto
Da unidade vai nascer a novidade
Juventude Revolução
Kizomba
Mudança
UNE é pra lutar
Rebele-se


Do EstudanteNet


A Estrada vai além do que se vê!

Sai DVD de Braços cruzados, clássico do cinema operário

Cena de 'Braços cruzados máquinas paradas'

A VideoFilmes lançou em DVD o documentário Braços cruzados máquinas paradas, de 1978, que acompanha a pioneira onda grevista de 1978 nas fábricas metalúrgicas de São Paulo. José Geraldo Couto, que fez a resenha do filme para a Folha de S.Paulo, afirma que ''visto hoje, 30 anos depois'', ele ''ainda impressiona por seu frescor e vitalidade''.

''Roberto Gervitz (Feliz ano velho, Jogo subterrâneo) e Sérgio Toledo (Vera) tinham pouco mais de 20 anos e eram universitários de classe média quando fizeram o documentário Braços cruzados máquinas paradas, em 1978. Inicialmente concebido para registrar a eleição para a diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, dominado havia 14 anos pelo 'pelego' Joaquim dos Santos Andrade (o Joaquinzão), o filme foi colhido no olho do furacão do primeiro grande movimento grevista paulistano desde o golpe militar de 1964'', comenta Couto.

''Na esteira das greves metalúrgicas do ABC, cujo principal líder era um certo Lula, as fábricas de São Paulo começaram a parar por reajustes salariais, melhores condições de trabalho e liberdade sindical. Os jovens Toledo e Gervitz, excitados com o movimento, optaram por fazer de seu filme um instrumento, dando voz aos operários e seus líderes.''

''Visto hoje, 30 anos depois, Braços cruzados ainda impressiona por seu frescor e vitalidade, mas também por documentar um certo mundo operário que parece não existir mais, o das grandes massas de trabalhadores braçais operando máquinas semi-manuais'', observa o crítico, tocando no complexo problema da crise de identidade da classe dos trabalhadores assalariados a partir dos anos 1980.

Filme de amor que comove
''O que fica de mais precioso são as imagens dos trabalhadores nas fábricas, nos ônibus e trens, nas moradias precárias. A fala dos não-militantes são quase sempre mais interessantes do que a dos sindicalistas. Uma operária diz, indignada, na porta de uma fábrica: 'Não é à toa que tem cada vez mais ladrão e gente pedindo esmola. Vale mais roubar ou mendigar do que acordar às três da madrugada para trabalhar na Philco e ganhar uma porcaria'.

''Para o jornalista, ''a câmera de Aloysio Raulino capta com extrema sensibilidade o balé de rostos e corpos que pela primeira vez se viam como atores da história, e não apenas como vítimas ou espectadores. Nos extras, além de entrevistas de Gervitz e Raulino, o destaque são os depoimentos de cinco líderes das greves de 78, três décadas depois. Ao se rever na tela e contextualizar o movimento, eles dão uma demonstração de lucidez, coerência e alegria que chega a comover. Um deles diz a certa altura a palavra 'amor' para definir o que os une. Para além da política, Gervitz e Toledo fizeram isso mesmo: um filme de amor.''


Do Portal Vermelho, com Folha de S.Paulo


A Estrada vai além do que se vê!

Manifestações de apoio a repórter das sapatadas chegam a Venezuela, Jordânia e Irã

Ilustração de Márcio Baraldi

As manifestações de apoio ao repórter iraquiano que atirou seus sapatos contra o presidente norte-americano, George W. Bush, chegaram à Venezuela, à Jordânia e ao Irã, onde um clérigo batizou o ato de a “intifada do sapato”, em referência ao movimento de rebelião palestina contra Israel.

O clérigo Ahmad Jannati abençoou o repórter Muntazer al-Zaidi durante uma oração, na sexta-feira, na capital iraniana, Teerã.

“A intifada do sapato no Iraque não deve ser ignorada facilmente”, disse o clérigo, segundo a rede CNN.

“Parabéns ao jornalista iraquiano por jogar seus sapatos contra o presidente dos Estados Unbidos. A intifada do sapato no Iraque não deve ser ignorada facilmente”, disse.

Falando na Universidade de Teerã, Jannati classificou os sapatos como “mais valiosos que coroas, medalhas e placas” e disse que acredita que eles deveriam ser colocados num museu iraquiano.

“O sapato atirado pelo jornalista tem muitas mensagens que o mundo e a população iraquiana receberam e também fizeram protestos. As pessoas devem apoiar o jornalista iraquiano”, disse o clérigo, defendendo que os sapatos passem a fazer parte das manifestações contra os Estados Unidos.

As sapatadas, que já haviam inspirado protestos contra a guerra no Iraque em frente à Casa Branca, também foram lembradas em protesto em Caracas, na Venezuela, em frente à embaixada norte-americana.

Os manifestantes pediam a libertação do “herói iraquiano”.

A manifestação foi convocada pela internet por movimentos sociais e a organização “Jornalistas pela Verdade”.

D'O outro lado da notícia, com agências


A Estrada vai além do que se vê!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Corte nas verbas da educação indigna estudantes


Em nota, UNE e UBES contestam cortes nas verbas para Educação no Relatório-geral do Orçamento 2009

Entidades manifestam indignação e contrariedade contra o possível corte nos ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia, de mais de R$ 1 bilhão em cada.

O presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), preside nesta quinta-feira a sessão do Congresso Nacional destinada a votar o Orçamento de 2009. O texto contém sinalização de cortes nos ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia, de mais de R$ 1 bilhão em cada.

Em nota, a UNE e a UBES "manifestam indignação e contrariedade contra qualquer tipo de medida do orçamento que represente corte nas verbas da Educação". Para as entidades, "a Educação, elemento estratégico e fundamental para qualquer governo comprometido com um projeto de Nação, não pode ter os seus recursos submetidos a restrições, cortes ou contingenciamentos, especialmente diante de uma crise na economia internacional", pontua um trecho do documento.

O relatório do senador Delcídio Amaral (PT-MS) foi aprovado na Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) na manhã de quarta-feira (17). Na Educação, a redução da verba foi de R$ 1,6 bilhão nas despesas correntes, passando de R$ 70,5 bilhões para R$ 69,5 bilhões.

Na Ciência e Tecnologia, a proposta é de reserva de contingenciamento de R$ 800 milhões, o que diminui o orçamento bruto da pasta de R$ R$ 9 bilhões para R$ 8,8 bilhões. Segundo o relator, a receita desse ministério depende de royalties e o preço do petróleo está em queda.

O texto-base aprovado na tarde de terça (16), prevê corte de R$ 8,5 bilhões nas despesas de custeio, que é a manutenção da máquina da União. A intenção do relator foi compensar a perda de receita prevista para o ano, em decorrência da esperada desaceleração da economia devido à crise financeira internacional. O corte total nas despesas originalmente proposto pelo Executivo chega a R$ 10,6 bilhões.


NOTA DA UNE E UBES CONTRA O CORTE DO ORÇAMENTO DA EDUCAÇÃO

A União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e a Associação Nacional dos Pós Graduandos (ANPG) mantêm seu compromisso com os estudantes brasileiros e vêm a público manifestar indignação e contrariedade contra qualquer tipo de medida do orçamento da União que represente corte nas verbas da Educação.

A Educação, elemento estratégico e fundamental para qualquer governo comprometido com um projeto de Nação, não pode ter os seus recursos submetidos a restrições, cortes ou contingenciamentos, especialmente diante de uma crise na economia internacional.

A resposta à crise que o povo espera é a consolidação definitiva de um projeto de desenvolvimento nacional, pautado na soberania, valorização do trabalho e distribuição de renda. Entendemos que não só a Educação cumpre um papel estratégico nessa linha política como repara uma dívida social histórica da nação brasileira com o seu povo.

O Brasil precisa que os jovens ocupem todas as salas de aula do País. A juventude exige o aumento das vagas, qualidade do ensino, democracia na gestão das IES, avaliação qualificada do ensino superior e interiorização das universidades. Para isso é necessário que tenhamos verbas compatíveis com a demanda.

Por fim, lutamos por 7% do PIB para a Educação, pelo fim da DRU, que retira cerca de R$ 6 bilhões da Educação anualmente, e por uma reforma tributária que privilegie os trabalhadores.


UNIÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES (UNE)

UNIÃO BRASILEIRA DOS ESTUDANTES SECUNDARISTAS (UBES)

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PÓS GRADUANDOS (ANPG)



Da Redação do EstudanteNet com O Globo



A Estrada vai além do que se vê!

2º Congresso da CTB será em setembro

O 2º Congresso Nacional da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) vai ocorrer em setembro de 2009 e elegerá a nova direção para um mandato de quatro anos. Caberá à executiva da entidade definir os dias exatos e o local do encontro.

Todas essas decisões foram tomadas pela direção plena da CTB, que se reuniu na terça (16) e quarta-feira (17), em Salvador — poucos dias depois de a fundação da central completar um ano.

O primeiro dia da reunião foi marcado por um debate entre o presidente do PCdoB, Renato Rabelo, e o primeiro vice-presidente do PSB, Roberto Amaral. Os dois dirigentes abordaram a atual crise econômica, desde sua natureza até seus nefastos impactos para os povos e, especialmente, os trabalhadores.

A reunião fez também um balanço do primeiro ano de atuação da CTB. Na opinião da direção plena, o principal feito foi a legalização da central em tempo tão exíguo. “Completamos um ano agora, no dia 12 de dezembro, e estamos hoje com 523 sindicatos filiados à central. É um êxito muito grande”, disse ao Vermelho o secretário-geral da CTB, Pascoal Carneiro.

No segundo dia, os diretores fixaram as metas de filiação por estados e o calendário de ações da central para 2009. A reunião foi concluída com a aprovação de uma nota de apoio ao piso do salarial do magistério e a “Resolução da Diretoria Plena da CTB”.

Confira abaixo a íntegra dos documentos.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA PLENA DA CTB

Salvador, 17 de dezembro de 2008.

A direção nacional da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), reunida nos dias 16 e 17 de dezembro de 2008, em Salvador, Bahia, convoca o II Congresso da Central para o mês de setembro de 2009, em dias e local a serem definidos posteriormente pela sua executiva.

O II Congresso da CTB cumpre deliberação estatutária do Congresso de sua fundação e elegerá a direção da Central para os próximos quatro anos. Será um momento de particular importância de reafirmação dos princípios classistas, democráticos e de centralidade do trabalho como fonte de valor e origem de toda riqueza social.

A gravidade da atual crise estrutural do capitalismo e os novos desafios que ela coloca para a classe trabalhadora realçam a importância política do II Congresso da CTB, que deve se constituir como espaço e lugar privilegiados de debate e decisão sobre alternativas para a crise que contemplem os direitos dos trabalhadores e apontem para a construção de um modelo de desenvolvimento em que o crescimento econômico tenha por fonte a valorização do trabalho, a integração regional soberana e, por horizonte, o socialismo.

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) é uma organização sindical classista, democrática, plural e de luta, que mantém sua independência frente ao Estado, aos partidos e aos patrões. Surge em nosso país por uma necessidade objetiva da classe trabalhadora brasileira de ter uma representação capaz de conduzir a luta em defesa de seus interesses imediatos de classe e de seus objetivos libertários, estratégicos.

Nesse momento o neoliberalismo, formato do capitalismo travestido como moderno e absoluto, sofre duro revés político, econômico e, sobretudo, ideológico. Sucumbem suas premissas da auto-regulação pelo mercado e do Estado mínimo, sem ter sequer um papel regulador.

Esse novo ambiente se entrelaça com a crescente luta política de classes entre os projetos que disputarão em 2010 os rumos do Brasil.

Ao convocar seu II Congresso, a CTB conclama todos os filiados a unificar esforços na efetiva consolidação e fortalecimento de nossas instâncias estaduais, fincar fortes raízes nas organizações sindicais de base, aprofundar a articulação com os movimentos sociais e avançar na democratização e unidade do movimento sindical no Brasil, na América Latina e no mundo. Só assim poderemos cumprir papel relevante na defesa classista dos trabalhadores e de todo o povo brasileiro.

A Direção Plena da CTB


Nota da CTB: Todo apoio ao piso do magistério

Todo apoio à lei 11738/2008, que estabelece, pela primeira vez na história, um piso salarial para o magistério.

Bandeira histórica da categoria, o piso teve uma longa trajetória. Foram 14 meses de discussão até a sua aprovação por unanimidade no Congresso Nacional e sanção do presidente. Portanto, uma conquista dos educadores (as) brasileiros (as) que se constitui num instrumento da valorização dos(as) professores(as) nos estados e municípios.

Não podemos nos calar frente ao questionamento a respeito da constitucionalidade da lei que estabelece o piso nacional por parte de alguns governadores.

A CTB se posiciona com firmeza em defesa do piso do magistério, compreendendo que a sua implementação em 2009 se constituirá num importante elemento para a implementação de uma educação pública de qualidade para as crianças, jovens e adultos brasileiros(as).

De Salvador, André Cintra para o Portal Vermelho

Leia também:
Em plebiscito, metroviários de SP escolhem CTB a sua central


A Estrada vai além do que se vê!