quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Reitoria e Adunimontes se pronunciam sobre a paralisação dos professores

Mesa diretora da assembléia dos professores realizada ontem
Foto: Xú Medeiros (O Norte)


A paralisação dos professores da Unimontes continua. E a Reitoria da universidade, bem como a Adunimontes (Associação dos Docentes da Unimontes), se pronunciaram sobre as negociações envolvendo a direção da Unimontes e da UEMG (Universidade do Estado de Minas Gerais), Governo do Estado e entidades representativas dos docentes dessas instituições.
Amanhã às 9 horas, no Auditório do Centro de Ciências Humanas, prédio 2 da Unimontes, a Adunimontes realiza mais uma assembléia para decidir os avanços e próximos passos do movimento.
Leia abaixo as notas da Reitoria e da Adunimontes:

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - REITORIA
À COMUNIDADE ACADÊMICA E AO PÚBLICO EM GERAL

Em relação às negociações com o Governo do Estado com o objetivo de serem promovidos ajustes na remuneração atribuída aos servidores docentes da Universidade Estadual de Montes Claros e da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), a Reitoria da UNIMONTES presta os seguintes esclarecimentos:

1) Em reunião realizada no último dia 29 de agosto, em Belo Horizonte, entre representantes da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), dirigentes da UNIMONTES e da UEMG e das entidades sindicais, foi apresentada a proposta do Governo para criação de GRATIFICAÇÃO vinculada às avaliações de desempenho individual e institucional e de reajustes nos percentuais relativos à DEDICAÇÃO EXCLUSIVA.

2) Assim, de acordo com a proposta apresentada pela Seplag, em virtude da GRATIFICAÇÃO, a partir de SETEMBRO/2008, seriam observados – EM MÉDIA - os seguintes índices de correção: A) professor ingressante no Nível I (Especialista – 40 horas), reajuste médio de 20,81%; B) professor Nível III (Mestre – 40 horas), 25,26%, e C) professor Nível V (Doutor – 40 horas), 26,78%.

3) Em JULHO/2009, serão aplicados os mesmos índices de correção. Portanto, na prática, conforme a proposta, serão alcançados os seguintes índices médios: A) professor ingressante no Nível I (Especialista – 40 horas), 41,62%; B) professor Nível III (Mestre – 40 horas), 51,12%, e C) professor Nível V (Doutor – 40 horas), 53,26%. No entanto, esses índices - dependendo do tempo de serviço – poderão ser superiores.

4) Ainda de acordo com a proposta, os percentuais relativos à DEDICAÇÃO EXCLUSIVA seriam alterados, também a partir de SETEMBRO/2008: MESTRES – de 20% para 25%, e DOUTORES – de 35% para 45%. O objetivo é incentivar a permanência de professores portadores desses títulos.

5) É importante salientar, ainda, que a proposta CONTEMPLA a maioria do corpo docente, INCLUSIVE os efetivados em decorrência da Lei Complementar nº 100/2007. Por outro lado, a Reitoria da Unimontes está empenhada no sentido de que a GRATIFICAÇÃO a ser instituída inclua, também, os professores designados. A implementação da proposta depende do encaminhamento de projeto-de-lei à Assembléia Legislativa, sendo assegurada, no entanto, a vigência a partir de 1º de setembro. O texto da proposta, na íntegra, está disponível no endereço eletrônico: http://www.ddrh.unimontes.br/.

6) Em nenhum momento, as autoridades governamentais consideraram encerradas as negociações. O que foi informado é que a proposta apresentada é a possível no momento, em face das restrições orçamentárias e legais. Apesar disso, não há obstáculo para que se mantenha o permanente diálogo objetivando alternativas para atender os pleitos encaminhados pelas duas Universidades.

7) Daí a importância da manutenção do diálogo, sem adoção de quaisquer ações radicais que possam comprometer as negociações, e protelar a percepção dos benefícios decorrentes da proposta apresentada.

8) Por outro lado, a proposta pode não ter sido a ideal ou sonhada, mas abrir mão do que é possível agora poderia implicar em perdas significativas para os docentes.

9) É imperioso reconhecer, finalmente, a boa vontade e o interesse do Governo de Minas em encontrar alternativas que atendam as nossas reivindicações.

Juntos, praticando o diálogo harmônico, estaremos sempre mais fortalecidos.

Montes Claros, em 2 de setembro de 2008.

REITORIA DA UNIMONTES



ADUNIMONTES

À Comunidade Acadêmica e ao Público em Geral

Os DOCENTES da UNIMONTES vêm esclarecer sobre O PORQUÊ não aceitaram a Proposta do Governo Estadual.

Em reunião realizada no último dia 29 de agosto, em Belo Horizonte , entre representantes da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG), dirigentes da UNIMONTES e da UEMG e das entidades sindicais, foi apresentada a proposta do Governo para criação de GRATIFICAÇÃO vinculada às avaliações de desempenho individual e institucional e de reajustes nos percentuais relativos à DEDICAÇÃO EXCLUSIVA.

Esclarecemos que GRATIFICAÇÃO não implica em reajuste salarial, pois não garante incorporação ao salário base, constituindo uma “dádiva”, como bondade do Estado, podendo o próximo Governo ou até mesmo este, retirá-la a qualquer momento. Como essa GRATIFICAÇÃO não atinge os professores inativos, nem os designados, ela foi considerada inapropriada por parte da Assembléia reunida no dia 1º de setembro de 2008.

Os professores que terão direito a essa GRATIFICAÇÃO, efetivamente, são aqueles que não tiraram licença saúde em 2007; licença para se doutorarem ou produzirem seus mestrados, capacitação importantíssima para o aperfeiçoamento da produção de pesquisas na UNIMONTES e da avaliação desta instituição junto à CAPES.

Com relação à proposta de GRATIFICAÇÃO por DEDICAÇÃO EXCLUSIVA, as alterações atingem muito poucos professores. Os percentuais de 20% a 25% para Mestres e 30% a 45 % para Doutores não é estímulo suficiente para que professores trabalhem exclusivamente na UNIMONTES. Além disso, é importante lembrar que o percentual de professores contemplados com a DE é tão pequeno, que a maioria divide seu tempo de trabalho com outras instituições.

O ESTADO de Minas fez a sua parte nas negociações, apresentando uma proposta inadequada de acordo com nossas necessidades. Ainda assim, estamos tentando aprimorar a proposta que eles nos fizeram. Interessa-nos, sim, participar das reuniões com a SEPLAG. Inclusive, em ASSEMBLÉIA, reunida no dia 3 de setembro, foi votada uma NOVA PROPOSTA, que seria levada, caso a SEPLAG resolva manter a reunião marcada para o dia 04 de setembro.

É IMPORTANTÍSSIMO salientar A BOA VONTADE e o NOSSO INTERESSE em encontrar alternativas para as nossas reivindicações. Somos flexíveis, mas não seremos dobrados à vontade do governo mineiro em impor uma decisão, sem levar em consideração a nossa situação. Antes de mais nada, somos trabalhadores da EDUCAÇÃO e estamos diretamente envolvidos com o desenvolvimento do NORTE MINEIRO. Somos aqueles que também produzem o saber nessa região e devemos ser respeitados para que continuemos a fazer nosso trabalho de qualidade, como sempre fizemos, o que levou a UNIMONTES a atingir o patamar de excelência com o qual ela vem sendo reconhecida no BRASIL.

Ao contrário do que diz a REITORIA, acreditamos que, “JUNTOS, praticando o diálogo harmônico, estaremos sempre mais fortalecidos.”

Montes Claros, 03 de setembro de 2008.

ADUNIMONTES

Em tempo: também amanhã, às 8 horas, em frente ao Hospital Universitário Clemente de Faria, os servidores técnico-administrativos da Unimontes realizam assembléia com indicativo de greve. A proposta feita pelo Governo do Estado para os técnicos é ainda pior do que para os docentes: apenas 8% de aumento no salário-base. É a forma como o desgoverno Aécio trata a educação em nosso estado...

A Estrada vai além do que se vê!

5 comentários:

Anônimo disse...

Esse aumento de 8% será dado também aos técnico-administrativos da UEMG???
Putz...brincadeira...

Anônimo disse...

E quanto aos funcionários do corpo técnico administrativo?
Não temos reajustes a anos nem correção inflacionária...temos os piores salários do estado e ninguém se pronuncia!!
Só se houve falar em reajuste para professores!!!

SONIA disse...

BOA SORTE !!!!QUE DEUS ILUMINE ESTA CAMINHADA VCS SÃO 10. JANUARIA MG.

SONIA disse...

ESTAMOS TORCENDO POR VCS!!!CAMPUS JANUÁRIA MG!!!!!!

Anônimo disse...

Meu caro você parece que ainda não conseguiu entender que uma Universidade é feita apenas de professores.Não sei se todas mas a nossa dá provas inequivocas disto. O corpo administrativo é tratado pior que lixo, pelo menos este incomoda e é jogado fora, nós temos que pedir para sair ou morrer por inanição. Será que a comunidade sabe que um Técnico Administrativo ganha R$650,00 e um Analista ganha R$1000,00. O bom é que temos o IPSEMG, só não é possível ser atendido. Agora se você quer melhorar se instrua pague uma universidade particular e se forme professor. Lógico antes se torne faquir, pois com este salário pagar os estudos e comer é impossível.Há e quando receber os 8% não sorria, os dentes também não devem estar lá estas maravilhas.